Ribeirinhos têm suas atividades prejudicadas pelo ICMBio

canoas-fabricadas-pelos-ribeirinhos
Canoas fabricadas pelos ribeirinhos

As comunidades ribeirinhas estão enfrentando dificuldades econômicas devido à recessão pela qual o País está passando. Algumas dessas comunidades têm uma base de economia específica que, devido a diversas situações, estão tendo problemas para mantê-la. É o caso da comunidade de Curi, no Rio Arapiuns.

A comunidade de Curi está localizada na margem direita do Rio Arapiuns, tendo como vizinhas as vilas de São Pedro e Camará. É formada por 127 famílias que vivem da agricultura e, principalmente, da carpintaria artesanal. Produção de canoas, botes, bajaras e pequenos barcos que são trazidos e vendidos em Santarém ou mandados para outros municípios vizinhos.

Nos últimos anos os ribeirinhos vêm encontrando barreiras que os impedem de continuar mantendo sua atividade, base da economia local. Dentre esses obstáculos, os dois principais merecem destaque: falta de matéria prima (madeira) e a dificuldade de introdução do produto no mercado devido a baixa procura por parte do setor pesqueiro do Município.

Desde a suspensão do Seguro Defeso dos pescadores artesanais no final de 2015, os pescadores estão mais cautelosos no momento de fechar o contrato de compra e venda devido às inconstâncias do benefício. Essa insegurança acaba influenciando em outros setores, como é o caso dos carpinteiros do Arapiuns que precisam vender seus produtos para manterem sua fonte de renda.

“As vezes pegamos uma encomenda, vamos para a comunidade e conseguimos a madeira para fazer, mas quando chegamos aqui o pescador não tem o dinheiro para pagar, ou quer trocar em peixe, ou quer pagar aos pouquinhos. Não podemos trabalhar assim porque não dá pra cobrir nossas despesas”, desabafa o carpinteiro Francisco Pereira.

Outro problema citado pelos comunitários é a falta de madeira para a fabricação do serviço. A matéria prima disponível na região está centralizada dentro da Reserva Extrativista Tapajós-Arapiuns (Resex) e só pode ser beneficiada dentro da própria reserva. Ocorre que a Reserva está localizada à margem esquerda do Rio Arapiuns, enquanto que as comunidades que vivem da carpintaria artesanal estão na margem direita. O ICMBio não permite que a madeira atravesse o rio.

Sobre este obstáculo, o carpinteiro Antonio Pereira acredita que “se nos uníssemos com as outras comunidades que também vivem da carpintaria artesanal e que precisam da madeira, como é o caso das vilas de Camará e Cachoeira do Aruã, talvez conseguíssemos uma autorização legal para fazer com que essa madeira chegue até nossos estaleiros. Pelo fato de que não produzimos em grande escala, só para nosso sustento”.

“Não somos só nós carpinteiros que estamos sendo prejudicados pelo ICMBio. Muitas comunidades de dentro da reserva viviam somente do corte da madeira para repassar para as outras comunidades que faziam as obras. Esses comunitários não sabem fazer canoas. Agora eles também não podem mais fazer este serviço porque não podem atravessar o rio para entregar a madeira. Enquanto que grandes empresários tiram toda a madeira disponível dos limites da reserva e levam para Belém. E o ICMBio faz vista grossa para as balsas que passam aqui em Santarém com essa madeira para Belém. Não sabemos se isso é legal, porque as balsas só passam durante a noite”, diz seu Francisco.

Os ribeirinhos temem que daqui a alguns anos não se tenha mais de onde tirar recursos para a manutenção de suas rendas. Devido a escassez da matéria prima e as dificuldades enfrentadas para chegar onde esta matéria está centralizada.

Enquanto isso, famílias que antes viviam da carpintaria artesanal estão voltando suas atividades para a agricultura familiar. No intuito de continuar sustentando suas famílias e na esperança de que a situação se resolva e a comunidade possa voltar a ser referência na atividade da carpintaria artesanal, da qual tanto se orgulham.

Por: Tácia Pires

Fonte: RG 15/O Impacto

6 comentários em “Ribeirinhos têm suas atividades prejudicadas pelo ICMBio

  • 14 de setembro de 2016 em 07:48
    Permalink

    Os ribeirinhos do nosso município nao tem apoio de ninguem. Vivem por conta propria em comunidades onde os beneficios nao chegam. E ainda tem que conviver com esse empecilhos causados por quem quer mostrar serviço atacando os menos favorecidos e mascarar os verdadeiros desmatadores.

    Resposta
  • 14 de setembro de 2016 em 07:30
    Permalink

    Conheço o trabalho dos carpinteiros do Arapiuns. Trabalho que eles fazem como ninguem. O ICMBio deveria incentivar o crescimento das comunidades ribeirinhas que tiram a madeira de forma sustentavel. Mas os persegue pela porta da frente enquanto deixa as portas e janelas abertas para os grandes desmatarores daquela regiao que trazem suas balsas na calada da noite.

    Resposta
  • 14 de setembro de 2016 em 07:28
    Permalink

    isso é falta de respeito e apoio para as comunidades ribeirinha isso está acontecendo em vários municípios as vezes equipe do governo federal fazem reunião e mais reunião elabora proposta mais nada é executado e quem sofre é o povo ribeirinhos porque não tem uma fonte de renda para manter sua família parabéns para o jornal oipacto pela divulgação dessa belíssimo matéria

    Resposta
  • 13 de setembro de 2016 em 18:15
    Permalink

    A ultima coisa que esse tal de ICMBio deve afirmar é a falta de materiais para a comunidade trabalhar e sustentar suas famílias. Com tanta madeira sendo derrubada e levada daqui e ninguém faz nada, agora querem impedir a comunidade de se manter. Vergonhoso !!!!!

    Resposta
  • 13 de setembro de 2016 em 18:11
    Permalink

    Essa falta de consideração do governo e órgãos públicos, que se desdobra em ausência de políticas de incentivo ao pequeno produtor tem como consequência a perda da identidade cultural da região. Esses artesãos populares, autênticos representantes de tradições milenares deveriam receber incentivos do governo, não limitações por falta de sensibilidade de quem está no Poder. Uma vergonha!!!

    Resposta
  • 13 de setembro de 2016 em 18:09
    Permalink

    Comunidade é um agrupamento de pessoas que vivem dentro de uma mesma área geográfica, rural ou urbana, unidas por interesses comuns e que participam das condições gerais de vida.
    Para manterem seu sustento devem lutar sim, pelos seus direitos povo unido é povo forte.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *