O DIA SEGUINTE

Se eu fosse americanizado diria Day After, pois é, para se ver o estrago no dia seguinte após a eleição de 2016. É o dia do “chôrôrô”. E o resto que se viu foi um dia de finados antecipado. A cidade ficou silenciosa. Tudo paralisado, uma perda total. Não houve mais aquela correria de caminhões lavando rua, pintando rua, levando aterro, tirando aterro, e agora mesmo as obras paralisadas, ficarão mais paralisadas, ainda mais! – Eu lamento para o caso das calçadas na minha Travessa Turiano Meira, na Cohab, que foi quebrada, por uma dessas empreiteiras do Núcleo de Gerenciamento de Obras (paradas, logo, sem obras) e não fizeram até agora, então, como já estão desiludidos com eleitores, santarenos, não concluirão. E o pior, logo na parte onde fica a minha casa. Parece marcação!

No nosso caso específico em Santarém nesta eleição, fizemos história. Na primeira eleição propensa a ser decidida no segundo turno para Prefeito. Não houve. O Prefeito eleito Nélio Aguiar colocou 54% a 34% ao segundo colocado Alexandre Von, atual gestor. Não houve o segundo turno. O atual Prefeito recebeu uma ”goleada” de votos, como resposta da população que estava descontente com ele e só ele não sabia. Ou seu serviço de inteligência não era tão inteligente assim. Se o povo deu sua resposta para Prefeito, em parte ocorreu o mesmo para Vereador, onde houve aproximadamente mudança de 50% das cadeiras, até agora, dizem que ainda poderá haver mudança, tem questões a serem decididas no Superior Tribunal Eleitoral.

A Câmara de Santarém mudou em qualidade? Diria que não. Perdeu. A primeira perda foi a da bancada feminina que era composta por três e era atuante. A partir de janeiro/2017, teremos só uma representante feminina, dizem até que não ficará na Câmara, será Secretária! Quanto aos novos, alguns têm um Currilum Vitae que não tem muita coisa a acrescentar para a população santarena. Resta ver o que os novos com os reeleitos demonstrem em suas atuações.

Novidade para Vereador foi que o Vereador mais votado, representante da categoria dos pescadores, que por sinal já elegeu outrora, um outro Vereador, o Rivelino. Já é o segundo eleito pela categoria. Quanto aos outros que se diziam representantes de categorias, não foram eleitos, ficando longe e confirmando um pensamento meu, que os que se dizem ser representantes de categorias não são tão representantes assim. Algumas categorias como: mototaxista, professores, radialistas, sindicalistas, desportistas, folcloristas, carnavalesco, empresários. Só mesmo um que se diz ser representante dos evangélicos.  Não sei se há outros.

 Mas o que mais envergonha a eleição é a velha prática da política, que mesmo com a mudança oportuna da Lei Eleitoral, não mudou a cabeça do eleitor e alguns candidatos que não fizeram o “clientelismo”, os favores não conseguiram o que objetivavam. O eleitor sempre perguntando o que o candidato vai fazer por ele, o eleitor, não pergunta o que geralmente eles não têm, que é o programa. Ou conhecimento do papel do Vereador. ou o que fará pela cidade, pelo Município.

Como diria um amigo meu, o falecido radialista alenquerense Luiz Araújo que tinha um programa esportivo em Belém, intitulado: ANDAM DIZENDO POR AÍ. Pois é: andam dizendo por aí que houve muita compra de votos, a compra de votos correu frouxa, principalmente nas periferias, dizem até que um candidato fez diversas instalações hidráulicas, em diversas residências, em certas comunidades. Andam dizendo por aí que houve compra de votos à prestação, onde a segunda parcela será paga, após o dia 20, quando sairá o pagamento do nosso Legislativo. Afora aqueles que foram bancando certos membros de comunidades, por mais três meses e etc, etc e etc. Andam dizendo por aí, que na cidade foi tranquila, mas em Arapixuna, em Alter do chão, na região do Eixo forte e nos bairros do Jutaí, Área Verde e Jaderlândia correu solto, ou melhor, na garupa do nosso novo serviço o de “motovoto”. Mas para aqueles que denunciaram, convém esclarecer, que a Justiça precisa de provas.

Para finalizar quero consertar a fala de um jovem da imprensa local, antes do dia da eleição disse que Santarém precisava ter um representante oriundo da colônia nordestina e que somente Emir Aguiar e Beth Lima estiveram no Legislativo. Quero ajudar o jovem que ainda não teve tempo para pesquisar que, já tivemos muitas personalidades, oriundas da colônia nordestina em nossos poderes como: Hildenburgo Moura, Godofredo Portela, Faustino Sales, Núbia Angelino, Aurélio Pinto, Gonzaga Rufino, Zé Iron, Joventino Lira e Elias Pinto. A estes juntam-se, os mais recentes: Emir Aguiar, Beth Lima, Giovani Aguiar e Nicolau do Povo. Por fim, desejar ao nosso Prefeito eleito que assumirá no dia 01 de janeiro de 2017. Que Deus o ilumine e proteja todos os seus passos, para o bem de Santarém. ///////////ONTEM, 06 de outubro, completou onze anos que nos deixou o meu saudoso pai ÉLVIO FONSECA. /////////// Será nesta sexta-feira o primeiro baile dos festejos em homenagem dos 68 anos de fundação do Fluminense. Será um BAILE DE SAUDADE, com a Banda Estação Ponto Com, do Amarildo. Não perca!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *