Juiz Moro condena ex-senador Gim Argello a 19 anos de prisão

em-imagem-de-abril-o-ex-senador-gim-argello-ptb-e-preso-na-28a-fase-da-operacao-lava-jato
Em imagem de abril o ex-senador Gim Argello (PTB) é preso na 28ª fase da Operacao Lava Jato

O ex-senador Gim Argello, preso na Operação Lava Jato, foi condenado a 19 anos de prisão pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e obstrução à investigação.

A sentença foi dada nesta quinta-feira (13) pelo juiz Sergio Moro. Cabe recurso.

Argello, que era filiado ao PTB, é acusado de pedir dinheiro a empresários para evitar convocações e abafar conclusões do relatório final da CPI da Petrobras, em 2014.

Durante o processo, dois empresários admitiram ter pago propina a Argello: Leo Pinheiro, ex-presidente da OAS, e Ricardo Pessoa, sócio da UTC.

Os valores foram pagos, segundo os depoimentos, por meio de doações eleitorais oficiais e de uma transferência a uma igreja no Distrito Federal, base eleitoral de Argello.

Os dois empresários também foram condenados, pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e obstrução à investigação.

Pinheiro foi sentenciado a 8 anos e 2 meses de prisão.

Já Pessoa e seu sócio na UTC, Walmir Pinheiro Santana, também condenado, fizeram um acordo de delação premiada, e por isso não cumprirão penas além das que já foram previstas no acordo.

Os assessores do ex-senador, Paulo Cesar Roxo e Valério Neves Campos, que também eram réus, foram absolvidos por Moro, assim como o filho de Argello, Jorge Afonso Argello Júnior, e os ex-executivos da OAS Roberto Zardi Ferreira e Dilson de Cerqueira Paiva Filho.

O juiz entendeu que não havia provas suficientes para condená-los.

OUTRO LADO

O ex-senador sempre negou irregularidades. Em depoimento a Moro, no final de agosto, chorou e disse estar sendo vítima de “vingança”.

“Eu não fui desonesto. Não pedi propina para ninguém, não pedi vantagem indevida a ninguém. Eu pedi doação eleitoral dentro da lei”, afirmou, na ocasião.

A Folha ainda não conseguiu contato com a defesa dos demais acusados.

Fonte: Folha de São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *