Proerd é política pública eficaz contra o tráfico de drogas

militares-que-participaram-de-evento-na-ufopa
Militares que participaram de evento na Ufopa

Uma avaliação da Secretaria de Estado de Segurança Público do Pará revelou que a maioria das crianças que recebem nas suas escolas o Programa Educacional de Resistência às Drogas e a Violência (PROERD) têm menos envolvimentos na prática de crimes e delitos, principalmente os relacionados ao tráfico de drogas.

Em Santarém, oeste do Pará, a Policia Militar do Pará, através da Coordenação Estadual do PROERD e do Comando de Policiamento Regional 1(CPR-1), realizou a atualização do currículo “Caindo na Real”, referente aos temas debatidos no 5º ano do PROERD. O evento contou com a participação de 26 PM’s que fazem parte do referido programa, sendo 13 militares do 3º BPM Santarém, 7 militares de 18º BPM Monte Alegre, 2 militares da 12ª CIPM Oriximiná, 1 militar da 27ª CIPM Almeirim, 2 militares da 28ª CIPM Juruti e 1 militar da 29ª CIPM Óbidos. Todos pertencentes as suas respectivas Unidades que são subordinadas ao CPR-I.

A programação foi realizada nos dias 19, 20 e 21 de outubro, no auditório da UFOPA, e contou com a presença do Sr. Cel PM Héldson Tomaso Pereira de Lima, comandante do CPR – I e do Coordenador Estadual do PROERD, Ten. Cel. PM Carlos Alfredo da Mota Pereira. As atividades foram realizadas por instrutores oriundos da capital do Estado, que fazem parte da Coordenação Estadual do PROERD.

O encontro teve como objetivo atualizar os Policiais Militares Instrutores do PROERD pertencentes ao CPR-I, a partir da implementação de alguns melhorias do Novo Currículo Caindo na Real para o 5º ano do PROERD, que foi projetado com base na Teoria de Aprendizagem Socioemocional (Socio-Emotional Leaming Theory – SEL), resultando futuramente no aumento da qualidade no atendimento a crianças e adolescentes de toda região Oeste do Pará, no que tange a resistir às drogas e a violência. Desta forma contribuir para a prevenção do crime de forma qualificada.

“Nós temos dados que comprovam que aonde o PROERD trabalhou, houve redução do envolvimentos da juventude em crimes. Estamos realizando um trabalho novamente de voltar nestes locais, entrevistar os formandos, e assim verificar de que forma foi difundido, como é que está este jovem hoje. Se ele está mercado de trabalho, se teve alguma situação diferente do que nós esperamos. Mas de antemão eu garanto que resultado que nós temos, inclusive a nível de Brasil, é altamente satisfatório, é um problema a menos amanhã para segurança pública. E nós vamos cumprir o nosso papel essencial que é a prevenção. Do que adianta hoje em dia a gente está trabalhando com viaturas, com policiais bem armados, prendendo, onde o resultado não é também satisfatório. O sistema penal não tem condições de contemplar todos os presos, a justiça de analisar todos processos, e se agente puder coibir isso lá na base, é muito melhor. Portanto, o PROERD está aí para contribuir. Já iniciamos conversas com a Secretária de Estado de Educação, iremos conversar com os novos gestores municípais para que gente potencialize e fortaleça está política pública. O projeto necessita destas parcerias para ampliar suas fronteiras”, informa Coordenador Estadual do PROERD, Ten. Cel. PM Carlos Alfredo da Mota Pereira.

De acordo com ele, é necessária a mobilização de uma rede, onde o PROERD irá contribuir nesse contexto. Informado sobre as recentes invasões de bandidos às escolas em Santarém, inclusive com a participação dos próprios alunos destes educandários, o Coordenador foi enfático: “Nós temos que trabalhar enquanto segurança pública, ter ferramentas de como chegar nas comunidades. É preciso que a gente leve em consideração que muitos deles vieram de famílias dissociadas, o grande choque da problemática está dentro do lar, não é fora do lar. Não somente o fato da criança que sair e recebe a oferta de drogas. É lá dentro, portanto, os pais precisam está unidos nessa situação, e os pais que estão separados?. Neste contexto entra a escola, entra a igreja, entra a comunidade, entra todas as ferramentas possíveis para evitar. Quem saiba esse menino de quatorze anos não tenha nem a índole para cometer esse crime/delito. Quem sabe foi uma influencia, um deslize. Ele merece uma oportunidade, é um jovem, ainda tem o futuro todo pela frente. E não ser trancafiado e ser considerado um delinquente e acabar com a vida dele”, explicou o Tem. Cel. Carlos Alfredo

FIQUE POR DENTRO: O PROERD é desenvolvido nas escolas públicas e particulares, no 5º e 7º ano do Ensino Fundamental. O trabalho é desenvolvido por PM treinados e preparados para desenvolver o lúdico através de metodologia especialmente voltada para crianças. O objetivo é transmitir uma mensagem de valorização à vida, e da importância de manter-se longe das drogas e da violência. No PROERD é reforçada a importância da amizade e supervisão dos pais com os filhos. Após quatro meses de curso as crianças recebem o certificado, ocasião que prestam o compromisso de manterem-se afastados e longe das drogas e da violência.

O Programa é pedagogicamente estruturado em lições, ministradas obrigatoriamente por um PM fardado; que além da sua presença física em sala de aula como educador social, propicia um forte elo na comunidade escolar em que atua, fortalecendo o trinômio: Polícia Militar, Escola e Família. O Programa oferece em linguagem acessível às faixas etárias que se direciona, uma variedade de atividades interativas com a participação de grupos em aprendizado cooperativo; atividades que foram projetadas para estimular os estudantes a resolverem os principais problemas na fase em que se encontram vivendo. O Programa não invalida qualquer outro Programa, Trabalho ou Atividade de prevenção, dirigido aos jovens como um todo.

Por: Edmundo Baía Junior

Fonte: RG 15/O Impacto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *