“Governo tem que cortar gastos com políticos, e não da educação”, dizem manifestantes

Centenas de pessoas participaram de mais uma manifestação contra a PEC 55 em Santarém.

Foi proferindo gritos de ordem, segurando faixas e cartazes, que servidores públicos federais, estaduais e municipais, juntamente com estudantes, sindicalistas e lideranças sociais realizaram mais um manifesto pelas ruas de Santarém contra o Proposta de Emenda Constitucional (PEC), que se encontra em tramitação no Senado Federal com número 55.

De acordo com os coordenadores do movimento, a ação que reúne diversas categorias, é para mostrar para os governantes a insatisfação perante as medidas adotadas para a recuperação da economia, em detrimento aos investimentos em área importantes para população, tais como: saúde e educação.

“Não podemos aceitar os desmandos que estão acontecendo, não podemos nos omitir diante da possibilidade da perda de direitos adquiridos por muita luta, pelas gerações que nos antecederam. Se não for por nós, que seja pela geração dos heróis que lutaram em defesa dos direitos sociais. Então este ato de hoje, novamente significa a nossa indignação. Não aceitamos tudo isto que está acontecendo na sociedade brasileira. Se o Governo Brasileiro, se o Congresso Brasileiro simplesmente quisesse cortar na própria carne para resolver os problemas da economia nacional, cortariam seus privilégios, uma vez que não há nenhuma classe no Brasil, mas privilegiada do que a classe dos políticos, e outras classes que representam os interesses da burguesia nacional e internacional”, defende o professor Mário Adonis.

No inicio da manhã desta sexta-feira (25), os manifestantes se concentraram em frente ao Campus Amazônia da Universidade Federal do Oeste do Pará(Ufopa), situado na Avenida Mendonça Furtado, no bairro da Aldeia.

Por volta de 8h45 iniciaram a passeata seguindo pela Avenida Mendonça com destino a região do centro da cidade.

Edmundo Baía Júnior

RG 15 / O Impacto

Um comentário em ““Governo tem que cortar gastos com políticos, e não da educação”, dizem manifestantes

  • 25 de novembro de 2016 em 21:04
    Permalink

    O Brasil gasta em referencia ao PIB mais em educação que a maioria dos países, a qualidade é ruim devido a má gestão, um exemplo é a USP que dá prejuízo diário de 8 milhões de reais. Professores ganham até demais pelo que produzem ai nessas universidades federais não tem salário menor de 5.000,00 e fora as regalias. Se não estão contente porque não se demitem? A PEC é boa para o Brasil, agora concordo que o setor político e os funcionários públicos tenham cortes nas mordomias.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *