Clientes denunciam sucateamento do Banco do Brasil em Santarém

Dezenas de clientes reclamaram dos serviços prestados pelo Banco do Brasil, no último fim de semana, em Santarém. Novamente o Banco do Brasil deixou os seus clientes a ver navios, sem opção de saques e demais transações bancárias, nos caixas eletrônicos.

Em várias ocasiões, segundo os usuários, aparecia a seguinte mensagem: “Saque indisponível”, fato que causou revolta aos clientes do banco.

A falta de opção de saque, entre outros serviços gerou críticas dos usuários. “É chegado o momento das autoridades aplicarem uma exemplar punição em quem contumazmente viola direitos dos consumidores!”, exclamou o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) Subseção de Santarém, Dr. Ubirajara Bentes Filho.

Os clientes cobram ação por parte das autoridades municipais para punir a administração do Banco do Brasil, em Santarém. “Como pode uma cidade turística como Santarém ficar assim? Acho que a Associação Comercial, Prefeito, vereadores, Ministério Público, seja o Federal ou Estadual, que tem a incumbência constitucional de defender o interesse social, agirem na forma do art. 127 da Constituição Federal para evitar esse abuso do Banco do Brasil, contra a sociedade local. Muitos perdem com esse procedimento negativo do Banco do Brasil em Santarém!”, criticou o usuário Paulo Roberto.

Empresários que precisaram realizar saques em grandes valores para pagar funcionários e não conseguiram se sentiram prejudicados. As três agências do Banco do Brasil existentes em Santarém apresentaram o mesmo problema.

O Procon em Santarém tem acompanhado esses episódios e informou que vai notificar a instituição bancária citada. O órgão orienta que nesses casos, o consumidor deve guardar todas as provas que confirmem a denúncia, como por exemplo: extratos e saldos.

Além de Santarém, moradores de outras cidades do estado do Pará, como Belém, Altamira, Marabá, Óbidos e Bragança, também reclamam dos problemas relacionados aos serviços do Banco do Brasil.

LEI DAS FILAS EM BELÉM: Em Belém, a Lei das Filas, desrespeitadas por algumas agências do Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, entre outras, voltou a ser tema de reunião entre Sindicato, bancos e órgãos de defesa do consumidor. Os usuários denunciam que não existe ação de fiscalização em agências bancárias de Belém sobre o cumprimento da Lei Estadual 7.255/2009, que estabelece o tempo máximo para atendimento aos clientes e usuários.

Para os clientes, a falta de fiscalização não é nada positiva e apenas comprova o que a população sente na pele cada vez que precisa de atendimento bancário.

LEI DAS FILAS EM SANTARÉM: Em Santarém, segundo o Procon, algumas agências bancárias da cidade já foram notificadas recentemente. O motivo são irregularidades na chamada Lei das Filas (Lei Municipal n° 17.911/2005), que regulamenta a quantidade de tempo que os clientes podem passar em filas dentro das agências.

Essa lei garante que os clientes não passem mais de meia hora em filas em dias normais e 45 (quarenta e cinco) minutos em vésperas e depois de feriados. Porém, ela diz respeito somente ao atendimento em caixas, não regulamentando o tempo de atendimentos em outros serviços bancários.

O Procon orienta que o cidadão que for afetado pelo descumprimento dessa lei, deve formalizar a denúncia na sede do órgão, levando um comprovante de atendimento. A senha serve como prova, mas deve ser carimbada pelo atendente no ato do atendimento, comprovando assim o horário de saída do cliente.

Por: Jefferson Miranda

Fonte: RG 15/O Impacto

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *