Crise econômica faz hotéis fecharem as portas em Santarém

Mirante Hotel, na Trav. Francisco Corrêa, não resistiu á crise e fechou as portas

A grave crise econômica que assola o País também desembarcou em Santarém. Dois dos setores que mais sofrem com a crise são o comércio e a rede hoteleira. Várias lojas no centro comercial de Santarém já fecharam as portas, pois seus proprietários, sem condições financeiras, decidiram pelo fechamento. Com isso, muitos trabalhadores foram demitidos. A rede hoteleira também está sentindo na pela essa crise, pois podemos observar o fechamento de hotéis em vários pontos da cidade. Um deles foi o Mirante Hotel, localizado na Travessa Francisco Corrêa, na área central da cidade.

Nossa reportagem entrevistou o técnico e economista Márcio Cristiano Silva de Sousa, que atua na Secretaria Municipal de Turismo de Santarém (Semtur). Márcio Cristiano mostra a realidade sobre a crise no setor hoteleiro de Santarém.

“Infelizmente, com o fraco desempenho da economia no Brasil em 2016, o desempenho dos hotéis já foi impactado negativamente. Em comparação ao ano de 2015, nos meses de janeiro a dezembro de 2016 a taxa de ocupação hoteleira nacional caiu em média -6, 3% e em Santarém a queda foi de 16%. E no período de alta temporada, principalmente durante o Festival do Sairé ocorreu uma queda de 25% no setor de hotelaria, causando grande frustração entre os empresários do ramo hoteleiro que criam muita expectativa para esse período, pois se trata do maior evento cultural em Santarém. Notadamente, com a redução de ofertas de voos em 33% (-5.439 voos) e na movimentação de passageiros em 26%(-169.975 passageiros) ocorreu a alta do preço das passagens, incidindo inclusive na queda no número de turistas que visitam Santarém (em -9% representando 22 mil turistas), consequentemente causando uma queda na receita turística (8%) significando R$ 12 milhões que deixaram de aquecer a economia local”, disse Márcio.

“Para 2017, as expectativas ainda são negativas, porém, em menor escala, principalmente em números de turistas que vão deixar de visitar Santarém, em torno de -5% (10 mil turistas) e receita turística em -3% (R$ 4 milhões). Entretanto, com a inclusão de novos eventos para Santarém em 2017, inclusive já se iniciou um projeto chamado “Santarém o ano todo” idealizado pela Secretaria Municipal de Turismo (Semtur) com o objetivo de divulgar e promover os espaços naturais providos de beleza natural no período da cheia (inverno amazônico), por meio de vídeos institucionais para promover o turismo na região, principalmente no período de baixa temporada (janeiro a junho). Para o segundo semestre de 2017, a confirmação de um seminário internacional de Neurologia com aproximadamente 600 participantes e a 2ª Edição do Campeonato Brasileiro de Tiro, são eventos de alcance internacional que vêm para fomentar a economia de Santarém”, finalizou Márcio de Sousa.

CONSTRUÇÃO CIVIL: O setor da construção civil tem apresentado desde o início de 2017 um aumento no número de demissões em Santarém, no oeste do Pará. De janeiro até abril deste ano, foram contabilizados mais de 250 desligamentos. Segundo o Sindicato da Construção Civil, o período chuvoso e a crise econômica são os fatores que influenciam este aumento. Sendo um dos maiores geradores de emprego e renda na região, a atual realidade do setor não é satisfatória para os trabalhadores.

SEMINÁRIO: A Ufopa promoveu na dia 12 de abril deste ano, a palestra “A atual situação econômica do município de Santarém”, com participação do secretário de Planejamento do município, Ruy Imbiriba Corrêa, e do vereador e economista Valdir Matias Júnior. O evento fez parte do I Ciclo de Palestras sobre a Economia Santarena realizado pela empresa Júnior Ateliê Digital de Empoderamento e Empreendedorismo Digital, em parceria com o Centro Acadêmico de Economia Celso Furtado (CAECF) e com apoio da Pró-Reitoria da Cultura, Comunidade e Extensão (Procce). O objetivo foi esclarecer ao público as consequências da instabilidade do atual mercado brasileiro na economia de Santarém, mostrando os efeitos da crise econômica dentro do Município, com intuito de gerar reflexão sobre possíveis soluções para reduzir os efeitos dessa crise.

Por: Jefferson Miranda

Fonte: RG 15/O Impacto

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *