Dr. Pedro Coutinho: “Vivemos uma epidemia de obesidade”

Médico endocrinologista faz alerta para as consequências do excesso de peso

Recentemente o Ministério da Saúde divulgou dados que revelam o aumento da obesidade no Brasil. De acordo com o levantamento, um em cada cinco brasileiros está acima do peso. Em apenas dez anos, a prevalência da doença passou de 11,8%, em 2006, para 18,9%, em 2016. O crescimento exponencial da obesidade também pode ter colaborado para o aumento da prevalência de diabetes e hipertensão. As duas são doenças crônicas não transmissíveis que pioram a condição de vida e podem matar. Para esclarecer sobre o tema, convidamos o médico endocrinologista Pedro Coutinho, que em entrevista exclusiva à TV IMPACTO revelou a sua preocupação quanto à situação. Acompanhe:

Jornal O Impacto: Doutor, por que a obesidade é considerada o mal do século?

Pedro Coutinho: A obesidade hoje em dia no Brasil é considerada uma epidemia, haja vista que nós temos cerca de 38 até 40 milhões  de obesos no país e isso traz um impacto muito grande na população. A obesidade tem vários fatores causais, existem muitas coisas que podem causar, mas o principal que podemos citar é a questão da alimentação irregular da população brasileira, que se modificou muito ao longo do tempo e de certa forma tem interferido nesse grande números de obesos que nós temos hoje em nosso país.

Jornal O Impacto: O que se deve fazer para reverter essa situação?

Pedro Coutinho: Há aproximadamente 40 ou 50 anos, nós tínhamos no Brasil na verdade casos de desnutrição, você vê que a população de hoje mudou sua forma de se alimentar e a forma de fazer atividade física, por exemplo, eles precisavam levantar todas as vezes para mudar um canal da TV, eram obrigados a fazer esse tipo de esforço físico, hoje em dia o controle remoto e várias outras formas de tecnologia são oferecidas à população, contribuem para que nós possamos praticar ainda menos atividades físicas, a obesidade também tem relação com a atividade física, o que nós percebemos, é que as crianças de hoje, não fazem as brincadeiras que fazíamos antes, ela preferem brincar com vídeo games, celular e computador, desprezando as brincadeiras antigas, são fatores que somados à alimentação que em muitas vezes são irregulares, faz com que a população acabe não se exercitando e não comendo de forma adequada.

Jornal O Impacto: Hoje em dia as crianças são vítimas do excesso de publicidade. A maioria é levada a comer certos alimentos, influenciada pela publicidade que traz figuras infantis. Qual a sua opinião sobre isso?

Pedro Coutinho: De fato, a publicidade tem contribuído muito com essa situação. A não aceitação das verduras e legumes faz com que  acabem preferindo se alimentar de fast-foods. Isso aliada à correria do dia a dia, em que as pessoas procuram a forma mais fácil de resolver as coisas, então preferem  alimentos de fácil acesso como os sanduíches que vendem na esquina das casas e muitos outros fatores acabam obrigando a população a reaprender a se alimentar da forma correta.

Jornal O Impacto: Trazendo esse tema para um âmbito mais regional, para a Região Norte, que por sinal é a região que mais se pratica exercícios físicos no Brasil. Outro fator que podemos levar em consideração é que temos mais frutas e produtos naturais aqui na Amazônia. Isso nos deixa mais protegidos em relação às outras regiões?

Pedro Coutinho: Certamente, nossa região embora nós tenhamos também uma boa porcentagem de pessoas obesas nós somos considerados uma das regiões onde o índice de obesidade ainda é melhor comparado às regiões Sul e Sudeste do país  que abrange aproximadamente cerca de mais 50% da população geral brasileira.  Muitas das vezes aliado às atividades físicas que são muito correntes, as pessoas vivem seu dia a dia com muita correria e acabam se alimentando de forma muito irregular. Nós podemos encontrar muitas frutas em nossa região, nossa população se alimenta muito de peixe, que é um alimento que na maioria da população das regiões Sul e Sudeste dificilmente se alimentam e acabam optando por outras carnes, a pizza é muito mais fácil de se alimentar nessas regiões e felizmente nós ainda temos em nossa região muitas famílias que ainda costumam comer os alimentos tradicionais como arroz e feijão, ou seja, uma alimentação mais adequada.

Jornal O Impacto: O senhor utilizou dois termos agora, que é o obeso e o acima do peso. Qual a diferença entre os dois, e como faço para saber se estou obeso ou acima do peso?

Pedro Coutinho: Foi criado o que nós chamamos de índice de massa corporal (IMC), que se trata de um cálculo que nós fazemos para identificar se a pessoa está com peso normal, se está abaixo do peso, se está com sobre peso, obeso ou se está com obesidade mórbida, esse cálculo é simples, qualquer pessoa pode fazer em casa, é a junção do peso da pessoa, você multiplica a altura dessa pessoa ao quadrado, ou seja, pega a altura, multiplica duas vezes e posteriormente você divide pelo peso, então teremos um resultado. Você colocará o resultado na tabela da seguinte forma, toda pessoa que estiver abaixo de 18.5 é considerado uma pessoa de baixo peso, aqueles que estiverem entre 18,5 e 25, estão dentro do peso normal e o peso adequado para nossa região, e aquelas pessoas que estão acima de 25 até 30 nós consideramos como sobre peso, não se trata de uma pessoa obesa, mas está acima do peso e isso precisa ser trabalhado, já as pessoas que estão acima de 30, nós consideramos como obesidade e acima de 40, se trata de obesidade mórbida, é aquela pessoa que na maioria das vezes tem uma necessidade de ação muito rápida, tem casos que há necessidade inclusive de cirurgia bariátrica, nós da endocrinologia optamos por tentar trabalhar esse paciente para que ele possa perder peso fazendo atividades físicas e realizando uma reeducação alimentar, e a junção de alguns medicamentos como forma de complementação do tratamento.

Jornal O Impacto: Qual orientação o senhor daria para aquelas pessoas que acham que estão obesas?

Pedro Coutinho: Todas as pessoas que perceberem que o peso está acima do normal, ou seja está entre 18 e 25, está considerado normal, mas acima de 25 em diante já é um sobre peso, é importante que a pessoa comece a trabalhar, existem basicamente três formas de tratamento para pessoas que têm problema com peso, não existem milagres, dietas de uma semana perder tantos quilos, pode ocorrer o que nós chamamos de efeito rebote e a pessoa volta a engordar sem dúvida nenhuma, então uma delas é a  reeducação alimentar, ou seja a pessoa precisa reaprender a comer; antigamente você tomava o café  da manhã, você comia naqueles períodos assim entre o café da manhã e o almoço a ideia era de se comer alguma fruta, que por sinal tinha muito nas casas antigamente frutas como laranja e manga que são frutas que ajudavam no controle do peso, na maioria das residências hoje em dia, não possuem árvores frutíferas. A próxima é uma atividade física, você pode fazer a reeducação alimentar, mas se não houver alguma atividade física como complementação você acaba voltando a ganhar peso, a questão do peso é simples, é uma balança, tudo aquilo que você come ele funciona como fonte de energia e tudo que você realiza de atividades funciona como queima de energia, então se eu como além daquilo que consigo perder através das atividades físicas eu vou acumulando peso, então é uma conta muito fácil de ser dita, e a questão de acumular peso deve-se ao fato da população estar mais acomodada, mas o importante nós sabermos é que existem pessoas de alguns medicamentos como complementação do tratamento, por que existem pessoas que até pelo dia a dia  com a sobrecarga de atividades acabam descontando na alimentação a sua ansiedade sua depressão e vários outros fatores que devemos estar atentos.

Jornal O Impacto: Outro fator que podemos elencar também junto com o sedentarismo, estresse e a falta de tempo para se fazer exercícios físicos, é o avanço da industria alimentar que ejetou óleos novos na alimentação das pessoas, gordura hidrogenada e corantes alimentícios. Quanto isso influencia no ganho de peso?

Pedro Coutinho: Exatamente, algumas indústrias alimentícias investem pesado na propaganda, e conseguem chamar inclusive a atenção de determinadas crianças que às vezes têm uma certa rejeição pela alimentação natural, é acabam optando por fast-food, mas é importante que os pais fiquem atentos, e é muito comum agente observar isso, mas obesos, normalmente acabam gerando crianças obesas, porque é o hábito alimentar, é a forma como a família se alimenta que acaba levando a um grande excesso de calorias.

Jornal O Impacto: Para finalizar. Quando constatar que estou acima do peso, e precisar de ajuda, quem devo procurar?

Pedro Coutinho: Toda vez que você perceber que está acima do peso o ideal é você procurar profissionais como endocrinologistas, nutricionistas, um educador físico que tem um papel primordial no tratamento e em algumas situações, há a necessidade da atuação de um psicólogo e até psiquiatra,  para poder entender melhor as ansiedades e as depressões de nossa populalção. Sabemos que a população, por conta de excesso de atividades, deve se prejudicar por excesso de ansiedade, que é uma das principais causas, quando se trata de pessoas ansiosas, se inicia o tratamento e obtemos uma resposta significativa.

Por: Edmundo Baía Júnior

Fonte: RG 15/O Impacto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *