Barcos desrespeitam fiscalização e atracam na orla da Praça da Matriz

Atracação de barcos pode provocar desabamento do cais de arrimo

Uma cena comum em cidades ribeirinhas da Amazônia, envolvendo barcos, virou motivo de dor de cabeça para fiscais da Prefeitura de Santarém e usuários da orla da cidade. Quem trafega em um perímetro de aproximadamente 300 metros observa dezenas de embarcações que atracam no cais de arrimo, em frente à Praça da Matriz, com a utilização de cordas, forçando o muro de contenção das águas do rio Tapajós.

Em diversos trechos do calçadão da orla da cidade, usuários constatam rachaduras. O problema, segundo eles, está sendo causado por cordas amarradas por donos de embarcações de pequeno porte, no muro de contenção. Temendo um possível desabamento do cais, em frente à Praça da Matriz, os usuários cobram rigor nas fiscalizações, por parte da Prefeitura de Santarém.

“Isso é um perigo. Eu não acredito que em Santarém, com um espaço gigantesco na frente da cidade, não tenha outro lugar para esses barcos atracarem. Os donos dessas embarcações devem ter consciência de que a qualquer momento eles podem causar danos ao patrimônio público. Cabe à Prefeitura aumentar a fiscalização, para evitar um prejuízo para toda a comunidade santarena”, alertou o autônomo, Lucas Lopez.

Sendo um dos pontos mais movimentados na cidade, a orla tem apresentado há alguns anos problemas estruturais que representam perigo para quem frequenta o espaço. Rachaduras são facilmente encontradas, e com a subida das águas dos rios a preocupação dos frequentadores aumenta.

Pessoas que usam o trecho para vender lanches afirmam que, em alguns trechos, a orla não recebe reparos estruturais, onde a manutenção é feita por usuários do espaço. “A orla de Santarém é muito grande. Todo ano é a mesma coisa. Quando quebra alguma coisa é a gente que manda fazer”, reclama o autônomo Edinaldo Leal.

A situação da estrutura do cais preocupa a população, quanto a possíveis acidentes. “É arriscado uma criança, um idoso, uma pessoa qualquer andar no cais e cair e o prejuízo é maior. Os políticos não vão curar as pessoas que vão sofrer um acidente em cima desse cais”, disparou o usuário Jackson José.

Em dezembro de 2016, parte do cais de arrimo localizado próximo à Praça Tiradentes desabou. Possivelmente o desabamento ocorreu devido às fortes chuvas. Os moradores e usuários pediram que o local fosse devidamente sinalizado para evitar acidentes. A estrutura foi construída há pouco mais de 40 anos e está deteriorada.

Outro problema aconteceu em maio deste ano, quando a grade de proteção de parte da orla de Santarém caiu. Um trecho de aproximadamente 10 metros perto do Mercado Municipal ficou danificado. Ninguém ficou ferido e ainda não se sabe o que provocou os danos na estrutura.

Populares denunciaram que embarcações que fazem linhas para comunidades ribeirinhas e outros municípios da região atracaram na área de maneira irregular, causando problemas na estrutura de concreto e na grade de proteção.

Em janeiro deste ano, a Secretaria Municipal de Mobilidade e Trânsito (SMT) alertou alguns empresários da cidade, sobre os riscos de embarcações atracarem diretamente nas manilhas e no cais de arrimo, no período das cheias.

Equipes da Capitania dos Portos de Santarém e da Secretaria Municipal de Mobilidade e Trânsito (SMT) estiveram no local para isolar o trecho e orientar os pedestres que passavam pelo lugar.

Com as ondas, as embarcações atracadas balançam, forçando a estrutura. Em caso de fortes temporais, o risco é de que as peças de ferro quebrem e ponham em temeridade quem utiliza o espaço para passeio e os próprios donos de barcos.

Por: Jefferson Miranda

Fonte: RG 15/O Impacto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *