Sebastião Tapajós será protagonista de documentário dirigido por Locca Faria

Cineastas participam do evento do projeto Luzes do Tapajós para discutir obras que retratam a cultura amazônica

Nesta quinta-feira, 8 de fevereiro, o projeto Luzes do Tapajós promove uma roda de conversa com cineastas e pesquisadores sobre audiovisual na região do Tapajós. Aberto ao público, o evento terá a presença do cineasta Locca Faria, do artista José Roberto Aguilar, da designer Fernanda Sarmento e de instituições públicas e entidades representativas da região. A programação inicia-se às 16h no auditório Wilson Fonseca, Unidade Rondon.

Pela primeira vez, será exibido em Santarém o longa-metragem “Olhar de Boto”, produzido por Roberto Aguilar e Gregorio Gananian. Filmada em Alter do Chão, a obra traz uma narrativa poética de personagens e locais marcantes da cultura amazônica, como curandeiras, caciques, populações ribeirinhas, festival do Sairé, através do olhar do boto. Apresentado no Sesc Consolação em 2017, teve grande sucesso de público com uma inusitada montagem, onde parte do público pôde assistir ao filme de dentro de uma piscina, tendo uma sensação sinestésica do rio Tapajós. O filme teve pesquisa e produção local do professor da Ufopa, Jackson Rêgo Matos.

Em seguida, o diretor Locca Faria apresentará o projeto “Reencontro das Águas”, que também tem Jackson Rêgo como responsável técnico. A produção contará a vida do músico Sebastião Tapajós e será filmada em Santarém e proximidades.

A programação marca a segunda fase do projeto Luzes do Tapajós, vinculado à Pró-Reitoria da Cultura, Comunidade e Extensão (Procce) da Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa). O objetivo do projeto é abordar temas como arte contemporânea e atividades relacionadas ao saber local e processos da “etnobiodiversidade” e que levem à sustentabilidade e autonomia.

Sobre os convidados – Locca Faria é diretor de fotografia, fotógrafo e diretor, tendo realizado trabalhos antológicos para música brasileira. Produziu capas de LPs que ficaram na história da indústria fonográfica, como a do Clube da Esquina II, de Milton Nascimento; de Nana Caymmi; de Egberto Gismonti, entre outras. Atualmente, está concluindo um longa-metragem sobre a obra de Dorival Caymmi, que conta com a participação de grandes artistas brasileiros.

Roberto Aguilar é pintor, videomaker, performer, escultor, escritor, músico e curador, considerado um dos maiores artistas plásticos da atualidade. É também um dos pioneiros da nova figuração e da videoarte do Brasil. Sua produção é voltada à vida urbana, à sexualidade e à pluralidade de códigos e signos, entre outros temas, utilizando uma abordagem vibrante e expressiva.

Fernanda Sarmento é designer e pesquisadora. Desenvolve trabalhos na área do design sustentável como ferramenta de emancipação produtiva, ambiental e sociocultural. É colaboradora do Luzes do Tapajós e, atualmente, atua nas comunidades da Flona do Tapajós e da Resex Tapajós-Arapiuns, buscando inspiração na natureza e nos fazeres cotidianos de comunidades amazônicas.

Fonte: RG 15/O Impacto e Ascom/Ufopa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *