Perigo – Fortes enxurradas podem desabar casas em Santarém

Moradores tiveram de improvisar uma ponte para circular na Rua Cruzeiro do Norte

Muitas pessoas acreditavam que na virada do milênio, as condições seriam muito melhores. Imaginavam um futuro próspero, bairros com ruas pavimentadas e infraestrutura de qualidade, bem como diversas melhorias em todos os segmentos. Quando olhamos para Santarém, podemos notar que o progresso evidentemente chegou em diversos pontos da cidade, mas infelizmente tudo com prazo de validade. Ruas e bairros inteiros receberam asfalto, alguns bairros eram considerados modelos como a Nova República e Santarenzinho. O sonho parecia que estava finalmente começando, mas como já mencionei, com um lamentável prazo de validade.

Na época do governo do saudoso prefeito Ronaldo Campos, a Nova República foi quase que toda pavimentada e hoje restam apenas crateras e lama, que nos deixam a impressão que nunca existiu asfalto naquele local. É, meus amigos, a história não se desenrolou como desejávamos e o povo que mais sofre com o esquecimento do poder público é aquele da periferia. É lá que encontramos o desespero e o esquecimento, ruas completamente intrafegáveis, por conta das constantes chuvas que caem sobre a cidade nessa época do ano e a ausência de qualquer planejamento de infraestrutura, consequentemente as ruas e vicinais se tornam verdadeiras crateras e matagais. A situação se complica ainda mais, com a ausência de iluminação pública em centenas de ruas, mas a taxa de iluminação é sempre cobrada nas faturas mensais da companhia de energia responsável, ou seja, condições propícias para o aumento da criminalidade, gerando sempre uma sensação de insegurança.

Um bom exemplo disso é o bairro do Santarenzinho. Quem, em sã consciência tem coragem de caminhar pelo bairro altas horas da madrugada? O clima de insegurança é muito grande nesse bairro.

Mas existe uma rua em especial no bairro do Santarenzinho que tem chamado a atenção da imprensa e de toda população santarena. Estamos falando da Rua Cruzeiro do Norte, que há alguns anos recebeu pavimentação, trazendo uma alegria momentânea para aquela população, alegria que posteriormente se tornou um verdadeiro pesadelo. A ausência de infraestrutura e planejamento em sua construção ocasionou um verdadeiro “suplício”. O que antes era asfalto, hoje se tornou um verdadeiro buraco, uma gigantesca cratera em toda sua extensão que começa na Tomé de Sousa e termina um pouco abaixo da Rua Angelim. A cada chuva que cai a coisa se torna muito mais grave, pois a força da correnteza tem engolido boa parte do que sobrou da rua. A ação da água é tão violenta que a qualquer momento boa parte das casas podem também ser engolidas, diante dessa gigantesca cratera. Os moradores tiveram que improvisar, construindo pontes nas travessas que cruzam a rua. Para aqueles que tinham seu carros nas garagens, estão poupando gasolina, pois é impossível o tráfego de veículos, já que não existe rua. Somando a todos os problemas, podemos citar a falta de iluminação pública.

Parece que a cada ano que se passa essa rua ou esse trecho é castigado de diversas maneiras. Quando acontecem as tempestades, a rua se torna um verdadeiro rio com correntezas violentas. Segundo alguns relatos de moradores, aconteceram muitos acidentes e pessoas quase se afogaram. Existem no neste trecho alguns estabelecimentos comerciais e salões de beleza, que são prejudicados pela terrível situação, afastando clientes.

“O drama não se resume somente à Rua Cruzeiro do Norte. Se formos fazer uma ronda pelos demais bairros, iremos presenciar situações semelhantes ou piores. É triste a situação da nossa cidade. É triste ver uma cidade que é considerada o berço do turismo da Amazônia, que almeja um dia se tornar capital, ainda possuir esse tipo de problema”, disse um morador.

Os castigos não se resumem à periferia. Em nossas principais ruas e avenidas, de um quarteirão para outro, podemos notar a presença constante de buracos ou remendos no asfalto, beneficiando de forma significativa os donos de lojas de venda de peças e acessórios para motos e automóveis. Tem um bairro novo inaugurado há pouco tem, Salvação, se trafegarmos por sua principal rua, temos que andar em “zig-zag” para chegarmos ao nosso destino. Lamentável!

A exemplo da Rua Cruzeiro do Norte, podemos chegar a uma conclusão: O que vende votos nas urnas certamente é o que está visível aos olhos da população. Os políticos costumam atuar com bastante empenho nas vésperas das eleições. “É muito melhor fazer um asfalto superficial e sem base, do que fazer uma obra com planejamento de drenagem ou infraestrutura, que por sinal é muito mais caro”. No final dessa soma podemos presenciar o terrível pesadelo que os moradores da Rua Cruzeiro do Norte estão vivendo ou sobrevivendo.

Por: Jefferson Miranda

Fonte: RG 15/O Impacto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *