Seminário debate os 20 anos do plantio da soja no planalto santareno

Começou na segunda-feira, 21 de maio, no Campus de Santarém da Ufopa, o seminário “Novas fronteiras do agronegócio globalizado da soja na Amazônia: o planalto santareno 20 anos depois (1997-2017)”, que tem como objetivo debater a expansão da fronteira agrícola da soja nos municípios do planalto santareno (Santarém, Belterra e Mojuí dos Campos) ao longo dos últimos vinte anos (1997-2017). O evento teve início a partir das 14h30 no auditório da Unidade Rondon, situada no bairro do Caranazal, com as mesas “A Fronteira do Agronegócio Globalizado da Soja no Oeste da Amazônia Paraense” e “Espacialização das Commodities e as Transformações Territoriais no Planalto Santareno”.

A programação prossegue na terça-feira, 22 de maio, à tarde, com debate sobre as representações dos movimentos sociais e o papel das ONGs frente ao avanço do agronegócio sojeiro no Oeste do Pará. O evento é uma iniciativa do grupo de pesquisa CNPq “Políticas Públicas e Dinâmicas Territoriais na Amazônia (GPDAM)”, vinculado ao curso de Gestão Pública e Desenvolvimento Regional da Ufopa.

PROGRAMAÇÃO

Data: 21/05/2018 – TARDE

14h às 14h30 – Inscrições e credenciamento para o evento

14h30 às 15h – Abertura do Seminário: Prof. Dr. Jarsen Guimaraes (diretor do ICS), Profa. Ma. Evani Larisse (coordenadora do GPDR), Prof. Dr. Márcio Benassuly (coordenador do evento)

MESA 1: A FRONTEIRA DO AGRONEGÓCIO GLOBALIZADO DA SOJA NO OESTE DA AMAZÔNIA PARAENSE

Mediador da mesa 1: Prof. Me. Abner Vilhena de Carvalho (GPDAM/CE/Ufopa)

15h às 15h30 Prof. Dr. Márcio Benassuly (GPDAM/GPDR/Ufopa)

15h30 às 16h – Prof. Me. Eneias Barbosa Guedes (GEO/Ufopa, doutorando em Geografia Humana/USP)

16h às 16h30 Profa. Ma. Francilene Sales da Conceição (GPDAM/GEO/Ufopa)

16h30 às 17h – Prof. Dr. Rodolfo Maduro (GPDAM/PPGCS/Ufopa)

17h às 18h – Bloco de perguntas

 

Data: 21/05/2018 – NOITE

MESA 2: ESPACIALIZAÇÃO DAS COMMODITIES E AS TRANSFORMAÇÕES TERRITORIAIS NO PLANALTO SANTARENO

Mediador da mesa 2: Profa. Ma. Francilene Sales da Conceição (GPDAM/GEO/Ufopa)

19h às 19h30 – Gilson Rego (Comissão Pastoral da Terra)

19h30 às 20h – Cândido Neto da Cunha (Incra)

20h às 20h30 – Padre Edilberto Sena (Diocese de Santarém)

20h30 às 21h – Prof. Dr. Sandro Augusto Viegas Leão (ICS/Ufopa)

21h às 21h30 – Profa. Dra. Ednea do Nascimento Carvalho (PPGCS/Ufopa)

21h30 às 22h – Bloco de perguntas

 

Data: 22/05/2018 – TARDE

MESA 3: REPRESENTAÇÕES DOS MOVIMENTOS SOCIAIS E O PAPEL DAS ONGS FRENTE AO AVANÇO DO AGRONEGÓCIO SOJEIRO NO OESTE DO PARÁ

Mediador da mesa 3: Prof. Me. André Azevedo (DIR/ICS/Ufopa)

14h às 14h30 – Neilton Miranda (Representante do STTR de Belterra)

14h30 às 15h – Sara Pereira (Representante da FASE)

15h às 15h30 – Ladilson Amaral (Representante do STTR de Santarém)

15h30 às 16h – Valdir Oliveira (Representante do STTR de Mojuí dos Campos)

16h às 16h30 – Layza Queiroz (Representante da Terra de Direitos)

16h30 às 17h – Bloco de perguntas

 

Data: 22/05/2018 – NOITE

MESA 4: COMUNICAÇÕES DE TRABALHO SOBRE O AVANÇO DO AGRONEGÓCIO NO OESTE PARAENSE

Mediador da mesa 4: Doutorando Marcelo Praciano de Sousa (PPGSND/UFOPA)

19h às 19h30 – Laura (Professora da Escola Estadual Waldemar Maués)

19h30 às 20h – José Pereira de Siqueira Júnior (Discente GPDR/Ufopa)

20h às 20h30 – Rodrigo de Avila Feitosa (Discente GPDR/Ufopa)

20h30 às 21h – Ana Paula dos Santos (Discente GPDR/Ufopa)

21h às 21h30 – Bloco de perguntas

21h30 as 22h – Encerramento do evento

Fonte: RG 15/O Impacto e Ascom/Ufopa

10 comentários em “Seminário debate os 20 anos do plantio da soja no planalto santareno

  • 22 de maio de 2018 em 17:06
    Permalink

    OCORRE QUE A PRODUÇÃO BRASILEIRA DÁ MAIS DE UMA SAFRA POR ANO, O QUE NÃO OCORRE NA EUROPA E USA, ASSIM PRODUTORES DESSES PAÍSES ESTÃO PERDENDO MERCADO PROS PRODUTOS BRASILEIROS, DAÍ PATROCINAR ESSAS ONG PARA TENTAR BARRAR A EXPANSÃO DE NOSSAS FRONTEIRAS AGRÍCOLAS, COM A GRITARIA DE ESTARMOS INCENDIANDO A AMAZÔNIA, ALGO CENTENÁRIO NAS REGIÕES DOS CERRADOS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MATO GROSSO DO SUL E PIAUÍ !!!

    Resposta
  • 22 de maio de 2018 em 15:43
    Permalink

    Esse seminário é uma farsa patrocinada pela ong bilionária Saúde E Alegria que vende carbono como faxada para entregar a amazonia para os europeus no grande esquema do PT de lula na região onde criam reservas ambientais, indigenas e outras como forma de entrega de nossas riquezas naturais. Estes mafiosos palestrantes da pior universidade do pais segundo o mec são patrocinados por esta ong que copta recursos de fora do pais para entregar nossos garimpos aos noruegueses, alemães e franceses sob a capa obscura do preservacionismo. Nada desse discurso deste mafiosos verdejantes é verdadeiro, estão aqui na região como neste evento para fazer com que a região seja doada de vez a estes paises ricos, sim, isso é verdadeiro também e além do mais eles recebem muita propina destas fundações internacionais para que nossa agricultura não atrapalhe os produtos envenenados da europa que precisam chegar ao estomago dos brasileiros. É muita cara de pau destes ongueiros de meia tigela, padres, bispos, servidores públicos e sindicaloistas ordinários.
    Imaginem se os europeus deixarem estas terras e florestas ricas de tudo água, minério, madeira, e calor sob o nosso comando? para quem eles irão vender suas espiguinhas de milho pequeninas? o jeito é patrocinar estas ongs para destruir nossa agricultura e riquezas?

    http://www.emdireitabrasil.com.br/index.php/esclarecimento/121-a-mafia-verde-ambientalismo-a-servico-do-governo-mundial.html

    https://www.youtube.com/watch?v=pJZ7yg06ajc

    Resposta
  • 22 de maio de 2018 em 09:38
    Permalink

    KKKKKKK, típico evento para meter a marreta em quem produz e traz progresso pra região; o ideal dessa turma é deixar o mato tomando conta das terras e o índio,e o caboclo, prosseguindo em seus roçadinhos , com o Brasil a importar gêneros alimentícios da Ásia e Europa, como ocorreu até a década de 1960 ! Sem maquinário,sem tecnologia e sem cultivar grandes áreas, não há como alimentar uma população de mais de 200 milhões de pessoas e ainda exportar o excedente. Em Cuba, Venezuela, Coréia do Norte, etc não existe agronegócio, porém a fome corre solta, com a agricultura nas mãos do estado e de seus desmotivados funcionários públicos !

    Resposta
    • 22 de maio de 2018 em 13:16
      Permalink

      Deixa de ser burro…onde tu já viu se comer soja aqui em Santarém…vai tudo pra fora…aqui só fica destruição e veneno…vai plantar batata no asfalto.!!!

      Resposta
      • 22 de maio de 2018 em 16:57
        Permalink

        Oh, anjo! A soja, sem falar do milho, dá origem a dezenas de alimentos, como a ração dos porcos, dos cães, do leite,etc,etc,etc, são mais de 50 derivados ! Acorde ptreva !

        Resposta
        • 23 de maio de 2018 em 04:08
          Permalink

          Sem falar na ração para alimentar o burro, o cavalo, o cego…etc,etc….mostre-me onde comprar ração desse tipo que citou aqui nessa cidade entregue as baratas…

          Resposta
  • 21 de maio de 2018 em 17:46
    Permalink

    Esse seminario é pra ser contra o agronegocio?? Nao entendi…
    Nao vi a participacao dos sojeiros, agricultores, empresarios do ramo, sirsan ou outra entidade que trabalhe no ramo…
    Meio estranho esse seminario…ta cheio de mestres e doutores que nunca colocaram a mao na terra.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *