Luiz Fernandes: “Ré por improbidade, Stael pode voltar à gerência do CPC”

Assistente técnico forense alerta as autoridades sobre nomeação por indicação política

 Tramita na 6ª Vara Cível e Empresarial da Comarca de Santarém, dois processos oriundos de Ação Civil Pública por improbidade administrativa, em desfavor de Stael Rejane Sousa da Silva, perita criminal e ex-gerente regional do Centro de Perícias Científicas (CPC) Renato Chaves, com sede em Santarém.

Para Luiz Fernandes de Oliveira, servidor aposentado do CPC, que há anos enfrenta uma verdadeira ‘Odisseia’ para denunciar as possíveis irregularidades cometidas na gestão de Stael, caso ela volte ao cargo, as autoridades estarão indo contra a legislação, quando considerando a ética e moralidade no serviço público.

“Comentários dizem que por meios políticos, a ex-gerente vai voltar à unidade. Quero deixar bem claro à população de Santarém, que as denúncias que eu fiz no Ministério Público, foram investigadas, eram verdadeiras. Então, a Promotoria Pública, na pessoa da Dra. Maria Raimunda Tavares, fez as denúncias para o Tribunal de Justiça, no Fórum de Santarém, e estão lá os processos de improbidade administrativa. Tem dois processos por improbidade administrativa. Ela também responde um PAD, que por recomendação da Dra. Maria Raimunda, ela foi afastada no ano passado dessa gerência e agora quer voltar por braços políticos. Inclusive as informações são de que o Henderson Pinto é que é o padrinho dela, juntamente com aquele que foi do PSDB, quando ela foi PSDB, que é o ex-prefeito Alexandre Von. Então, os dois são os padrinhos políticos da Stael”, denunciou Fernandes.

De acordo com ele, as denúncias que realizou durante esses anos, foram para ressalvar a sociedade e o bem público diante das irregularidades dentro do CPC. Também para que a Justiça pudesse prevalecer.

“Sou o primeiro e único servidor do estado, do CPC Renato Chaves, que cumprir com seu dever de servidor. Na nossa Lei 5.810/94, nós temos artigo 177, inciso 8º, que é obrigação do Servidor denunciar ordem manifestamente ilegal, denunciar irregularidade, foi isso que eu fiz. Fiz a minha parte, denunciei. Mas para tudo na vida a gente precisar ter coragem. Essa coragem eu sempre tive e vou continuar tendo para denunciar as coisas ligadas à ilegalidade. Eu gosto muito de Justiça. Então, veja bem, neste ato aqui, eu quero que o Ministério Público, que já está cientificado, através da 9ª PJ, notificada agora dia 14. Também encaminhei notificação para AGE, comunicando que o PAD, que a Stael responde, ficou estagnado. A Comissão não providenciou nada, inclusive no documento, estou pedindo punição para Comissão do PAD 002/2018. Eu só trabalho desse jeito, às claras. Ninguém se engane comigo, esse é meu estilo de ser e vou continuar desse jeito. O CPC hoje conta com uma excelente gestão. Se o governador aceitar a Stael de volta, ele vai desmoralizar o próprio governo. Eu não acredito que ele cairá em uma dessa. Poderia até cair, porém, com essa entrevista, ele está ciente da situação. Ela não pode legalmente assumir a função. Então, veja bem, agora as autoridades estão cientes”. finalizou.

Por: Edmundo Baía Junior

Fonte: RG 15/O Impacto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *