Osvaldo: “Jogadores da região têm que ser valorizados por diretores de clubes”

O técnico Osvaldo Monte Alegre, que estava à frente São Francisco, levando o clube à elite do futebol paraense, compareceu em nossa redação para fazer uma análise de seu trabalho, principalmente depois do jogo contra a equipe do Paragominas aqui em Santarém, onde o São Francisco perdeu o jogo por 5 x 4, ocasião em que decidiu entregar o cargo. Monte Alegre também fala sobre a atuação dos times de Santarém no Campeonato paraense.

“Primeiramente vamos falar um pouco da segunda divisão. Acho que nós pegamos uma equipe muito complicada, sem condições financeiras, mas com a nossa experiência e de alguns diretores, fomos buscar jogadores da região, aqui de Santarém e formamos uma grande equipe; brigamos com 15 equipes na segunda divisão e conseguimos o acesso junto com o Tapajós. Foi muito difícil, mas conseguimos. Depois, a gente acertou para trabalhar na elite, para o Leão fazer um grande time e não conseguimos. Foram contratados muitos jogadores, alguns, no meu ponto, não eram para ser contratados, mas a maior parte foram jogadores de qualidade, que têm um compromisso em defender o escudo do time, mas não deu certo até o momento. Depois do jogo com o Paragominas eu achei melhor entregar o cargo, para que pudesse vir outro treinador, que já é o Júnior Amorim, um grande profissional, que fez um bom trabalho no Pinheirense, mas não foi feliz na Tuna e saiu para o Tapajós, mas é um grande profissional, foi um grande jogador e a gente espera que ele faça um grande trabalho. Não é porque eu não estou no São Francisco que eu vou torcer negativamente, nunca fiz isso e nunca vou fazer. Espero que com a chegada do Júnior Amorim a equipe cresça e comece a reagir no campeonato. Eu peço até desculpa ao torcedor, porque eu tentei fazer um grande trabalho, mas saio muito feliz, porque deixei a equipe em uma situação melhor do que peguei”, declarou Monte Alegre.

O treinador de futebol falou do atual plantel do São Francisco: “Nós procuramos implantar um trabalho como sempre a gente vem fazendo, de sucesso, mas não deu certo na elite, pois tivemos pouco tempo até a estreia no Parazão, 14 dias de trabalho. Eu fiquei até feliz pelo jogo contra o Tapajós, que terminou 2 x 2. Eu achava que a equipe ia ter uma reação positiva, e não teve contra o Paragominas, onde levamos muitos gols devido a falhas individuais. Se você for analisar, levamos vários gols de falha individual, dois contra o Independente, dois contra o Tapajós, e nesse jogo contra o Paragominas aconteceram três falhas individuais. Isso não pode acontecer, e eu fiquei um pouco chateado por essas falhas. Tentamos corrigir em todos os treinos, mas o time continuou falhando. Então, foi melhor eu dar espaço para outro treinador, para tentar corrigir o que eu não estava conseguindo fazer. Mas, eu estou tranquilo, eu recebi convite antes de começar o Campeonato Paraense para treinar outro clube, mas achei melhor ficar no São Francisco. Eu achava que daria sequência, que iria dar certo. Eu peço desculpa para o torcedor, que me conhece e sabe que eu já fiz muita coisa pelo São Francisco”.

JOGADORES DE FORA NÃO TÊM COMPROMISSO: Sobre os comentários que os torcedores fazem de que muitos jogadores que as equipes de Santarém contratam são de péssima qualidade, Osvaldo Monte Alegre disse o seguinte: “Enquanto os diretores de São Francisco, Tapajós e São Raimundo não tiverem nova mentalidade para acreditar em jogador da região, sempre vai ser assim. Eu confio muito em jogador da região, principalmente de Santarém, onde nós temos muitos talentos, só temos que dar oportunidade. Quando você chega para pegar um jogador da região, a primeira coisa que algum diretor fala é que o cara não é profissional. O jogador de fora, para que eles não conhecem, mas pagam bem. Já o jogador daqui, porque é da região, os caras não querem valorizar financeiramente. Aí fica difícil do jogador da região ser profissional. Mas, quando os clubes daqui de Santarém tiverem uma mentalidade diferente, em confiar no jogador da região, aí vão ficar fortes. Por que digo isso? Porque, o jogador da região se perder um jogo, ele vai ficar triste e dará tudo de si para mudar a história. Já o jogador que vem de fora, se ele perder o jogo, vai embora, pois para ele isso é normal, não sente nada. Hoje, os diretores de clubes se trouxerem 20 jogadores de fora a maior parte da imprensa local dá muita moral. Eu fui prejudicado por uma rádio aqui de Santarém, que já entrou comigo pelo lado pessoal; aí eu falei que eu não ia dar entrevista, porque o cara tem que ser profissional, tem que falar do jogo não do lado pessoal. Mas eu não ligo para isso, porque esses caras que ficam criticando, o Homem lá de cima está vendo. Eu procuro sempre esquecer essas críticas, sem falar que essas pessoas que me criticaram muitas vezes também já me elogiaram”.

NÃO CULPO ATLETA, A CULPA É DE QUEM CONTRATA: Osvaldo Monte Alegre falou sobre as contratações de jogadores feitas pela diretoria do São Francisco: “Eu acho que nós temos que ser honestos, temos que falar a verdade. Eu acho que por onde eu passei sempre procurei trabalhar com honestidade, sempre fui um cara que teve respeito por muitas pessoas no futebol em Santarém. A metade da imprensa também conhece meu trabalho, mas depois da segunda divisão eu sentei com o presidente e passei 6 nomes de jogadores para serem contratados, mas nenhum deles foi contratado. Perdemos jogador para o Bragantino, para o Paragominas, para o Castanhal. Eu fui em Monte Alegre, depois quando voltei todos os jogadores do São Francisco já haviam sido contratados, sem nenhuma comunicação para mim. Foram contratados pelo Dori junto com o presidente. Fiquei chateado quando eu cheguei, quis até desistir. Mas analisei melhor, pois sou uma pessoa que não fujo dos trabalhos, porém, não gostei da atitude. Eu acho que quando você vai formar um time tem que ter aquele diálogo entre treinador e diretoria, mas isso não teve. O diretor fez a contratação de jogador que já tinha passado pelo São Francisco em 2011 e que não tinha dado resultado, depois de oito anos esse jogador volta para São Francisco de novo. O jogador não tem culpa, ele é um profissional, está desempregado e quer trabalhar. Eu não quero chegar e culpar os atletas que trabalharam comigo, eu quero culpar quem contratou”.

FUTUROS CRAQUES NA REGIÃO: O treinador falou sobre grandes jogadores que surgem na região Oeste: ““Hoje, o São Francisco tem um jogador que veio de Almeirim que tem um futuro muito grande, o Careca, que entrou no segundo tempo do jogo contra o Paragominas. Um zagueiro que sai para o jogo, muito clássico, de um futuro grande. As diretorias do Tapajós, São Francisco e São Raimundo sabem que têm muitos jogadores bons aqui na região. Eu vi esse profissional jogar uma copa Oeste, nós puxamos alguma coisa positiva dele e hoje ele já está começando a ter espaço. É sinal que temos muitos jogadores na nossa região. Com relação ao jogo contra o Paragominas, acho que não houve boicote dos jogadores, porque a gente tem um grupo e eu sempre procuro trabalhar, cobro muito, porém, sou amigo dos jogadores. O treinador tem que cobrar nos trabalhos durante o dia-a-dia, mas depois do trabalho você tem que conversar normal como qualquer ser humano. Eu tinha essa conversa positiva e muitos jogadores ali gostam de mim. Você sabe que no futebol o treinador não agrada a todos; os 11 que entram jogando treinador acham excelente, os que vão para o banco mais ou menos e os não vão na relação é complicado para o treinador. Futebol é assim mesmo”, finalizou Osvaldo Monte Alegre.

Por: Jefferson Miranda

Fonte: RG 15/O Impacto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *