1º DE MAIO

Hoje, dia 1º de maio de 2019. Quanta diferença dos outros de há poucos tempos atrás.

Hoje, a cidade amanheceu silenciosa! Apenas alguns carros dos que voltavam da “noite da véspera do feriado”, vinham com o seu “som automotivo”, perturbando o sossego de quem estava ainda no gostoso sono da madrugada. Esses jovens e até alguns adultos, não respeitam ninguém. Dizem, “botam no 12”, no trânsito, na orla e até em quem está em sua casa, em seu merecido repouso. É um barulho ensurdecedor, mesmo numa zona urbana…. que pouco se ouve o galo cantar.  E não se sente mais o cheiro de café da casa do vizinho, no ar.

Estou me referindo assim porque no dia 1º de maio, aniversário da hoje, Escola Estadual Álvaro Adolfo da Silveira, inaugurado como colégio e que ao longo da sua existência tem formado quase ou mais da metade da população santarena. É que, outrora, neste dia, a cidade acordava com Alvorada, organizada por professores e alunos, acompanhada por parte da sua grande, harmoniosa e magnífica Banda Marcial. Desde quando inauguraram o novo prédio até alguns anos atrás. A não ser que tenha sido só na Escola!

Diz-se que os gostos são outros. Os tempos são outros. E muitas pessoas de hoje são contra estes folguedos. Não querem ser perturbadas com o toque da alvorada, nem com o barulho dos fogos de artifício usados… para animar a festa.  Aí me recordo que algum lugar desta morena Santarém de outrora, já chegaram a questionar por causa do toque do sino da igreja chamando para a missa das 6 horas da manhã. Ou tocando para dar as horas o relógio eletrônico. Agora imaginem, na época que se tocava o sino anunciando que houve um falecimento, o toque de réquiem!

Aí lembrei que em Belém já houve ação judicial contra os fogos do dia da festa de Nossa Senhora de Nazaré, porque iriam causar “stress” ou prejudicar os tímpanos dos periquitos de habitam as mangueiras que estão localizadas às proximidades do Largo de Nazaré……..

Encontrei com alguns colegas que estudamos e fomos professores ali naquele educandário. Ninguém sabe explicar o motivo da ausência. A mim só resta lembrar da forte carga semântica na poesia do Hino do Colégio, composta pela minha  saudosa professora de Canto: ONÉSIMA PEREIRA DE BARROS:…  “O COLÉGIO ESTADUAL/ÁLVARO ADOLFO DA SILVEIRA /COM ESTA MOCIDADE EM FLOR /PREPARA-SE PARA VENCER/TENDO O LIVRO COMO ARMA E DISCISPLINA POR DEVER”… PARABÉNS! A todos que hoje fazem o Álvaro Adolfo.

====================

Lamentavelmente, nesta Santarém, que vem perdendo as suas características culturais, vejo com tristeza mais uma se perder, pois a Santarém – Moaçara (MOÇA LINDA, BONITA) já perdeu a Piracaia, os cantores em serenatas, os violões nas noites enluaradas nas ruas mocorongas ou mesmo nas praias que perlongavam a frente da cidade. Está dando lugar para outras culturas que não são nossas!

Pois pelo que tomei conhecimento e passei por lá, apenas duas concentrações da classe trabalhadora foi organizada, na cidade, neste dia do Trabalhador.. Uma pelo SESI, como sempre há bastantes anos e outra no Atlético Cearense. Uma terceira, no campo do Norte Clube, mas já foi de particulares aproveitando o feriado, foi uma vaquejada. Veja, só, vaquejada! Nem no tempo que por ali se chamava a “Estrada das Bacabeiras”, havia alguns currais de fazendas, de pequenas fazendas, sim, como a do saudoso tio Jorge, Avó dos meus primos (Paulo Lima e Luiz Bianor, desculpe-me não citar o restante). Não havia vaquejada, nem quilombolas por ali. Há uns vinte anos atrás assisti, em uma parte do Diamantino para o Urumanduba, uma corrida de Argolinhas. Já era novidade para nós aqui na região.

Que venham as novas culturas! São bem vindas! Mas não deixemos a nossa cultura em toda a sua originalidade de lado, deve ocorrer a integração, como já tivemos as festa do Grupo de Tradições Gaúcha aqui, no antigo Santarém Clube e no Clube da Colônia Japonesa, (atrás da antiga CEMEX).

Já está completando três semanas que um caminhão da empresa que faz a retirada de lixo na rota Av. Presidente Vargas, entre 7 de Setembro e Moraes Sarmento, afundou uma parte da Calçada do “Passeio Público”, em frente a um terreno ao lado da sede do FLUMINENSE (foi preciso um outro caminhão da empresa vir rebocar) e até agora não deu o “ar de sua graça”. É uma empresa terceirizada. E daí?  Eles não tem compromisso com Santarém. Tem com os lucros deles. Uma secretaria deveria notificar a empresa para ressarcir o prejuízo para os cofres municipais.

Assim como acontece na UPA tão falada essa semana que passou a última deles?, retirar as cadeiras onde as pessoas esperam o atendimento. Não é um absurdo? A retirada das cadeiras vai melhorar o atendimento?, querem também guarda armada!… Será que estamos em Medelin? Nas favelas comandada por milícias e traficantes?… Com a palavra os responsáveis!.

============

Continuo…insistido com a operação “CALÇADAS LIVRES”, pois o desrespeito ao Código de Postura do Município de Santarém já é demais. Cadê a preocupação com a acessibilidade? Até quando autoridades competentes?

Dia 1º de maio de 2019, 25 anos sem o nosso ídolo vencedor AYRTON SENA. Estava assistindo a corrida no BASA CLUBE DE SANTARÉM, localizado na ponte do Cucurunã, nesse fatídico dia….. Acabou a brincadeira. Tristeza Geral, num País em que nossos heróis estão morrendo todos, AYRTON SENA vive naqueles que o viram em atividade e nos jovens, muitos deles além de terem como ídolo, se miram Nele.

E ainda neste dia 1º de maio se acompanhou o velório e fez-se a incineração do corpo da FADA MADRINHA DO SAMBA- BETH CARVALHO. TORCEDORA SÍMBOLO DO BOTAFOGO DO RIO DE JANEIRO, O GLORIOSO…..DESCANSE EM PAZ!.

HOJE TEM BAILE DE SAUDADE NO FLUMINENSE, COM O CONJUNTO “RAÍZES DA TERRA”, A PARTIR DAS 23 HORAS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *