Milton Corrêa Ed. 1257

Amazônia e a água no Brasil

Existe uma grande relação entre a Amazônia e a água no Brasil: a disponibilidade dos recursos hídricos do país depende da conservação desse importante bioma. 

Por Alunos Online

A Amazônia é uma grande produtora de chuvas no Brasil, aumentando a oferta de água

A Floresta Equatorial Amazônica é um dos principais elementos da natureza que são responsáveis pela água no Brasil, que é a maior potência hídrica do mundo, haja vista que o nosso país concentra 12% de todas as reservas de água no planeta. Além de garantir a continuidade e abastecimento dos recursos hídricos das suas áreas de entorno – o que inclui o Aquífero Alter do Chão e o Rio Amazonas –, a floresta ainda possui uma direta relação com o regime de chuvas no país ao longo do ano.

Essa relação entre a Amazônia e a água no Brasil explica-se pela existência dos chamados Rios Voadores da Amazônia, que funcionam da seguinte forma: a grande evapotranspiração gerada pela floresta em questão provoca a emissão de uma grande quantidade de umidade na atmosfera. Em seguida, essa umidade é transportada em direção à Cordilheira dos Andes, a oeste; nessa área montanhosa, parte dessa massa de ar é “rebatida” para o interior do continente sul-americano e, consequentemente, para várias áreas do território brasileiro.

Essa dinâmica permite a ocorrência de chuvas em várias áreas do país, principalmente nas regiões Centro-Oeste e Sudeste do Brasil, além de algumas áreas do Nordeste e do Sul. É claro que a região Norte é totalmente beneficiada por essa dinâmica, pois a floresta abrange quase que a sua totalidade.

Na floresta amazônica, a capacidade de evapotranspiração é tão elevada que uma única árvore emite para a atmosfera cerca de 300 litros de água por dia, mais do que o dobro do necessário para uma pessoa realizar as suas atividades diárias. O termo “rios voadores” deve-se às estimativas da quantidade de água que circula por esse sistema, que apresenta uma vazão de aproximadamente 200.000 m³ por segundo, superior até mesmo à vazão do Rio Amazonas.

Graças a essa dinâmica, evidencia-se que a preservação dos recursos hídricos no Brasil depende, necessariamente, de uma política de conservação da vegetação dessa floresta e também de outras áreas do país a fim de se manter a renovação dos recursos hídricos para as gerações futuras.

CAXUMBA: Saiba o que é e como se prevenir contra a doença

Atletas, comissão técnica e demais membros da delegação brasileira de futebol masculino foram vacinados contra as doenças sarampo, caxumba e rubéola.

Fonte: Agência do Rádio

Atletas, comissão técnica e demais membros da delegação brasileira de futebol masculino foram vacinados contra as doenças sarampo, caxumba e rubéola. A medida foi adotada como prevenção, depois que o jogador Richarlison teve de ser afastado com diagnostico de caxumba. E você sabe o que é? A caxumba é uma infecção contagiosa e que, normalmente, atinge as glândulas que produzem a saliva ou as próximas ao ouvido. O diretor do Departamento de Imunizações e Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, Júlio Croda, explica quais os sintomas dessa doença.

“Associado a esse inchaço das glândulas salivares, que pode ocorrer em um lado só ou nos dois lados, a pessoa pode ter febre, dor de garganta, cansaço, falta de apetite e dor ao mastigar e engolir por conta do inchaço da glândula salivar”.

A doença é altamente contagiosa e a única forma de evitar é se protegendo com as vacinas Tríplice Viral e Tetra Viral, que são aplicada gratuitamente no Sistema Único de Saúde. Por isso a importância de ficar atento ao calendário de vacinação, como afirma Júlio Croda.

“A gente vem no momento do Movimento Vacina Brasil, e é importante que todas as pessoas entendam e valorizem a ação de vacinação, principalmente nas crianças, onde a maioria do calendário nosso vacinal é adotado. Nesse caso, a gente tem a vacinação de sarampo, caxumba e rubéola aos 12 meses aos 15 meses”.

A transmissão da caxumba ocorre por meio do contato com secreções das vias respiratórias, de uma pessoa contaminada ao falar, tossir ou espirrar. Não existe um tratamento específico, por isso é recomendado apenas repouso, uso de medicamentos para aliviar a febre e dor local e observação cuidadosa de aparecimento de complicações.

Spam

Fonte: Significados.com.br

Spam é um termo de origem inglesa cujo significado designa uma mensagem eletrônica recebida mas não solicitada pelo usuário.

O conteúdo de um spam é normalmente uma mensagem publicitária que tem o objetivo de divulgar os serviços ou produtos de alguma empresa a uma grande massa de usuários de e-mail.

Spamming é a prática de envio em massa de spam e spammer é a designação dada ao seu autor. As características principais do spamming são o envio da mensagem para milhares de pessoas ao mesmo tempo e a ausência de autorização do destinatário para utilização do seu endereço eletrônico.

Além das corriqueiras mensagens para fins comerciais, existem vários outros tipos de spam que invadem as caixas de mensagens dos usuários. Por exemplo, aquelas mensagens maliciosas que tentam induzir o usuário a informar os seus dados pessoais ou da sua conta bancária ou ainda, executar algum programa que contém vírus.

Outros tipos de spam como boatos ou correntes, que estimulam ou forçam o usuário a reencaminhar para os seus contatos, têm geralmente o objetivo de expandir a base de dados de email do spammer. Em muitos casos, os usuários não têm o cuidado de ocultar os endereços de email quando reencaminham este tipo de mensagem.

Originalmente, a palavra spam era uma palavra usada para designar um produto alimentar, normalmente carne de porco enlatada. O termo spam passou a ser usado para designar um e-mail ou mensagem não solicitada graças ao sketch humorístico do grupo britânico Monty Python, no qual a palavra spam é repetida de forma exaustiva.

 Eclipse solar

Fonte: Significados.com.br

Eclipse solar é um fenômeno astronômico que ocorre quando a lua se posiciona entre a Terra e o Sol, ocultando a luz emitida pela estrela em direção ao planeta.

Para que haja um eclipse solar são necessárias algumas condições básicas. Além da lua estar na sua fase Nova, esta também deve atravessar o plano orbital da Terra, chamado de “linha de nodos”.

Como a trajetória de órbita da lua ao redor da Terra é diferente do da Terra ao redor do Sol, este “cruzamento” entre as órbitas só ocorre em média duas vezes ao ano.

Se ambos os corpos celestes (Terra e Lua) tivessem o mesmo ritmo e linha orbital, toda vez que a lua estivesse na sua fase nova, haveria um eclipse solar.

Tipos de Eclipses Solares

Os eclipses solares podem ser de dois principais tipos: totais ou parciais. No primeiro caso, a luminosidade do Sol é totalmente escondida pela lua, enquanto que no eclipse parcial, apenas parte da luz do Sol é ocultada pelo satélite natural.

O que caracteriza o eclipse solar total é a ausência momentânea da luz do sol em determinada região. Neste caso, a lua está numa etapa da trajetória orbital bastante próxima da Terra, fazendo com que haja a ilusão de ótica de ter o mesmo tamanho que o sol. As zonas onde a luz do sol é totalmente bloqueada pela lua são chamadas de umbrais.

Por sua vez, o local onde a luz do sol fica parcialmente ocultada pela lua é chamado de penumbra, e caracteriza os eclipses solares parciais.

Os eclipses totais podem ter até 7 minutos de duração, enquanto os parciais atingem a marca máxima de até 13 minutos.

Ainda existem outros gêneros diferentes de eclipses solares: anular e híbrido.

Também conhecido por eclipse anelar ou eclipse em anel, o eclipse anular ocorre quando a lua está na sua órbita mais distante da Terra e não consegue cobrir totalmente o sol, formando uma espécie de “anel solar” ao redor da silhueta do satélite natural.

O eclipse híbrido ocorre quando o posicionamento da lua faz com que o eclipse possa ser visto como total em determinadas áreas da Terra e parcial em outras.

Diferença entre Eclipse solar e Eclipse lunar

O eclipse solar ocorre quando a lua está na sua fase Nova, ou seja, a sua órbita está entre o sol e a Terra.

Já o eclipse lunar só acontece quando a lua está cheia, neste caso o planeta Terra está entre o sol e o satélite natural.

Ambos os casos são classificados como fenômenos astronômicos e podem ser observados a olho nu a partir do planeta Terra, de acordo com as condições climáticas ideais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *