O DIA DA RAÇA 2019

No dia 05 de setembro festeja-se no Brasil o Dia da Raça, como uma forma de exaltar e valorizar os povos formadores da raça brasileiratem o objetivo de enaltecer a identidade cultural brasileira e todos os imigrantes que contribuíram para a formação da “raça brasileira”. A data entrou para o calendário oficial a partir da proclamação da Independência do Brasil. E se festeja com desfiles cívicos em certas regiões do Brasil, inclusive a nossa.

Primeiro o índio que já habitava a “Pindora”, (nome que os índios davam para o Brasil), vieram os portugueses, conquistadores;os negros de diversasregiões da África subsaariana, como escravos; italianos para a expansão do café; espanhóis, comércio; japoneses, principalmente na agricultura; sírios, libaneses, alemães, holandeses, poloneses no sul, entre outros.

Atualmente o Brasil é um dos países que mais recebe imigrantes, como se diz popularmente, uma nova carrada de imigrantes, porção deles, que já são visto até, em Santarém, trabalhando em comércio suspeitos, ou ilegal, rifas, empréstimo, agiotagem diária…que são os peruanos, colombianos, haitianos e principalmente, venezuelanos.  Mas como dizia o nosso “poetinha” Vinicius de Moraes….este é o meu Brasil de brancos, pretos, mulatos, e do meu São Sebastião…Saravá” .

O dia da Raça sempre foi festejado com desfiles, pelas escolas, sindicatos e times de futebol, e na época em que não havia se popularizado o futebol feminino as meninas iam vestidas em trajes de atletas com troféus e bolas e davam o colorido especial, como hoje ainda estão fazendo as nossas criançadas, nas ruas mocorongas,embora eu não concorde com a compra de trajes novos, pelos alunos, para formar um determinado pelotão, apenas para um dia, e os pais muitas vezes, no sacrifício fazem das “tripas coração” porque as crianças continuam sendo ameaçadas de que se não desfilarem perdem ponto de conceito precisamos rever esta espontaneidade do desfile das crianças. Mas, salve a nossa Raça Brasileira!////  Mesmo nestes dias da raça, encontramo-nos, verdadeiramente, a “raça toda” como se dizia, outrora, em boa gramática “papaChibé”. Foi o que ocorreu na família dos Sousa Lima, meus primos pelo meu lado materno. O Grande Tricolor Paulo Sousa Limae esposa, sua filha Paula, genro e o seu filho Paulo, com a nora. O Luiz Bianor de Sousa Lima, mais outros membros da família reuniram-se para  receber o seu irmão RUI que apenas 42 anos não vinha a Santarém.////RUI veio rever a cidade e observar o clima e a euforia de que se fala lá fora da nova Santarém progressista, boa para empreendimentos. Veio acompanhado com os filhos, e tentaram fazer uma Piracaia, para matar a saudade dos tempos de jovens. Não foi a Piracaia como a da música do saudoso LAUDELINO SILVA, …“gosto do Jaraqui do cara açu, são peixes tão gostosos do tapajós/ gosto do tambaqui, do  Tucunaré, fazendo Piracaia na Maria José…”Não foi feita mais a luz do luar, mas com a luz da lâmpada de led, nem mais com os ventos da brisa do Tapajós, mas com a brisa do ar condicionado, o peixe desta vez não foram servidos na folha da bananeira, com um alguidar com farinha sal e pimenta malagueta, colocado estendido na areias alvas das nossas praias. Agora era na toalha branca da peixaria em vasilhas ou em travessas de inox, farofa, molhos e vinagrete, no capricho. Mas o tambaqui (que não era de cativeiro),assado na brasa, não deu para começar, logo, logo desmontaram a “boleia”(cabeça) e deram fim no que era comível, tendo que completar com bolinhos de piracuí, isca de pirarucu e caldeirada e mais outros bem assado.//// Se não podemos reproduzir aqui, neste pequeno espaço, a tela que foi o espetáculo do reencontro pelo menos serviu para umas boas vindas ao RUI e família.E como diziam os antigos, RUI: “tuas pernas te levam, mas tua barriga te traz de volta.”//// Pelo menos dois assuntos que abordamos aqui na edição anterior, na semana passada edição de 30.08.2019, serviu de tema para os jornais das rádios locais.  1º) O Trânsito maluco de Santarém que continua matando e continua faltando fiscalização, o SMT tem apenas 33 agentes de trânsito para toda esta cidade. E os moradores de Santarém, não esqueceram o tempo que BTRAN do 3º BPM atuava na cidade de Santarém//// o que é bom tem que voltar e permanecer//// 2º) outro foi quanto ao total desrespeito às autoridades municipais, pelos armadores, donos de embarcações em Santarém, aparentemente deixaram o porto da Praça Tiradentes, mas disfarçadamente, estão atracando na escadaria em frente a praça da matriz, e o pior, amarrando as suas embarcações no guarda corpo da orla, quebrando-os. E veja só que a orla ainda não foi nem inaugurada, e o prejuízo fica para o contribuinte. Ao lado disso vem a desorganização do trânsito, evira aquela “zorra Geral.”Tentaram, também o outro porto, ou seja o Porto da Marques Pinto, no final da Rua do Imperador com a Augusto Montenegro, próximo do terminal hidro fluvial, localizado na área da antiga TECEJUTA.  Outros barcos foram para lá e os sonos tornaram-se mais “petulante” levaram seus barcos para lá e mandaram fazer serviço em suas embarcações, transformando, ali, como se fosse um estaleiro, improvisado, incomodando de todas as formas os moradores dali. Agora o Ministério Público do Estado do Pará, quer a interdição de vez, porque, parece que o porto é clandestino. Não tem licença para tal. Essas embarcações tem como seus proprietários pessoas que aspiram, com todo direito, ser prefeito de Santarém. Agora imagine se eles chegam ao poder, vai acontecer como aconteceu com a criação da faixa, ou onda azul, para o estacionamento no centro da cidade. Morreu no nascedouro, prejudicava os seus interesses, não estavam preocupados com o bem estar da população de Santarém?////será nesta sexta feira 06.09 no FLUMINENSE o BAILE DA SOLIDARIEDADE, em prol do tratamento da saúde do ex – jogador INACINHO, o toque musical estará a cargo da BANDA STILUS, CAETANO E CONVIDADOS. PARTICIPE E COLABORE. VENDAS DE MESA NA SEDE DO CLUBE E NA GARAPEIRA IPIRANGA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *