Milton Corrêa Ed. 1268

Comunidade Cristo Libertador vai completar 50 anos

Daqui a três anos a comunidade de Cristo Libertador vai completar 50 anos. Assim sendo, é bom lembrar como tudo começou.

Era início da década 1970, exatamente em 72, quando a minha família chegou no bairro Interventoria, assim denominado porque suas terras foram doadas pelo então interventor federal da época, capitão Elmano de Moura Melo.

Com poucos moradores, não se falava em religião, a igreja mais próxima era a do Santíssimo Sacramento. Mas o bairro foi crescendo. Minha mãe Tereza Rego Corrêa (Lelé), juntamente com dona Lili, Ribamar e Domingas (todas já falecidas) começaram a articular reuniões religiosas em Grupos de Vizinhos (hoje comunidades Eclesiais de Base). O tema central era sempre a leitura e reflexão do Evangelho.

Assim nascia a comunidade Cristo Libertador, denominação dada ao seu padroeiro, que mais uma vez vamos festejar em outubro.

As primeiras missas no bairro foram celebradas em um barracão localizado na Rua dos Tamoios, esquina com a Haroldo Veloso, onde também tinha um poço comunitário.

Com a construção da escola Richard Heningthon, as celebrações religiosas passaram a ser no pátio da escola, gentilmente cedido pela direção do educandário. Posteriormente o saudoso bispo Dom Thiago Hayan adquiriu um terreno na Rua Nova Olinda, esquina com a Avenida Augusto Meira e a igreja de Cristo Libertador foi edificada, quando tínhamos como vigário Frei Miguelão. Inicialmente foi construída uma capela toda em madeira, lá as missas passaram a ser celebradas (atualmente é a quadra de eventos) e finalmente construída a igreja em alvenaria, sendo que os blocos foram confeccionados em uma máquina manual, pelos próprios comunitários.

Os 50 anos da comunidade Cristo Libertador, que serão comemorados daqui a três anos, é resultado de lutas, perseveranças e conquistas de pessoas abnegadas que já se foram, mas deixaram a semente plantada que germinou e continua dando frutos, hoje somos sede de nove comunidades, o que significa a expansão do crescimento da religiosidade, a partir de Cristo Libertador. Ao celebrarmos mais uma festa, queremos pedir ao nosso padroeiro, muitas bençãos, que Ele continue derramando graças em nossa comunidade. Louvado seja Cristo Libertador, padroeiro do nosso bairro Interventoria.

Quase 10 milhões de brasileiros devem usar FGTS para pagar dívidas

Cartão de crédito será principal conta em atraso paga com recursos do FGTS. No geral, 45% dos beneficiários têm interesse em resgatar recursos. Apenas 19% devem aderir ao ‘saque-aniversário’, que começa em 2020

Uma pesquisa da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) mostra que a liberação dos saques das contas do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), que começam nesta sexta-feira, dia 13, deve contribuir para que muitos inadimplentes regularizem o pagamento de suas contas em atraso. Entre os beneficiários que pretendem resgatar o dinheiro, 38% têm a intenção de quitar todas ou pelo menos parte de dívidas que estão pendentes — isso significa que aproximadamente 9,7 milhões de brasileiros devem utilizar esse dinheiro extra para ‘limpar o nome’ e, assim, voltarem ao mercado de crédito.

Já um terço (33%) dos consumidores deve guardar ou investir os recursos, ao passo que 24% vão direcionar o dinheiro para cobrir despesas básicas do dia a dia e 17% realizar compras em supermercados. Há ainda 13% que pretendem realizar compras de produtos e serviços e 10% antecipar pagamento de compras que não estão em atraso como, prestações de casa, carro, crediário, cartão de crédito etc.

Entre as principais dívidas que serão pagas com o FGTS, o cartão de crédito figura como o mais citado, com 42%. Depois aparecem as contas atrasadas de telefone (20%), contas de luz (18%), água (16%), empréstimos bancários (16%) e empréstimos com parentes ou amigos (16%).

Na avaliação do presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Junior, a liberação dos saques das contas ativas e inativas do FGTS é uma medida importante para aquecer a economia, pois estimulará tanto a recuperação de crédito quanto o consumo de bens. “Esse dinheiro poderá ser utilizado nas obrigações mais urgentes do consumidor, como limpar o nome ou para necessidades do dia a dia. Livre das dívidas, o consumidor poderá retornar ao mercado de crédito, reaquecendo as vendas no varejo. Para quem não está no vermelho, a principal dica é começar uma reserva para imprevistos. Outra que pode ser válida, é aproveitar o dinheiro extra para antecipar o pagamento de contas não atrasadas, caso haja algum desconto”, analisa Pellizzaro Junior.

O FGTS é uma poupança compulsória à qual tem direito todos os trabalhadores contratados pelo regime CLT, assim como trabalhadores rurais. Mensalmente, o empregador deposita diretamente em nome do trabalhador o equivalente a 8% do seu salário.

Em 2017, quando o Governo Federal liberou os saques apenas das contas inativas, 57% dos beneficiários fizeram o resgate, sendo que 18% usaram o dinheiro para contas do dia a dia, 16% no pagamento de dívidas em atraso e 12% para realizar compras. Já 11%, guardam ou pouparam o dinheiro extra.

45% dos beneficiários pretendem resgatar saldo do FGTS

No geral, o levantamento aponta que 45% dos trabalhadores que têm direito ao saque pretendem retirar os recursos do FGTS assim que estiverem disponíveis na conta, principalmente as mulheres (52%). Outros 43% não têm interesse de fazê-lo neste momento, enquanto 12% ainda não decidiram. Entre os que não pretendem sacar os recursos do FGTS, 60% preferem deixar o dinheiro guardado no caso de demissão, pois avaliam que essa quantia fará falta no futuro e 30% consideram o limite de R$ 500 muito baixo para o saque valer a pena. Há ainda 19% de entrevistados que preferem deixar o dinheiro à espera da aposentadoria e 6% que querem evitar a burocracia e as longas filas nas agências bancárias para realizar a retirada.

“Embora pareça baixo, R$ 500 é praticamente a metade de um salário mínimo e pode fazer a diferença para muitas pessoas, principalmente, as de baixa renda. Para quem tem uma dívida maior, esse dinheiro pode abater parte do valor do débito e contribuir em uma renegociação com parcelas menores. Vale lembrar também que cada trabalhador poderá sacar até R$ 500,00 de cada conta que possuir. Isso significa que quem é titular de duas contas no FGTS, por exemplo, poderá sacar até R$ 1.000,00, ou seja, R$ 500,00 de cada uma”, esclarece Pellizzaro Junior.

Sobre outra medida anunciada pelo Governo Federal, o chamado ‘saque-aniversário’, apenas 19% pretendem aderir a nova modalidade, que começa a valer em abril de 2020. A maioria (64%) manifesta a intenção de abrir mão da possibilidade de sacar todos os anos uma parte do FGTS, optando por retirar esses recursos somente em caso de demissão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *