Artigo – Bases militares, em sua primordial função

Por Oswaldo Bezerra

Não teríamos nenhuma chance de nos defender, mas a resistência seria muito dura. Foi a conclusão do historiador militar Almirante Hélio Afonso Martins, sobre o planejamento da invasão americana ao Brasil. Os ataques previam forte bombardeios às cidades de Belém e Natal. A principal invasão ocorreria na praia de Genipabu, em Natal, com 20 mil fuzileiros, e com apoio de porta-aviões e aviões bombardeiros. A invasão tomaria toda a costa do Brasil desde o estado da Bahia ao Amapá.

Apesar do alto comando militar da época ser pró alemães, o presidente Getúlio Vargas soube, sabiamente, manter a neutralidade. Com isso Getúlio conseguiu industrializar o país. Getúlio negociou a instalação de uma base militar provisória no Brasil, durante a Segunda Guerra Mundial, com a contrapartida de investimento de uma siderúrgica nacional. A empresa americana de siderurgia se negou a financiar o projeto, por isso o própio governo americano financiou a criação da Companhia Siderúrgica Nacional.

Posteriormente, Getúlio também conseguiu dar início a indústria da energia nuclear brasileira, com o apoio dos alemãs. Os americanos impediram a vinda das centrífugas radioativas alemães, já na saída porto alemão, mais tarde o Almirante Othon consegiu que desenvolvêssemos a mais moderna centrífuga do mundo. Tudo isso ocorreu por causa da instalação de uma base militar em nosso território.

Hoje as bases militares americanas se multiplicam na América do Sul, e sem contrapartida. Qual o motivo de tantos gastos americanos em criação de bases militares na América latina? Porque as bases militares são colocadas em pontos que nem são estratégicos militares? Porque a expansão das bases militares agora se dá na América do Sul? São quase 80 bases militares em toda América Latina. Só no Panamá, país que foi criado pelos EUA através de tomada de território colombiano, são 12. Em Porto Rico são amis 12 bases militares.

Na América do Sul a Colômbia é o país com mais bases militares americanas. São 9 no total, estas bases permitem que os EUA ataquem, por exemplo, até a metade da América do Sul sem necessidade de reabastecimento de aviões. Também dá aos EUA todo poder sobre o rico mercado do tráfico de cocaína, já que a Colômbia abastece 80% do mercado mundial. Quase toda exportação de cocaína para os EUA vêm da Colômbia. A Colômbia também possui uma base do exército particular (americano) Academy, antigo Blackwater, que presta serviço a CIA.

A outra metade da América do Sul pode ser atacada, sem abastecimento de aviões, desde o Peru. Disfarçada de ajuda humanitária, os EUA se utilizam do Peru, através de 8 bases militares, como parte de seu plano de dominação do continente. O que tem o Peru de interesse aos EUA? O país não é só rico em metais e minerais, também é rico em gás e petróleo. O petróleo também é uma importante riqueza no Equador. Por isso, os EUA resolveram por uma base por lá. O presidente Lenin Moreno, considerado traidor, depois da implantação da base americana com apoio a CIA, se sentiu encorajado a adotar medidas neoliberais para favorecer ao capital estrangeiro. Resultado, o país explodiu em protestos.

No Mercosul, o Brasil sempre foi contra a instalação de uma base estrangeira em nosso território. Até que Bolsonaro, no ímpeto de entrar na OCDE, prometeu oferecer entrada sem visto para americanos, criar cota para o álcool americano, e uma ou duas bases americanas no Brasil. Contrariado, os militares pressionaram Bolsonaro que voltou atrás quanto a base americana. Mike Pompeu, que já havia comemorado a decisão de Bolsonaro, vai contra o pensamento do presidente Trump, que acha que bases estrangeiras são só um gasto de dinheiro do contribuinte americano.

No Paraguai, após o golpe que derrubou o presidente Lugo, os EUA instalaram duas bases americanas, em locais estratégicos, que dá poder de subjugação militar tanto no segundo maior aquífero do mundo como na represa de Itaipu. Na Argentina, Macri não só deixou a característica de terras arrasadas no final do seu governo, ao incrementar a dívida pública de 40% para 91% do PIB e dívida com o FMI, também cedeu duas bases para os americanos uma, no sul, que dá controle ao estreito de Magalhães, e outra na fronteira com o Brasil. Macri também entregou o patrulhamento marítimo e de fronteiras à Israel, um braço armado dos EUA. O Chile, que já foi até bombardeado pelos americanos, e tiveram uma ditadura instalada pelos EUA, inaugurou mais uma base americana em seu território.

O recente crescimento de bases militares dos EUA, na América do Sul, expõe os velhos interesses de subjugação dos povos em prol das empresas e do capital especulativo estrangeiro. Outra coincidência é que as bases americanas sempre são instaladas onde os recursos naturais são altamente estratégicos. Muito originais, os americanos apelidam suas bases de “centro de emergência”, “centro de treinamento de forças de paz”, “centro de ajuda humanitária”, nomes que já não enganam.

Ninguém amplia bases militares para incrementar relações de solidariedade. Nas décadas de 70 e 80, não havia necessidade de instalação de bases militares norte-americanas. Os próprios governos implantados por golpes de estado (criados na Operação Condor) faziam o trabalho de entrega de patrimônio e endividamento junto aos bancos internacionais. Na década de 90, os governos neoliberais faziam o mesmo. Contudo, após os anos 2000 com os governos progressistas, os americanos sentiram a necessidade de implantação de bases militares, seriam o instrumento de garantia para seus interesses econômicos na região.

RG 15 / O Impacto

Um comentário em “Artigo – Bases militares, em sua primordial função

  • 31 de outubro de 2019 em 06:31
    Permalink

    KKKKKKKK, os USA estão tão preocupados com as idiotices que os sul americanos fazem, que deixaram o Hugo Chaves transformar a Venezuela numa porcaria marxista, e isso apesar de todo o lençol petrolífero que possui. Piada mesmo é dizer que o Getúlio Vargas deu início ao programa nuclear brasileiro ! Leia mais sobre história, antes de escrever asneiras, pois quem se preocupou com o assunto foi o Presidente Geisel. Quanto a presença de base americana na Colômbia, deve-se ao combate ao plantio e comercialização de coca/cocaína. Quem usava e abusava, e o Putin ainda usa, desse método de implantar bases nos países vizinhos são os comunistas, aliás nunca econômicos em suas incursões, sendo uma das razões da implosão da economia soviética . Que maravilha existir os USA, para se jogar a culpa dos fracassos do comunismo, aliado à irresponsabilidade dos políticos sul americanos, sempre demagogos, ladrões, inconsequentes e incompetentes. Quebrou o país? Apela-se pro FMI e lá vem mais grana…mas a culpa é dos gringos e europeus, fácil !!!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *