Militar tenta suicídio em corveta atracada no município de Porto de Moz

Um militar da Marinha do Brasil, teria cometido tentativa de suicídio utilizando uma arma de fogo.

O caso aconteceu nesta sexta-feira(8), no convés da Corveta U18 que está atracada no porto do município de Porto de Moz, oeste do Pará.

Segundo informações, o disparo atingiu a região da cabeça do militar que recebeu os primeiros atendimentos médicos no Hospital da cidade, e em seguida transferido para o município de Altamira.

RG 15 / O Impacto

15 comentários em “Militar tenta suicídio em corveta atracada no município de Porto de Moz

  • 14 de novembro de 2019 em 16:47
    Permalink

    Lamentável… só a verdade o que vc falou aí..a real verdade!!!
    As forças Armadas trabalham em escalas desumanas, oficiais e Representantes das categorias nada fazem..

    Resposta
  • 12 de novembro de 2019 em 15:54
    Permalink

    Praças são tratados como números pela Marinha que negligênciou o atendimento ao rapaz, alegando que a aeronave que estava a bordo não podia voar, o que na certa não aconteceria se fosse um Ofícial.
    No mesmo dia o comandante no Navio Hospitalar reuniu q tripulação e demonstrou claramente que a preocupação era com o que isso afetaria em sua carreira (a essa altura o marinheiro ainda estava vivo), não dando a mínima para a vida que se esvaia.
    Disse inclusive que se o marinheiro sobrevivesse teria que se explicar em audiência com o mesmo. Esse acontecimento lamentável era previsível, afinal a carga posta sobre o marinheiro era gigante, tendo que se desdobrar pois era um dos 6 marinheiros a bordo do navio e por isso trabalhava de modo desumano, mesmo tendo dito várias vezes que não estava bem.
    A falta de mão de obra se deu pois, o comandante não visou o conforto de sua tripulação, lotando o navio com sargentos oficiais e suboficiais que estão na viagem apenas para ganhar um valor extra no salário e sobrecarregar ainda mais esses 6 marinheiros.
    Como se tudo isso ainda não fosse suficiente, a viagem que teria de ser cancelada por motivos óbvios vai continuar, e ainda teve seu período estendido, revelando uma total falta de humanidade para com os amigos do marinheiro Gregório que se encontram profundamente habalados com tal situação.
    Providências tem que ser tomadas.

    Resposta
  • 11 de novembro de 2019 em 21:08
    Permalink

    Foi enterrado sob forte comoção no cemitério de Santa Sofia em Seropédica/RJ as 14h do dia 11/11/2019, com honras militares da guarda da Marinha do Brasil.

    Resposta
  • 10 de novembro de 2019 em 10:45
    Permalink

    Ridículo esse repórter ou sei lá quem, faz uma matéria e não sabe o tipo do navio. Esse é o padrão de alguns repórteres de hoje no Brasil, compromisso nenhum com a notícia.

    Resposta
  • 10 de novembro de 2019 em 06:14
    Permalink

    Nota da MB.

    Belém-PA, 08 de novembro de 2019.
    A Marinha do Brasil, por intermédio do Comando do 4o Distrito Naval (Com4oDN), lamenta informar o falecimento de um militar nesta sexta-feira (08), em decorrência de um acidente com arma de fogo, a bordo do Navio de Assistência Hospitalar (NAsH) Oswaldo Cruz que se encontrava atracado em Porto de Moz (PA).
    O militar recebeu os primeiros atendimentos médicos e foi removido para a unidade de saúde mais próxima, no entanto, não resistiu aos ferimentos e veio a óbito.
    Será instaurado um inquérito para apurar as circunstâncias e as causas do fato. A Marinha do Brasil vem prestando todo o apoio e se solidariza com os familiares do militar.

    Resposta
  • 9 de novembro de 2019 em 14:34
    Permalink

    Ele faleceu?

    Resposta
  • 9 de novembro de 2019 em 13:56
    Permalink

    A tripulação está doente e “ninguém” está vendo isso. Talvez quem deveria ver, viu mas está fechando os olhos tentando se convencer de que “está tudo bem” e não, não está.

    Resposta
  • 9 de novembro de 2019 em 13:15
    Permalink

    Arruma a Manchete da Notícia, troca por Corveta ( tipo de navio de guerra)

    Resposta
    • 10 de novembro de 2019 em 05:45
      Permalink

      Navio de apoio hospitalar por favor.

      Resposta
  • 9 de novembro de 2019 em 12:22
    Permalink

    Bom dia! Muitas vezes o militar pede socorro e as autoridades não ligam, por ser praça ou dependente de praça, quando é oficial o tratamento é totalmente diferente, se um oficial fizer uma besteira, rapidinho eles tomam as providências, se for um praça, ele vai preso.

    Resposta
    • 11 de novembro de 2019 em 16:44
      Permalink

      Perfeito, nada mais além disso!…
      Quem viveu, viu!…

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *