Artigo – Início do pânico em Wall Street: acordo EUA-China está sepultado

Por Oswaldo Bezerra

O pré-acordo entre os EUA e a China proporcionou recuperação do mercado de ações nos últimos dois meses, mas acabou sendo só uma ilusão. Não haverá um acordo comercial antes das eleições presidenciais de 2020. Até o presidente Trump confirmou para não esperar um antes de novembro de 2020.

 

Furioso com a intervenção estadunidense em Hong Kong, o Partido Comunista chinês desautorizou o presidente Xi Jiping a fechar acordo com Donald Trump. O PC chinês definiu agora que se os EUA quiserem este acordo, terá que ser nos termos do Partido. Essa determinação já reflete prejuízos para os investidores de Wall Street, e eles estão começando a entrar em pânico.

 

O presidente norte-americano informou que “De certa forma, eu gosto da ideia de esperar até depois da eleição para o acordo com a China, mas eles querem fazer um acordo agora e veremos se o acordo vai ou não dar certo“. Quando perguntado se ele tinha um prazo de acordo, ele acrescentou: “Não tenho prazo, não … De certa forma, acho melhor esperar até depois da eleição se você quiser saber a verdade“.

 

O que gerou este passo atrás nas negociações? As restrições com as quais a China respondeu à Lei dos EUA sobre Hong Kong sugerem que, a partir de agora, todas as tentativas de Washington de interferir nos assuntos internos, da gigante asiática, provocarão uma reação dura de Pequim.

 

O presidente dos EUA, Donald Trump, promulgou a Lei de Direitos Humanos e Democracia de Hong Kong em 27 de novembro, em apoio aos manifestantes. Esta legislação foi introduzida com o objetivo de preservar os direitos e autonomia da região especial da China.

 

É um precedente perigoso de interferência nos assuntos internos da China. A ausência de reação das autoridades chinesas teria sido percebida como uma fraqueza. Por outro lado, Pequim ainda age com bastante cautela. A resposta chinesa não afeta as prioridades vitais da política americana, mas representa um “golpe no ego dos gringos“. Os EUA violam sanções contra diferentes países, claro que a China reagiria.

 

Hong Kong não é a única região chinesa em cuja situação interna Washington tenta interferir. A Câmara dos Deputados aprovou um projeto de Lei em 3 de dezembro que pede que o governo Trump responda com mais severidade aos relatórios sobre a detenção em massa de uigures, minorias muçulmanas, nos campos de reeducação em Xinjiang.

 

Essa lei ainda deve ser aprovada pelo Senado e assinada por Donald Trump.O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hua Chunying, afirmou que a situação em Xinjiang não tem nada a ver com etnia, religião ou direitos humanos, e sim uma luta contra o terrorismo e separatismo..

 

Além disso, Pequim impôs sanções que restringem as atividades realizadas por várias ONGs norte-americanas, como a National Endowment for Democracy, o Instituto Republicano Internacional, a Human Rights Watch e a Freedom House. Estas organizações apóiam os distúrbios em Hong Kong e incentivam os manifestantes a realizar atividades extremistas, violentas e ilegais.

 

O presidente Trump está tentando inverter as coisas, para fazer parecer que é sua a decisão adiar um acordo comercial. É a coisa politicamente mais inteligente de se fazer. Na verdade, os chineses nunca quiseram fazer um acordo comercial com Trump. Eles queriam adiar as tarifas de Trump pelo maior tempo possível.

 

Sem acordo, o professor de finanças da Wharton Business School, Jeremy Siegel, avisa que o caos pode ser desencadeado em Wall Street, caso Donald Trump aumente as prometidas tarifas em 15 de dezembro.  De fato, os preços das ações já caíram por três dias seguidos e a desaceleração realmente começou a acelerar nesta terça-feira.

 

A Média Industrial Dow Jones caiu 280,23 pontos, ou 1%, para 27.502,81. A média de 30 ações foi liderada pela Apple, Caterpillar e Boeing, vulneráveis ​​ao comércio. O S&P 500 caiu 0,7%, para 3.093,20, em meio a perdas em estoques de chips como Nvidia, Micron e Advanced Micro Devices. O Nasdaq Composite perdeu cerca de 0,6% ao final do dia às 8.520,64. Em sua baixa do dia, o Dow caiu 457,91 pontos, ou 1,7%. O S&P 500 caiu até 1,7%, enquanto o Nasdaq foi negociado em até 1,6%.

 

Esperamos que as coisas se acalmem pelo resto desta semana, mas se no dia 15 de dezembro chegar e as tarifas forem realmente implementadas, muitos analistas estão alertando que pode haver pânico. A diretora-gerente da Manulife, Sue Trinh, disse que “se as tarifas do 15 de dezembro forem implementadas, será um choque enorme para o consenso do mercado“, acrescentando que “Trump seria o Grinch que roubou o Natal”. Mesmo que não haja nenhum tipo de acordo com a China, seria útil para a economia norte-americana se Trump adiasse as tarifas de 15 de dezembro.

 

Enquanto isso, o governo Trump também está tentando aumentar as tarifas sobre mercadorias das nações vassalas como França, Brasil e Argentina. Na segunda-feira, o presidente disse que aumentaria as tarifas de importação de aço e alumínio do Brasil e da Argentina. Também ordenou tarifas tarifárias sobre as exportações francesas.

 

O comércio global caiu por quatro meses seguidos e certamente parece que as coisas podem piorar ainda mais nos próximos meses. E isso significa que é mais provável do que a economia, como um todo, mergulhará em uma profunda recessão. De fato, Legg Mason está alertando seus clientes que “a probabilidade de uma recessão nos próximos 12 meses é de 50%”.

 

A longo prazo, o resultado será pior que apenas outra recessão. A bolha de débitos, para acabar com todas as bolhas, está começando a parecer vulnerável, e não será preciso muito para nos levar a uma nova crise financeira. Investir e poupar é esperança, perdendo a esperança perderemos os alicerces. O relacionamento entre os Estados Unidos e a China foi destruído, o futuro está parecendo mais sombrio para os investidores do que há algumas semanas.

RG15/O Impacto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *