Artigo – Em tempos estranhos é melhor guardar valores em dinheiro fíat, ouro ou criptomoedas?

Por Oswaldo Bezerra

 

Vivemos realmente em tempos estranhos. Tempos em que empresas que dão prejuízos há anos tem suas ações S&P 500 com as maiores altas da história. Tempos em que as bolhas de débitos, tanto corporativas como governamentais e de cidadãos atingiram patamares recordes. O que fazer para proteger seu patrimônio? Guará-los em dinheiro fiat, em dinheiro duro como o ouro, ou se proteger com criptomoedas?

 

Será se o tradicional Dinheiro Fíat é a melhor maneira de se proteger das mudanças “climáticas” financeiras? Dinheiro Fiat é um moeda que uma entidade reguladora atribui um valor, de forma a facilitar a transação de bens e serviços. No mundo de hoje, essa entidade é o Governo. Dinheiro Fiat é também conhecido como dinheiro por decreto. São exemplos o Dólar, o Euro e o Real.

 

Qual o grande problema do dinheiro Fiat? Thomas Jefferson, o terceiro presidente dos EUA, afirmou que “o papel moeda é pobreza, são fantasmas do dinheiro, não dinheiro como tal.” Sua definição toma corpo em 2019, quando vários países desconfiam de uma queda do império do dinheiro Fiat. Por isso, muitos países começaram uma busca desenfreada para aumento de suas reservas de ouro. Por outro lado, as reservas de bônus do tesouro estadunidense não param de cair.

 

Os maiores vilões são os bancos centrais. Eles estão injetando bilhões de dólares todos os anos em Wall Street, com juros negativos. Isto explica os fenômenos de empresas deficitárias com altas nas bolsas. Além disso, esta doação de dinheiro está fazendo uma bolha enorme de dívidas crescer. Caso Thomas Jefferson tivesse conhecimento dos juros negativos estaria abismado.

 

As pessoas que viveram nas décadas de 1990 e 2000 lembram que havia um mercado real, onde os preços variavam de acordo com o número real de compradores e vendedores. E que a missão do Federal Reserve não era resgatar bancos com doações de dinheiro. Havia uma competição por capital entre trabalhadores e Wall Street, mas depois de Ronald Reagan “Wall Street” assumiu todo o capital.

 

 

Resultado, há um grupo de bilionários no topo com suas coberturas de luxo e o resto (90%) não tem dinheiro. A ideologia neoliberal vai contra o ser humano por natureza, mas beneficia os bancos. Obama teve o gravíssimo erro de resgatar os bancos, em vez do povo em 2008. E até hoje a forma de resgatar os bancos se fixou como eterno. Outro fator que surge com estas doações a Wall Street e bancos é a corrupção.

 

 

Os maiores bancos norte-americanos participaram de uma conspiração de leilões fraudulentos em todo o país. Foram pegos em flagrante. Você nunca vai ouvir, ler ou ver notícias como essa na mídia corportaiva tipo Globo, Bandeirantes, Record, CNN ou BBC. Você só vai saber que crimes muito piores do que os da máfia foram levados adiantes por Dominick Carollo, Steven Goldberg e Peter Grimm se ler um jornal como o “O Impacto” .

 

O Maior banco do mundo, o JP Morgan, está envolvido em falcatruas sérias com manipulações de preços no mercado. Não vão presos por que eles são os donos da justiça, da mídia e das forças armadas. Isso é um fator dos principais fatores que levará ao colapso do Dólar Fiat.

 

O dinheiro Fiat também vai perdendo poder de compra devido à inflação escondida. Esta inflação vem sido escondida pelos governos de diversas maneiras. Nos EUA, por exemplo, itens da cesta de medição de inflação é substituída para mantê-la baixa. Também, há a inflação por melhoria tecnológica. Um mesmo celular, com uma qualidade de vídeo melhor, passa a ser vendido por um maior valor que não é medido como inflação.

 

Todos estes fatores levam a crer em um declínio do dinheiro Fiat. Então refúgios seguros são procurados. Um deles é o ouro. O ouro já encerra um valor em si mesmo. Quando ocorre desconfiança entre os países e, se desglobalizam, o ouro é sempre a solução. Muitos países europeus, China, Rússia e Índia estão aumentando suas reservas.

 

 

Quais os problemas do ouro como reserva? O ouro é pesado. É de difícil transporte. Necessita de muito custo com segurança para guardá-lo. O valor do ouro também pode ser manipulado. Foi o caso do escândalo dos bancos americanos Merrill Lynch Commodities e Morgan Stanley. Estes bancos pagaram multa de 25 milhões de dólares e estão sendo investigadas pela justiça americana. O mercado dos metais preciosos são manipulados por aqueles que emitem dinheiro. A finalidade é inflar uma divisa falsa como o dólar Fiat.

 

 

Então é aqui que surge uma moeda dura como uma melhor opção. As criptomoedas são vantajosas, pois ao contrário do ouro, a comunidade que usa criptomoedas pode recorrer a sua base de garantia. Uma das garantias é a “Prova de Chaves”. Infelizmente, a prova de chaves não existe para o ouro nem para a prata. Então toda vez que estes metais começam a subir de preço, O ECOMEX, e seus membros, começam a emitir ordens de vendas falsas. Com isso conseguem baixar o preço dos metais.

 

É parecido com o que acontece no Brasil, quando os banqueiros querem aprovada alguma medida política que lhes será vantajosa, mas saquearão riquezas dos trabalhadores. Eles fazem as bolsas subirem, artificialmente, e acionam a mídia (Folha, Globo, Estadão, Bandeirantes, Veja, Record, entre outros). Rapidamente a mídia repete em seus telejornais que “a medida agradou aos mercados”. Depois de aprovada a medida, tudo volta ao normal.

 

Nos EUA, o mercado do metal era manipulada da seguinte forma. Emitiam ordens fraudulentas de contratos de futuros de metais preciosos, e cancelavam antes de sua execução. Com estas operações, os banqueiros roubavam bilhões de fundos de pensão e de investidores comuns. Eles sabem que nunca serão presos, ou terão de devolver o dinheiro dos fundos de pensões e dos investidores comuns. No máximo, pagarão 25 milhões de multas para eles, não é nada. Os reguladores e os órgãos públicos que deveriam coibir estes atos, na verdade, fazem parte de uma mesma máfia.

 

Felizmente, as criptomoedas fazem parte do chamado dinheiro duro que conseguem fugir das manipulações. Manipulações estas, por exemplo, dos bancos Merrill Lynch, Morgan Stanley e de quase todos os bancos de Wall Street. As fraudes de 2008, que levaram milhões de trabalhadores americanos a bancarrota, cometidas pelos bancos americanos poderiam por atrás das grades dezenas de banqueiros.

 

O discurso do congresso americano foi de que não deveriam ser tão duros com os “pobres” banqueiros. Com todos estes problemas das máfias de banqueiros manipulando o mercado e com as bolhas astronômicas de dívidas, parece que a melhor maneira de se proteger de tudo isso é pelas criptomoedas. Elas levam vantagens também na liquidação, no armazenamento, na dificuldade falsificação, na divisibilidade, na portabilidade, na durabilidade e na escassez.

RG15/O Impacto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *