“Para falta de caráter não há remédio!”

‘‘Quer conhecer o homem, dê-lhe o poder”. (PLATÃO)

“Dê o poder ao homem e descobrirá quem realmente ele é”. (MAQUIAVEL)

“Se quiser por à prova o caráter de um homem, dê-lhe o poder”. (ABRAHAM LINCOLN)

Platão, Maquiavel e Lincoln cunharam as frases acima destacadas, talvez, para retratarem alguma experiência pessoal.

Na época dessas manifestações não havia sido descoberta a Serra da Andorinha, nem existia OAB, SUSIPE (ou SEAP, ou qualquer sigla similar). Mas, sem dúvida, as frases encimadas refletem a realidade atual do mandatário ou (indi)gestor do sistema prisional paraense [Jarbas Vasconcelos], considerada pela Advocacia criminal como a pior e mais violenta da história do estado do Pará.

Os advogados paraenses assistem estupefatos à conduta de um déspota. Convivem com medidas impostas por alguém com sérios distúrbios mentais decorrentes da luz do poder ou, como dizem na linguagem popular “ele usa tarja preta”.

É provável que a Psiquiatria (ou a Psicologia) tenha a resposta para todos esses males (o “dele”). Ressentimentos, vingança, inveja são apenas alguns dos sintomas expressados por esse cidadão que não é digno de ter seu nome grafado pela minha caneta “bic” azul. Sim, estou escrevendo de próprio punho. É assim que gosto, foi como aprendi!

A sua “gestão” à frente da SUSIPE (desculpem insistir nessa sigla) tem sido afrontosa às advogadas e aos advogados. Ele foi contaminado pelo vírus da “Secretariozinhozite”, com sintomas semelhantes aos da “Juizite”. E tem perpetrado atos autoritários e ilegais contra a categoria que pertence e a qual, até pouco tempo, representava em âmbito nacional. Por isso, a nossa inquietude. O ápice foi a humilhante revista íntima realizada em duas advogadas, que foram entrevistar seus clientes, fatos inéditos e jamais feitos em nosso estado.

A OAB, as advogadas e advogados paraenses jamais se calarão, ante a essas ilegalidades e absurdos, que violam as prerrogativas profissionais e, sobretudo, a intimidade de profissionais do direito.

Você não é eterno, nunca será!

E, daqui a pouco, a sua existência será ignorada, tal qual a inúmeros outros que lhe antecederam. Seus projetos políticos e pessoais estão fadados ao fracasso. Basta ver a sua impopularidade, ante às várias manifestações ocorridas em frente ao prédio de “sua” Secretaria.

Os advogados e as advogadas paraenses já lhe deram essa dica, quando impuseram “ao seu poste” uma humilhante derrota nas eleições da OAB/PA. E a população de nosso estado já lhe disseram “NÃO” uma vez, a quando de sua candidatura ao Senado.

Venha novamente. Mostre algo de novo ou diferente. Só não vale mostrar detentos capinando o mato da BR-316. Isso não é política. Isso não ganha voto, tá bom?

Você é arrogante, autoritário e a sua autoestima é abaixo de zero. Sem falar no seu caráter que é inexistente. Você faz mau uso do poder e/ou da autoridade que imagina ter. Você não é melhor que ninguém, nunca será! Você não pode mais do que os outros.

Peça para sair, enquanto há tempo. Tenha essa decência.

A função que você exerce nem é tão influente ou representa o poder que você imagina. Quantos ex-dirigentes da SUSIPE estão na vida pública ou influenciam a política do nosso estado? A cigana lhe enganou, lhe disse o contrário.

E mais: os que lhe antecederam, talvez, fossem dotados de bom caráter, mas comentam que isso lhe falta (e muito). E você não encontrará isso em nenhuma DROGARIA, pois, para a falta de caráter, nenhum laboratório inventou remédio, ainda.

Um comentário em ““Para falta de caráter não há remédio!”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *