Pará já tem mais de mil pacientes recuperados de Covid-19

O estado do Pará contabilizou até às 13h de quarta-feira (29), 2.470 casos confirmados de covid-19. Destes, 1.256 estão recuperados, segundo informações da Secretaria de Estado de Saúde (Sespa). Apesar ter iniciado a semana com um número elevado de óbitos, total de 156 (até o fim da manhã de quarta), o índice de recuperados tem mantido a esperança de dias melhores para a população.

Entre os recuperados está o professor de música da Fundação Carlos Gomes, Harley Bichara, 40. “Eu só tenho a agradecer a Deus e ao sistema de saúde pública estadual pela minha recuperação. Precisamos valorizar os profissionais de saúde e de apoio do Hospital de Campanha de Belém, todos foram excelentes, atenciosos e dedicados comigo”, agradece.

O professor começou a apresentar sintomas como moleza e perda do olfato e paladar, no dia 9 de abril e, desde então, ficou isolado em casa. No decorrer dos dias, a dor na garanta e a febre alta surgiram. “Tive febre de 39.6 graus, me sentia fraco, com dor no peito e dificuldade de respirar, por isso procurei a UPA da Sacramenta, que me encaminhou para o Hospital de Campanha de Belém. Foi Deus que me mandou para lá. Fiquei uns dias na UTI e recebi um atendimento de excelência”, afirma.

“No Hospital de Campanha é tudo bem limpo o tempo todo, tudo novo, tudo de qualidade para o nosso conforto. O serviço não para, pacientes chegam a toda a hora. Inclusive eu dei entrada meia noite do dia 13 de abril” – Harley Bichara, músico. Ele teve alta no dia 18 de abril e segue em isolamento, mesmo sem apresentar mais sintomas.

Segundo dados fornecidos pelo Hospital de Campanha de Belém, até às 17h de segunda-feira (27), 193 pacientes estão sendo atendidos, sendo 22 em leitos de Unidade de Tratamento Intensiva (UTI). Ao todo, já foram atendidos 336 pacientes, dos quais 27 foram transferidos e 95 receberam alta.

O técnico em rastreamento veicular, Michel Silva, de 40 anos, hipertenso e ex-fumante, também é um dos pacientes recuperados do novo coronavírus. Michel contou que os primeiros sintomas, como febre e irritação na garganta, começaram no início do mês e persistiram, mesmo após fazer uso de medicação.

“Apresentei falta de ar e passei dois dias internado na UPA da Sacramenta, mas continuava com a respiração muito ruim e fui transferido para o Hospital Abelardo Santos. Fiquei internado em UTI, mas não precisei ser intubado”, conta.

Michel teve alta no último sábado (25) e está com um sentimento de gratidão a Deus e à equipe que cuidou dele para o restabelecimento da sua saúde.

“Só posso agradecer a Deus por ter me dado mais uma oportunidade de vida ao me encaminhar para o Abelardo. As pessoas que trabalham lá salvaram a minha vida. Todos os profissionais eram atenciosos e faziam de tudo por mim, desde os cuidados com a alimentação, os exercícios pulmonares, até tentar me animar e me dar força para lutar pela minha vida” – Michel Silva, técnico de sistema de resfriamento.

O técnico alugou um quarto, após ter alta do hospital, para permanecer em isolamento e proteger a sua família. “Nesse momento, não encontrar as minhas filhas é protegê-las. Fazemos videochamada para matar a saudade. As pessoas precisam entender que o isolamento é muito importante. O trabalho conseguimos recuperar depois, mas a nossa vida é única. Então, peço que quem puder, fique em casa”, alerta.

SANTARÉM E MARABÁ

No último final de semana, os primeiros internados nos Hospitais de Campanha de Santarém e Marabá já deixaram as unidades recuperados. Os pacientes seguem com o tratamento em casa e em isolamento domiciliar.

No Hospital de Campanha de Santarém, o primeiro paciente a ter alta foi Joe Luiz, de 73 anos, que recebeu tratamento e foi liberado no sábado (25). Em Marabá, após seis dias de internação, José Farias foi o primeiro paciente de covid-19 a ter alta no Hospital de Campanha de Marabá. Depois de ser transferido para o HC, ele recebeu tratamento, teve melhora do seu quadro clínico e foi liberado.

De um modo geral, o novo coronavírus causa, na maioria das vezes, sintomatologia leve, sem necessidade de internação. Porém, em pessoas pertencentes a grupos de riscos, com comorbidades ou imunodeprimidos, ou mesmo pessoas que simplesmente apresentam evolução mais grave do quadro, é preciso internar para monitorar.

“A terapia intensiva é um setor crítico e recebe pacientes mais graves, sendo uma doença bastante agressiva em certas pessoas, então é difícil prever os desfechos. Mas temos tido sucesso no tratamento com bom número de altas hospitalares”, atesta Luane Beltrão.

BOLETIM SANTARÉM

A Prefeitura de Santarém, em nova atualização do boletim da Covid-19, na terça-feira (28), informou que há 70 casos confirmados no município. Existem 17 pessoas recuperadas, 06 óbitos, 75 resultados negativos, 51 análises, e 547 notificados/monitorados.

Com profundo pesar, a Prefeitura informa mais um óbito pela Covid-19 no município. Um homem de 74 anos, de uma comunidade ribeirinha. Ele deu entrada na UPA 24h no dia 22 de abril, apresentando sintomas de Covid-19, foi feito coleta de material para exames e o paciente encaminhado para o Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRBA). O paciente não resistiu indo a óbito no dia 24 de abril.

Além do óbito, o boletim confirma outros 16 casos. Sendo 09 mulheres de 36, 37, 38, 38, 39, 43, 49, 71 e 75 anos; e 07 homens de 43, 43, 44, 53, 60, 73 e 83 anos.

A Prefeitura informa ainda que dos 70 casos confirmados de Covid-19 (65 pelo Lacen/Pa e 5 por testes rápidos), 6 são óbitos; 17 estão recuperados; 6 estão na clínica do HRBA e 5 na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) do mesmo hospital. Outros 36 pacientes estão em isolamento domiciliar.

A Prefeitura reforça que o isolamento social, as medidas de higiene e de etiqueta social são fundamentais no combate ao novo coronavírus.

A Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) passou a ter acesso ao sistema de confirmação e monitoramento de dados e informa que divulgará seus boletins diários após a divulgação da Sespa. A atualização ocorreu às 19h de 28.04.2020.

Tanto para os casos confirmados quanto para os casos suspeitos e notificados/monitorados, a Semsa tem uma equipe de referência técnica para o acompanhamento diário dos pacientes. Cada profissional de saúde está responsável por zonas da área urbana, além das regiões de Rios e Planalto.

Da Redação com informações do Governo do Estado do Pará

RG 15 / O Impacto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *