Artigo – A Lua é uma Dura Senhora

Por Oswaldo Bezerra

Caso você trabalhe para uma empresa que tenha a melhor gestão, que uma administração pode oferecer, caso esta empresa consiga entregar o melhor produto do mundo, com a melhor tecnologia e com o menor custo, não necessariamente, você se pode considerar um profissional em ambiente confortável. Pois, se a demanda para o seu produto deixar de existir, você como dono da empresa estará falido; como empregado, será demitido.

No início da pandemia causada pelo coronavírus o impacto sobre a economia chinesa foi tão devastadora (queda de dois dígitos nos três principais índices chineses: produção industrial, vendas no varejo e investimentos em ativos fixos). Caíram por dois dígitos.

Por isso as autoridades iranianas, na época apenas os dois países sofriam com a doença, apostavam que se tratava de uma arma biológica desferida pelos EUA e Israel. Quando ela se espalhou pela Itália, ainda assim, se desconfiava de uma bioarma, afinal a Itália acordou com a China a sua entrada na rota da seda.

O governo chinês trabalhou duro com criação de hospitais em poucos dias e manutenção de isolamento. Hoje podemos dizer que a China se livrou da pandemia e já há vários dias em que o país da seda não tem mais nenhuma baixa por covid-19.

Com toda sua indústria recuperada e pronta para voltar aos trilhos, a nova locomotiva da economia mundial enfrenta o pior dos problemas. Não há demanda mundial. Sem demanda não se pode vender, produzir, gerar renda e garantir empregos.

Os EUA nunca viram algo assim. Na quinta-feira passada, foi anunciado que mais 3,8 milhões de americanos perderam seus empregos na última semana. O tsunami de perda de emprego continua a crescer e, nesse momento, já soma um total de 30,3 milhões de norte americanos.

Atualmente, cerca de 30,3 milhões de pessoas pediram ajuda sem emprego nas seis semanas desde que o surto de coronavírus começou a forçar milhões de empregadores a fecharem suas portas e reduzirem a força de trabalho. É de longe a pior série de demissões já registrada na história dos gringos.

De acordo com números do “Federal Reserve”, mais de 152 milhões de americanos estavam trabalhando em fevereiro, e esse foi o recorde do país. Portanto, perder 30,3 milhões de empregos em seis semanas significa que um quinto de todos os empregos nos Estados Unidos desapareceu oficialmente em apenas um mês e meio.

Tudo pode ser do que isso, porque milhões de americanos ainda conseguiram registrar com êxito as reivindicações, porque os sites estatais do desemprego estão sobrecarregados. Basta verificar esses números verdadeiramente alarmantes do Instituto de Política Econômica que constatou que, para cada 10 pessoas que declararam desemprego com sucesso nas quatro semanas anteriores, quatro tentaram se inscrever, mas não conseguiram devido à sobrecarga nos sites.

Além disso, outras duas pessoas nem se deram ao trabalho de tentar, porque parecia muito difícil. Os sites estatais de desemprego nunca foram projetados para lidar com esse tipo de demanda. Para os norte americanos desempregados, tentar obter os benefícios que será uma experiência extremamente frustrante.

No Brasil estamos seguindo pelo mesmo caminho dos Estados Unidos. Em Fortaleza as notícias de demissões não param de circular. Hoje um contador, que estava consertando seu celular  em uma loja que burlava o confinamento, confessou que todas as empresas que prestava serviços estavam ruins das pernas antes mesmo da pandemia. Após a pandemia, demitiram todos seus funcionários e deverão abrir falência. Sua preocupação era que seu celular virou meio de vida, por vendas na internet, já que como contador talvez não mais recebesse por seus serviços de para piorar sua esposa havia sido demitida.

Nos EUA, um senhor recentemente demitido sentou-se em frente ao seu computador, na terça-feira, e tentou se registrar no Departamento do Trabalho de Maryland, para estender seu seguro-desemprego. Às 9h30, ela era o número 88.000 na fila, de acordo com o site trabalhista do estado.

Além do desemprego as vendas no varejo despencaram. Por exemplo, projeta-se  que as vendas de automóveis nos EUA caiam mais da metade em comparação com abril do ano passado. Este é o mês de menor volume de vendas que remonta a pelo menos 1990; pior até que na crise de 2008.

A empresa de roupas J. Crew está se preparando para um pedido de falência que pode ocorrer no final de semana. A J. Crew, de capital fechado, está trabalhando para garantir US$ 400 milhões só em financiamento para operações de falência.

O COVID-19 criou um ambiente de medo e, as instituições financeiras restringem o fluxo de crédito nesse ambiente. Isso aconteceu durante a última crise financeira e está começando a acontecer novamente agora. Em toda a América, as condições de empréstimos ficarem muito mais rígidas e a Wall Fargo acaba de anunciar que não aceitarão mais pedidos de linhas de crédito para compra de imóveis por causa da incerteza ligada à pandemia de coronavírus.

Todo o nosso sistema depende de crédito fácil, e essas condições variáveis criarão um caos para o futuro próximo. Os americanos vão ter mais dificuldade para aprovar empréstimos para habitação, empréstimos para automóveis e cartões de crédito, e isso vai deprimir ainda mais a atividade econômica. O medo também está afetando profundamente os consumidores dos EUA e, neste momento, eles estão acumulando dinheiro em um ritmo que remonta os anos de 1980.

O Bureau de Análise Econômica do governo dos Estados Unidos informou quinta-feira que a taxa de poupança subiu para 13,1% em março, acima dos 8% em fevereiro. Existem dezenas de milhões de americanos que já gastaram suas economias e não podem acumular dinheiro porque não têm mais. De acordo com uma nova pesquisa, muitos desses americanos agora se veem incapazes de pagar o aluguel, a hipoteca ou as contas de serviços públicos.

Aproximadamente, 41% dos adultos em idade de trabalhar dizem que suas famílias sofreram uma perda de emprego, uma diminuição nas horas de trabalho ou outras reduções de renda relacionadas ao emprego nas últimas semanas. De acordo com uma nova análise do Urban Institute. A angústia financeira em todo o país demonstra que 4 em cada 10 americanos, cujo trabalho foi afetado pela pandemia, disseram que não serão capazes de pagar o aluguel, a hipoteca ou as contas de serviços públicos, ou a assistência médica, pois corriam o risco de passar fome.

O COVID-19 acabou sendo a agulha que estourou a bolha econômica alimentada por dívidas que tanto falamos aqui no Jornal O Impacto. Essa depressão econômica não terminaria mesmo se a pandemia de coronavírus desaparecesse de repente agora. Os dominós econômicos estão caindo. Todo o momento econômico está nos levando em apenas uma direção, e ninguém será capaz de reverter esse processo.

É apenas uma questão de tempo até que “grandes distúrbios civis” comecem. Hoje um grupo armado tomou posse do parlamento de Michigan. A economia alimentada por dívidas e nosso sistema financeiro do “Esquema Ponzi”, que não é sustentável a longo prazo. Muitos economistas alertavam há anos que o mundo enfrentaria este cenário.

A vontade agora era poder dizer que tudo vai ficar bem e os líderes serão capazes de consertar nossa economia destruída, mas não podemos. Não existe almoço grátis, como bem explicado na obra de 1966, do escritor Robert A. Heinlein cujo título era “A Lua é uma dura senhora”.

 

RG 15 / O Impacto

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *