“Ao invés dos ‘cuzões’ e ‘arrombados do caralho’, podia bem ter ensinado a respeitarem a distância segura”, diz Dr. Alvarenga sobre vídeo em que João Alho usa palavrões sobre descumprimento do isolamento social

Em meio à pandemia, nesta semana os santarenos presenciaram nas redes sociais um vídeo em que o médico João Alho critica as pessoas que querem o fim do isolamento social. No entanto, chocou à população, a forma que se expressou, utilizando palavrões.

“Lockdowns começam a serem decretados Brasil a fora. E a necessidade deles não é culpa dos governadores ou dos prefeitos. É culpa sua seu ‘arrombado do caralho’ que não respeitou a quarentena. Então ‘cuzão’, quanto mais você ficou esperneando aí, para não fechar comércio, etc e tal, mais tempo vai ficar fechado a ‘porra’ do comércio por culpa tua; a economia vai se ferrar por culpa tua, entendeu? Você é o culpado, você faz parte do problema”, disse Alho no vídeo.

A repercussão da fala foi imediata, suscitando indignação em muitos internautas, em especial entre a classe médica. Em texto publicado nas redes sociais, o médico Manuel Alvarenga, retrucou a mensagem.

“Aqui pensando! Ao chamar de ‘arrombado do caralho’ e ‘cuzão’ para quem não pode ficar em casa e teve que ir trabalhar (pois não tem dinheiro para comprar comida, nem é de família rica), o nobre colega sem pensar, chamou os pacientes que estão entubados lutando pela vida e sob seus cuidados, da mesma coisa (bando de cuzão e arrombados do caralho). Os mesmos pacientes que diz chorar por eles no final do plantão. Afinal essas pessoas não devem ter pegado o vírus dentro de casa. Hoje já sabemos que o vírus está na comunidade e os que estão em casa também não estão seguros, mas antes não. Ser criado só na riqueza tem esse problema, não conhecer o outro lado. O lado do estivador, o lado da vendedora de churrasquinho, do camelô, do mototaxista, que deve, claro, usar máscara, passar álcool gel etc… Pessoas essas que vendem algo e compram não uma passagem para o caribe ou um Tour pela Europa, mas sim, alguns ovos para o almoço da família sem saber se vai ter para o jantar. Meu filho, diferente de mim que conheci a pobreza, conhece a riqueza, mas tento lhe mostrar sempre os dois lados para que não seja um alienado e conheça o mundo real e rezo para que um dia, quando adulto, tenha bom senso. Declarações desse tipo, tão criticadas pelo próprio colega quando se trata de seus desafetos políticos não servem para eles que tudo podem. Fico imaginando essas palavras proferidas pela boca de um médico alinhado a direita. Existem tantas formas de se orientar a população, que é leiga não porque quer, mas sim, porque às vezes não teve oportunidade de aprender”.

Para Alvarenga, o papel de orientar como usar os EPIs, as máscaras, por exemplo, seria um bom caminho, “sabia que a maioria das contaminações em profissionais de saúde são devido o uso incorreto desses equipamentos? Ao invés dos ‘cuzões’ e ‘arrombados do caralho’ podia bem ter ensinado a respeitarem a distância segura. Mas como diz minha tia Fleurice: ‘- cada um só pode dar aquilo que tem’, e ao ver, retrospectivamente suas publicações, vejo que o interesse político fala mais alto”, conclui.

RG 15 / O Impacto

 

5 comentários em ““Ao invés dos ‘cuzões’ e ‘arrombados do caralho’, podia bem ter ensinado a respeitarem a distância segura”, diz Dr. Alvarenga sobre vídeo em que João Alho usa palavrões sobre descumprimento do isolamento social

  • 9 de maio de 2020 em 10:42
    Permalink

    O doutor Alvarenga está de óculos.

    Resposta
  • 8 de maio de 2020 em 19:05
    Permalink

    Sabe quando a pessoa fala tudo oq a gente quer falar mas o talento nos falta…Poise esse doutor alvarenga fez isso por mim hoje

    Resposta
  • 8 de maio de 2020 em 18:09
    Permalink

    Tem que dizer quem é quem não foto

    Resposta
  • 8 de maio de 2020 em 16:15
    Permalink

    Que coisa mais feia a briga . Nesse tempo de pandemia, os médicos devem procurar salvar vidas e não brigarem por política.
    E esse palavreado desse João Alho, Deus do Céu.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *