Artigo – Estaremos na mesa de discussões com as outras 4 potências mundiais como participantes, ou faremos parte do cardápio?

Por Oswaldo Bezerra

Depois da reconfiguração pós-pandemia, sentaremos a mesa de discussões com as outras 4 potências naturais do mundo ou continuaremos apenas como parte do cardápio? São diferentes etapas que a pandemia evolui em regiões ou países. Hoje, enquanto alguns começam sua recuperação, outros vislumbram que a catástrofe está apenas começando. A solução para a crise não é fácil. O que nossos países estão fazendo para sair disso?

A crise da pandemia atinge de cheio a América Latina por vários meses. Atinge também todos os outros continentes. A verdade é que muitos governos não puderam ou não quiseram se preparar, apesar de sua chegada ser dada como certa.

Hoje a América Latina é o novo epicentro global do coronavírus, tendo como carro chefe o Brasil. Outras regiões do mundo já levantam restrições internas, algumas com mais cautela do que outras. O fim é o mesmo, é lutar para iniciar a recuperação o mais rápido possível.

Claro que nada será o mesmo de antes. Muitas mudanças, não apenas porque a ameaça do vírus permanecerá latente, mas também porque diferentes forças políticas, financeiras e comerciais do mundo tentarão tirar proveito da nova realidade e ganhar terreno. Faz parte da característica humana.

Segundo a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (Unctad), o comércio mundial será afetado no segundo trimestre do ano, com uma redução trimestral estimada de 27%. As estimativas da OMC de recuperação para 2021 é incerta. Os resultados dependerão em grande parte da duração do surto e da eficácia das respostas governamentais.

Enquanto a gigante asiática China anunciou que as grandes plantas industriais reiniciaram sua produção em 99%, após controle da situação epidemiológica, a média do retorno das pessoas ao trabalho é de 95,4%.

Na América Latina a realidade é bem diferente. Por exemplo, no México, o valor das exportações caiu 41% à taxa anual, foi o pior declínio em 34 anos, segundo o relatório do Instituto Nacional de Estatística e Geografia do país. O Brasil sofreu uma queda de 20%

Países como a Nova Zelândia, que decretaram bloquieo total antes mesmo da primeira morte, já estão a pleno vapor. A Europa também já se prepara para a pós-pandemia. Os europeus pensam em novo Plano Marshall para recuperar e garantir o bem-estar de seus cidadãos, e nestas semanas discutem o plano de recuperação.

Neste curto, mas intenso e sangrento período de pandemia, nenhuma atitude de solidariedade foi vislumbrada na União Europeia. Houve até apreensões de legalidade duvidosa entre eles. Portanto, parece inútil esperar mais cooperação ou altruísmo.

Por sua vez, os Estados Unidos estabeleceram um fundo de dois trilhões de dólares para resposta interna à emergência, e a China informou que alocará dois bilhões de dólares ao longo de dois anos para os países afetados e estimulará a cooperação internacional contra o país. COVID-19.

Em uma análise mais profunda, a revisão das ações dos países sugere que os novos planos para enfrentar o estágio pós-COVID-19 implicarão um agravamento dos obstáculos ao comércio. Até hoje, os estados tendem a fechar suas fronteiras e aumentam as restrições ao comércio. O protecionismo é renovado e isso não mudará.

Diante disso, o que faremos? Esperar que outros nos imponham as regras do comércio e as formas de receber cooperação? Quem garantirá a segurança alimentar dos cidadãos? A estagnação do comércio internacional leva à desmobilização dos fatores da economia, ou seja, menor demanda por mão de obra, suprimentos e produtos. Isso faz parte da imagem que devemos enfrentar.

Todos os países do mundo estão preocupados com a recuperação de seus mercados internos e isso certamente levará a políticas de substituição de importações para criar oferta nacional. Devemos acrescentar que países importadores farão uso de mecanismos protecionistas sanitários e fitossanitários contra matérias-primas agro-alimentares e alimentos derivados, levantando assim barreiras tarifárias que colocam em risco amplo setores produtivos.

Espera-se que a ameaça persistente do COVID-19 leve a mudanças nos padrões comerciais, tornando-os mais rígidos e complicados, o que afetará as exportações latino-americanos para a Europa, Ásia e EUA.

Todos os setores foram afetados pela pandemia, mas o setor de produção de alimentos merece uma abordagem especial. Se medidas de reativação imediata não forem tomadas, isso poderá ser devastador para qualquer país. A ONU já adverte que a queda econômica mundial pode provocar uma “pandemia da fome”. A segurança alimentar é garantida através do reforço da produção de alimentos de origem de pequenos e médios agricultores, os menos incentivados pelos governos.

A América Latina não é exatamente pioneira nos setores vencedores, como resultado da pandemia. Especificamente, o setor de telesserviços, gerenciamento de fluxo de dados, empresas farmacêuticas, pesquisa em saúde, laboratórios, fábricas de entrada de bioproteção. Por esse motivo, deve revigorar seus pontos fortes e promover aqueles em que manquitola. Nos últimos anos o Brasil foi na contramão. Detruímos nossa indústria e setores produtivos, vendeu seus ativos em uma operação, que segundo revelações da “Vaza Jato”, teve orienteção de países estrangeiros.

A tarefa dos governos é colossal. Recuperar empregos não será fácil. O problema é que o tecido produtivo incipiente e principalmente informal foi profundamente afetado. No Brasil, desde a operação Lava Jato em conjunto com a pandemia, perdemos cerca de 12 milhões de empregos.

Não conseguiremos sair sozinhos desta crise. Deve haver cooperação e coordenação. Restaurar e melhorar o comércio intra-regional na América Latina será vital. Alianças sub-regionais devem desempenhar um papel maior. O direcionamento governamental do Brasil em se tornar subalterno dos EUA deve ser abandonada.

Em nossa região, existem iniciativas importantes. Um deles é o movimento para obter o cancelamento da dívida. É um bom começo, mas isso não é suficiente. Por outro lado, quem hoje tem capacidade de estar próximo de seus governos e levá-los a adotar medidas a seu favor?

Certamente agora, em toda administração governamental, há um punhado de empresários soprando no ouvido dos governantes. Não é o caso da massa trabalhadora, invisível pelas estatísticas, que hoje está com fome e é reprimida nas ruas porque sai à procura de pão diário. Isso sugere que a luta por seus direitos são ainda mais difícil. No Brasil, os direitos trabalhistas e previdenciário são cada vez mais restringidos a esta classe.

Uma concentração maior de poder em poucas mãos significarão que o empobrecimento se aprofundará, fazendo com o que a recuperação leve décadas. Enquanto isso, os governos continuam a tomar empréstimos e suas reservas estão se esvaziando. Só em um evento para conter alta do dólar, o governo gastou 10% de nossas reservas cambiais.

A luta para sustentar a economia real (formal e informal) será vital, pois se trata de defender os meios de subsistência das pessoas, e não apenas sustentar as estatísticas. Não há como escapar, as pessoas não poderão mais migrar para procurar trabalho em outros continentes e subsidiar essas economias com seu trabalho e também sustentar economias em seus países com remessas.

É difícil ver um breve acordo global na ONU contra o empobrecimento, que o coronavírus nos traz e a ineptidão de governos. A resposta regional deve ganhar força, alianças com outras regiões igualmente desfavorecidas desempenharão um papel importante.

A OMC, o FMI, o Banco Mundial e a própria OMS estão contaminados pelo alto lobby de empresas multinacionais. É por isso que nosso país deve ir a essas instâncias junto com nossos blocos. Caso contrário, seremos mais periféricos do que já somos. Ou assistiremos imóveis o G7 assumir as rédeas do governo mundial?

Dizem que estamos em um ponto de virada para algo novo, que esta é uma crise do sistema. É verdade, mas o sistema injusto de exploração internacional e divisão do trabalho não desaparecerá automaticamente. Ele ainda tem muita força para se reinventar e ser ainda mais cruel.

É ilusório e errado pensar que as forças do mercado podem alcançar soluções favoráveis ​​aos países. Além disso, empresas privadas, incluindo grandes empresas transnacionais e o setor financeiro em particular, já estão se beneficiando dos Estados com uma série de medidas para evitar a falência com injeções de trilhões de dólares.

Agora os poderosos setores financeiros, industriais e tecnológicos usam o pai do Estado, e o governo em particular como administrador para se beneficiar de subsídios, perdões, isenções, etc. Por outro lado, o governo concede algumas migalhas ao restante da população na forma de auxílio emergencial ou subsídios.

É difícil dizer como o mundo se recuperará após a pandemia. A certeza é que quem não está sentado à mesa de negociações é porque faz parte do cardápio.

RG15/O Impacto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *