Roberto Jefferson, empresário e blogueiro são alvos da PF em inquérito de fake news

Por ordem do ministro Alexandre de Moraes, a Polícia Federal (PF) cumpre mandados de buscas e apreensões, nesta quarta-feira (27/5), no âmbito do inquérito que apura fake news contra o Supremo Tribunal Federal (STF).

Estão sendo cumpridas 29 ordens judiciais no Distrito Federal, no Rio de Janeiro, em São Paulo, em Mato Grosso, no Paraná e em Santa Catarina. A corporação não passou mais detalhes da operação. Não há mandados de prisões.

Mas o Correio apurou que entre os alvos das ações da Polícia Federal estão o blogueiro Allan dos Santos, o presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, o deputado estadual Douglas Garcia (PSL/SP) e o empresário Luciano Hang. Todos são aliados do presidente Jair Bolsonaro.

A investigação 

O inquérito foi aberto em 14 de março do ano passado pelo presidente da Corte, Dias Toffoli. Na ocasião, o ministro não citou os nomes de investigados, decretou sigilo de Justiça no caso e disse que “seriam investigados ataques à Corte e aos seus integrantes”. A abertura de investigação gerou polêmica.

O jornal O Estado de S. Paulo apurou que, recentemente, doze perfis com prática sistemática de ataques STF nas redes sociais já foram mapeados pelo inquérito. A investigação corre sob sigilo e deve ser concluída ainda neste semestre, quando seguirá para o Ministério Público.

No âmbito do inquérito, Alexandre de Moraes também cobrou, nessa terça-feira (27/5), explicações do ministro da Educação, Abraham Weintraub sobre a declaração feita na reunião de 22 de abril, quando Weintraub afirmou que, por ele, “botava esses vagabundos todos na cadeia”, “começando no STF”. O titular do Ministério da Educação terá agora cinco dias para prestar depoimento à Polícia Federal.

Fonte: Correio Braziliense

Imagem: Arquivo/Agência Brasil

Um comentário em “Roberto Jefferson, empresário e blogueiro são alvos da PF em inquérito de fake news

  • 27 de maio de 2020 em 22:45
    Permalink

    Agora temos os incriticáveis do STF, como se cumprissem à risca suas obrigações, não fossem partidários ideológicos e não se esquivassem de determinadas apurações, que certamente trariam à tona os envolvidos em crimes, que desnudariam a proteção que determinados líderes usufruem junto à justiça ! Vergonhoso !!!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *