Feder recusa convite de Bolsonaro para chefiar Ministério da Educação

O secretário de Educação do Paraná, Renato Feder, afirmou neste domingo (5/7) que decidiu recusar o convite feito pelo presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), para assumir a chefia do Ministério da Educação.

Após o nome dele ter sido dado como certo nos bastidores do Palácio do Planalto, Bolsonaro passou a sofrer forte pressão para rever a indicação.

Feder afirma que não assumirá o cargo por decisão própria e deu detalhes do contato feito por Bolsonaro. Disse ainda que manterá o trabalho desenvolvido no Paraná.

“Recebi na noite da última quinta-feira uma ligação do presidente Jair Bolsonaro me convidando para ser ministro da Educação. Fiquei muito honrado com o convite, que coroa o bom trabalho feito por 90 mil profissionais da Educação do Paraná. Agradeço, mas declino do convite recebido. Sigo com o projeto no Paraná”, escreveu.

 

Entenda

Desde a saída de Abraham Weintraub, Feder estava cotado à chefia da pasta, mas perdeu o posto para Carlos Decotelli, que pediu demissão por polêmica do currículo. Este seria o quarto nome a assumir o MEC desde o início do mandato Bolsonaro.

Em 2016, Feder foi denunciado por sonegação fiscal e responde a processo milionário na Justiça de São Paulo, que corre em sigilo.

Na época, ele e o sócio, Alexandre Ostrowiecki, administradores da Multilaser, foram denunciados pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), por meio da Coordenadoria de Combate à Sonegação Fiscal (Coesf), por fraude de R$ 3,2 milhões em Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

Após o anúncio do nome como principal cotado para o comando da Educação, a ala militar passou a pressionar Bolsonaro para desistir da indicação.

Fonte: Portal Metrópoles
Imagem: Secretária da Educação e do Esporte do Paraná

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *