Artigo – Estamos testemunhando o nascimento de um oceano

Por Oswaldo Bezerra

Caso um passarinho fosse afiar seu bico em uma montanha de rocha, uma vez por dia, quando a montanha tiver sido totalmente desgastada, então, um único segundo terá se passado no “Tempo Geológico”. Não foi bem isso que falou Hendrik Van Loon, mas o que ele quis demonstrar é o gigantismo deste tempo. Por isso, quando olhamos o mundo vemos apenas uma fotografia dele, já que nosso tempo na terra é muito curto.

Com base em novas medições de satélites, os geofísicos prevêem a formação de um novo oceano na África Oriental, um dos lugares geologicamente únicos do planeta. O nascimento será da mesma maneira que ocorreu no meio de um continente que se dividiu em dois (África e América) gerando o oceano atlântico.

A crosta terrestre é composta por uma dúzia de grandes placas tectônicas, que constantemente esmagam, sobem, deslizam ou se separam.

Nos últimos 30 milhões de anos, a chapa árabe está se afastando da África, um processo que já criou o Mar Vermelho e o Golfo de Aden. A placa da Somália, da África Oriental, também está se afastando da placa da Núbia, se espalhando ao longo do Grande Vale do Rift, que se estende pela Etiópia e Quênia.

Dessa maneira, três placas tectônicas estão se afastando muito lentamente uma da outra. Esse complexo processo geológico acabará vai dividir a África em duas partes e criando uma nova bacia oceânica em cerca de cinco a 10 milhões de anos, dizem os geólogos.

A linha de separação está localizada na região Afar da África Oriental, em um dos lugares mais quentes do planeta.

Por enquanto, a evidência mais óbvia é uma rachadura de 56 quilômetros de comprimento no deserto da Etiópia, inaugurada em 2005. A rachadura que se formou em apenas alguns dias seria equivalente a várias centenas de anos de movimento das placas tectônicas, disse Cynthia Ebinger, geofísica da Universidade de Tulane, em Nova Orleans, citado pela NBCnews.

Os geólogos estudaram dados de satélite e GPS e conseguiram calcular como o solo se move ao longo do tempo com precisão até alguns milímetros por ano.

Cada limite de placa na região Afar está se estendendo em velocidades diferentes, variando de cinco a 25 milímetros por ano. No entanto, as forças combinadas dessas placas de separação criam o que é conhecido como sistema de crista no meio do oceano, onde um novo oceano acabará se formando.

“O Golfo de Áden e o Mar Vermelho inundarão a região de Afar e o Grande Vale do Rift da África Oriental, se tornarão um novo oceano, e essa parte da África Oriental se tornará um pequeno continente separado”, previu Ken Macdonald, geofísico marinho e professor emérito da Universidade da Califórnia, Santa Barbara.

À medida que as placas se separam, o material das profundezas da Terra se move em direção à superfície e forma uma crosta oceânica nas cordilheiras.

Podemos ver que a crosta oceânica está começando a se formar, porque é claramente diferente em composição e densidade da crosta continental. É o único lugar na Terra onde você pode estudar como a fenda continental se transforma em uma fenda oceânica.

RG 15 / O Impacto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *