Corpo de fotógrafo é encontrado dentro de poço em Parauapebas

O Instituto Médico Legal de Parauapebas confirmou ser de Edivaldo Souza Nascimento, de 49 anos, o corpo encontrado dentro de um poço na tarde de quarta-feira (9), no Bairro Populares II. O topógrafo estava desaparecido desde a segunda-feira (7), feriado de Independência.

De acordo com o sargento Carias, da Polícia Militar, após o desaparecimento do homem ser comunicado pelos familiares foram iniciadas buscas para tentar localizá-lo. A última informação sobre o paradeiro apontava que Edivaldo havia sido visto ainda na segunda em um balneário na Palmares II, por volta das 16 horas.

“Localizamos um corpo em um poço de uma residência e identificamos que é ele. Deve ter se envolvido com alguém nesse banho, vindo beber e aqui foi cometido latrocínio; mataram ele, enrolaram o corpo, ocultaram e levaram o veículo”, declarou o policial. O automóvel de Edivaldo, um Volkswagen Gol de cor prata e placas NSL-3843, ainda não foi localizado.

O veículo, entretanto, foi visto no local onde o corpo foi encontrado. Um morador do bairro, que preferiu manter a identificação em sigilo, contou ao Correio de Carajás ter visto um automóvel semelhante no bairro.

Ele conta que estava em casa, na segunda-feira, quando viu um Gol prata chegando. Nele estavam um jovem de boné e duas meninas jovens. Os três desceram do carro e este permaneceu o resto do dia e parte da noite estacionado. “Quando foi pra terça, de madrugada, umas 2 horas, eu vi esse carro saindo e indo embora”, relata.

Ele acrescenta que o jovem dirigia, uma das garotas estava no banco da frente e a outra no banco de trás. Os três estavam com as roupas úmidas. “Estavam molhados, como se tivessem saído de um balneário”, declarou. A identificação oficial do cadáver foi feita pelo Instituto Médico Legal (IML).

Na manhã de ontem, o filho de Edivaldo, William Nascimento, havia relatado ao Correio de Carajás que o pai saiu da casa, no Bairro Alto Bonito, às 9 horas de segunda, em direção ao Bairro Cidade Nova, onde pagaria uma conta em um supermercado. William registrou Boletim de Ocorrência na Polícia Civil.

Quando o cadáver foi localizado, ele estava amordaçado. Os criminosos usaram uma corda para descer o corpo da vítima no poço. Provavelmente não quiseram jogá-lo para não fazer barulho. (Luciana Marschall e Ronaldo Modesto)

Fonte: Correio de Carajás

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *