Artigo – Você dorme pouco? Tenho más notícias para você

Por Oswaldo Bezerra

O sono é tão importante para a vida dos animais quanto água ou oxigênio. Qual é o motivo disso? Um novo estudo encontrou a resposta para esta importante questão. As principais teorias, sobre o assunto, sugeriam que o sono desempenha um papel importante na reparação organizadora do nosso cérebro.

Um novo estudo, publicado na revista “Science Advances” , sugere que o sono, na verdade, tem funções diferentes dependendo até da idade do corpo. Estas pesquisas descobriram que por volta dos dois anos e meio de idade há uma mudança drástica no propósito do sono em nosso corpo.

É surpreendente como é grande essa mudança e como ocorre em um curto período de tempo. Elas ocorrem quando somos bem jovens. É uma transição que é análoga à mudança da água quando congela e vira gelo.

Desde que nascemos, nosso cérebro cresce muito rapidamente. Durante o sono de movimento rápido dos olhos, conhecido pela sigla em inglês REM, o cérebro constrói e fortalece as sinapses, as estruturas que conectam os neurônios entre si e permitem que eles se comuniquem.

Porém, depois de dois anos e meio, o propósito principal do sono deixa de ser a construção do cérebro, para ser de manutenção e reparo, funções que ele desempenha para o resto de nossas vidas.

Todos os animais experimentam, naturalmente, certa quantidade de dano neurológico durante suas horas de vigília. Os produtos residuais resultantes de tal processo, incluindo genes e proteínas danificados dentro dos neurônios, podem se acumular e causar doenças cerebrais. O sono em adultos também ajuda a reparar esses danos e a limpar esses resíduos.

Ao analisar dados de mais de 60 diferentes estudos, os cientistas detectaram um padrão consistente. Todas as espécies de mamíferos estudadas mostraram uma diminuição dramática no sono REM quando atingiram a idade equivalente a, aproximadamente, dois anos e meio no desenvolvimento humano. A duração da fase do movimento rápido dos olhos antes e depois desse ponto é muito semelhante, seja em humanos, coelhos ou ratos.

Enquanto os recém-nascidos passam cerca de 50% do tempo de sono na fase REM, aos 10 anos esse número cai para 25% e continua diminuindo com o passar dos anos. Adultos com mais de 50 anos diminui para 15% do tempo dormindo em REM.

A queda significativa no sono de movimento rápido dos olhos, na idade aproximada de 2 anos e meio, ocorre exatamente quando durante a maior mudança na função do sono.

A falta crônica de sono contribui para problemas de saúde de longo prazo, como demência e outros distúrbios cognitivos, diabetes e obesidade, entre outros. Por isso, quando começar a se sentir cansado, não lute, solte o celular, desligue o computador e a televisão, e vá para a cama.

Uma vez consultado sobre sua longevidade, o homem que mais tempo viveu no mundo, Li Ching, citou o sono como um dos fatores. Ele disse: “Mantenha o coração tranquilo, sente-se como uma tartaruga, caminhe alegre como um pombo e durma como um cachorro”.

RG15/O Impacto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *