Artigo – A corrida para a emissão zero

Por Oswaldo Bezerra

No Acordo de Paris, 195 países se comprometeram a manter o aumento da temperatura média global abaixo de 2°C em relação aos níveis pré-industriais, para evitar as mudanças climáticas. Os países precisam reduzir a quantidade de gases de efeito estufa (GEE) que liberam na atmosfera.

Enquanto os Estados Unidos se preparam para uma correção radical de curso sobre a mudança climática, a China pretende seguir um curso gradual. A ação climática tornou-se mais uma frente na competição entre as duas maiores economias do mundo.

Quem vai cruzar primeiro a linha de chegada de emissões líquidas zero? O presidente eleito dos EUA, Joe Biden, declarou que os Estados Unidos retornarão ao Acordo de Paris já no seu primeiro dia de mandato e prometeu colocar os esforços de redução de emissões e empregos de energia limpa no centro da formulação de políticas econômicas de seu governo, com o objetivo de atingir emissões líquidas zero no mais tardar em 2050.

Para liderar o progresso, ele criou um Escritório de Política Climática da Casa Branca e nomeou uma equipe de profissionais experientes para cargos importantes. O ex-secretário de Estado John Kerry, por exemplo, servirá como enviado internacional para as mudanças climáticas.

Da mesma forma, o presidente chinês Xi Jinping prometeu alcançar a neutralidade de carbono antes de 2060. Além disso, na recente Cúpula da Ambição do Clima, Xi prometeu reduzir as emissões de dióxido de carbono da China em “pelo menos” 65 por cento dos níveis de 2005 até 2030.

Os custos econômicos para atingir essas metas não seriam exorbitantes. A Comissão de Transições de Energia estima que a China possa alcançar uma economia de carbono zero até 2050 a um custo de menos de 0,6% do PIB. Os Estados Unidos poderiam ter sucesso a um custo de apenas 0,4% do PIB, de acordo com a Rede de Soluções de Desenvolvimento Sustentável.

Mesmo que os EUA e a China estejam rumando para a mesma linha de chegada, eles provavelmente seguirão caminhos bem diferentes. Por exemplo, dada sua vasta e rica experiência em reflorestamento, a China provavelmente se concentrará mais no sequestro natural de carbono do que os EUA.

Seus líderes já prometeram aumentar a cobertura florestal do país em 6 bilhões de metros cúbicos na próxima década. Além disso, a China já planejou sua rota com muito mais detalhes do que os EUA. Os líderes do país incorporaram os objetivos climáticos em seu plano de desenvolvimento econômico mais amplo, incluindo o programa industrial Made in China 2025 que também inclui metas tecnológicas e industriais.

Os planejadores econômicos chineses veem a visão da neutralidade do carbono como uma base para a mudança, para o crescimento, e o desenvolvimento de alta qualidade. A Energy Foundation China publicou recentemente um relatório mostrando caminhos para cumprir a promessa de neutralidade de carbono e alcançar a visão do governo para o crescimento econômico e o desenvolvimento.

Para os EUA atingirem a neutralidade de carbono até meados deste século, o governo Biden terá que adotar uma abordagem holística semelhante, que também abrange a criação de empregos e inovação tecnológica. Embora Biden terá que começar do zero. Nos últimos quatro anos, o presidente dos EUA, Donald Trump, não só falhou em tomar medidas climáticas; ele a minou ativamente, revertendo, por exemplo, as regulamentações ambientais.

Felizmente, Biden tem uma estrutura para ajudar seu governo a ter sucesso: o Plano de Ação Carbono Zero da Rede de Soluções para o Desenvolvimento Sustentável. Muito parecido com a estratégia chinesa, o ZCAP se concentra em seis grandes setores intensivos em energia, geração de energia, transporte, edifícios, indústria, uso da terra e materiais, que contribuem significativamente para as emissões de carbono e degradação dos recursos naturais.

Os EUA têm uma estrutura federal e um sistema político democrático. Diante disso, a execução de uma estratégia como o ZCAP exigirá não apenas uma forte liderança federal (e financiamento considerável), mas também cooperação com governos estaduais e locais, participação do setor privado e ampla adesão do público.

E, para implantar reformas ousadas, o governo Biden terá que superar as resistências dos republicanos, que se opõem a uma forte ação climática e também resistem à ideia de política industrial por razões ideológicas.

Isso não quer dizer que a formulação da política econômica da China seja puramente uma questão de cima para baixo. Ao contrário, a China deve seu sucesso econômico à experimentação em nível local, à adaptação constante às mudanças nas condições e à ampla aplicação de métodos comprovados.

O processo de formulação de políticas da China inclui mecanismos que permitem aos líderes responder às necessidades do público. Por exemplo, na preparação para a Conferência Anual de Trabalho Econômico Central, onde os líderes da China elaboram políticas e metas para o ano seguinte, grupos de trabalho consultam autoridades locais para obter uma compreensão clara das condições locais e solicitar opiniões de especialistas externos, incluindo os do Banco Mundial.

Os mercados fornecem outro mecanismo importante. Ao contrário da crença popular fora da China, os mercados desempenham um papel significativo e crescente na alocação de recursos, criação de empregos, coordenação da oferta e demanda e incentivo à inovação. O grupo de renda média de rápido crescimento da China, em particular, está exigindo melhores condições ambientais, em vez de apenas crescimento do PIB.

No geral, porém, o sistema de governança centralizado da China coloca seus líderes em uma posição melhor do que os EUA para implantar reformas ousadas e se envolver em um planejamento abrangente de longo prazo.

A China compreende a escala, o escopo e os custos das atividades econômicas com uso intensivo de energia, especialmente em comparação com os custos do ciclo de vida da energia verde, materiais, sistemas de transporte, tecnologias industriais e agrícolas e abordagens de uso da terra.

Essa é “competição construtiva” com os EUA que pode gerar uma reciprocidade direcionada. Como disse o ex-secretário do Tesouro dos Estados Unidos Henry Paulson, em vez de exigir reciprocidade em “tudo e qualquer coisa que a China faça”, os Estados Unidos deveriam “direcionar suas demandas de reciprocidade aos setores e áreas onde a América é mais forte e mais competitiva” para gerar uma alavancagem máxima.

Isso vai significar compartilhar conhecimento sobre tecnologias verdes, em troca de maior transparência e padrões compartilhados mais elevados. Existem poucas áreas de política nas quais o progresso em um ou dois países deixará cada pessoa do planeta em melhor situação.

China e os Estados Unidos são os maiores emissores de dióxido de carbono do mundo. Os dois países prometem atingir emissões líquidas zero até meados do século, é o que acontecerá. Uma estratégia de competição construtiva, em vez de uma corrida acirrada, levará os dois países à linha de chegada muito mais rápida. O Brasil é apenas o décimo quarto país no ranking de emissão de gases do efeito estufa. Mesmo assim, há uma meta de diminuição de 81% destes gases.

RG 15 / O Impacto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *