Ministério da Saúde tinha conhecimento sobre problema de oxigênio no Amazonas desde o dia 08/01

A Advocacia-Geral da União (AGU) atendeu a uma determinação do Supremo Tribunal Federal (STF) e prestou informações sobre as providências tomadas pelo governo federal para neutralizar a situação de emergência na cidade de Manaus (AM) em razão da pandemia da covid-19. De acordo com a AGU, o Ministério da Saúde teve conhecimento da escassez no estoque de oxigênio no estado no dia 8 de janeiro.

A informação foi passada ao ministério pela empresa fabricante do produto. “A partir do conhecimento dessa informação, houve alteração da programação da visita do secretariado do Ministério da Saúde a Manaus, que passou a envolver a inspeção das localidades de armazenamento e manejo de oxigênio hospitalar”, explicou a AGU.

A AGU destacou ainda que foram repassados R$ 370 milhões ao município de Manaus, considerando a soma de diversos repasses financeiros para estados e municípios, como o Fundo Nacional de Saúde – FNS; o Apoio do Fundo de Participação dos Estados e do Municípios e o Programa Federativo de Enfrentamento à Covid-19.

Dentre as informações prestadas pelo advogado-geral da União, José Levi do Amaral Júnior, a Secretaria Especial de Assuntos Federativos, integrante da Secretaria de Governo, da Presidência da República, tem articulado encontros semanais de Comitês de Crise regionais. Segundo o advogado da União, o Comitê de Crise da Região Norte realizou 17 reuniões em 2020 e em nenhuma delas foram informados problemas relativos à escassez de oxigênio nos hospitais locais.

O ministro Lewandowski, relator da ação, determinou a ampla publicidade das providências já empreendidas e a remessa formal das informações prestadas pelo governo federal ao Congresso Nacional.

Crise

Desde o fim do ano passado, o Amazonas vive um avanço nos números do covid-19 e está com quase todos leitos clínicos e de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) ocupados, tanto na rede pública como na privada.

A crise na saúde do estado levou os familiares de pacientes infectados por covid-19 a buscarem cilindros de oxigênio por conta própria para tentar evitar que seus parentes morressem por asfixia. O estoque de oxigênio acabou em vários hospitais da capital na semana passada, o que levou pacientes internados à morte, segundo relatos de médicos que trabalham na cidade. Pacientes têm sido levados para tratamento em outros estados, que também têm doado cilindros de oxigênio para hospitais da capital do Amazonas.

RG 15/ O Impacto com Agência Brasil

2 comentários em “Ministério da Saúde tinha conhecimento sobre problema de oxigênio no Amazonas desde o dia 08/01

  • 19 de janeiro de 2021 em 22:49
    Permalink

    Esse bando de milico no governo fazendo bico são uns genocidas.

    Resposta
  • 19 de janeiro de 2021 em 19:09
    Permalink

    A imprudência e a desonestidade das autoridades do Amazonas agora são jogadas sobre os ombros do Ministério da Saúde e Governo Federal ? Dinheiro nunca faltou ao Governo Estadual, que logo tratou de comprar equipamentos de um revendedor de vinhos, escancarando a corrupção no setor de saúde, governador e prefeito ! Queriam que o Ministro da Saúde enviasse assessores especialmente para contar o número de tubos de oxigênio, e se estavam cheios ou vazios ? Isso é proteger os verdadeiros incompetentes e relaxados. STF, assuma a sua responsabilidade !

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *