MP requer tratamento e abrigo para idoso que vive entre os ratos em Cametá

Após uma inspeção para verificar denúncias sobre um idoso que vive condições sub-humanas no município de Cametá, no nordeste do Pará, o Ministério Público do Estado ajuizou na última a terça, 26, uma Ação Civil Pública (ACP) para que a Prefeitura de Cametá e o Estado acolham Gerson Ribeiro Furtado, de 73 anos, em instituição de repouso e dêem a ele tratamento médico e psicológico. A ACP foi proposta após uma inspeção para verificar denúncias sobre um idoso que vive em situação de risco.

Na semana passada, um vídeo que mostra o idoso dentro de um barraco, entre dezenas de ratos, em situação de extrema vulnerabilidade. O caso causou indignação. Um laudo médico indica que o homem é portador de esquizofrenia paranóide e segundo apuração informações apuradas na cidade, ele já vive nessa situação, há pelo menos, 20 anos.

De acordo com as promotoras, o caso requer urgência devido ao estado vulnerável do idoso, que vive em situação de rua, alojado em cubículo de madeira, sem banheiro, sem espaço para se mover e com dezenas de ratos, capazes de transmitir doenças graves como leptospirose, peste bubônica, tifo e outras.

Além disso, ele tem problemas de visão e não fala, apenas balbucia sons incompreensíveis. Quanto à alimentação, o idoso sobrevive com doações de comida, que divide com os ratos que vivem com ele.

Segundo as promotoras, a Prefeitura e o Estado devem agir para garantir a saúde e proteção do idoso, já que ele está em idade avançada e demonstra agressividade contra seus familiares. “Foi relatado que ele é bastante violento com seus poucos familiares conhecidos”, disseram.

O MP requer ainda que o Executivo forneça exames psiquiátricos ao idoso e, caso seja necessário, tratamento médico, psicológico e psiquiátrico em local adequado, onde seja garantido o direito à saúde, para que ele se recupere e fique preparado para o convívio social novamente.

 Fonte: Roma News Com informações MPPA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *