Artigo – Como a falta de vulcões tornou nossa luta contra a Covid-19 mais difícil

Artigo: Por Oswaldo Bezerra

Um estudo recomenda a inclusão de alimentos que sejam fontes de magnésio, além de pequena suplementação, para prevenção e para o tratamento durante os estágios iniciais da COVID-19. Infelizmente, nós brasileiros temos uma desvantagem quanto à alimentação rica em magnésio.

O magnésio foi descoberto como um nutriente importante para o tratamento de distúrbios. O magnésio regula o aproveitamento dos outros minerais e orienta a síntese de proteínas. Localidades onde há presença de magnésio na água, em quantidade adequada, são caracterizadas por pessoas com maior longevidade.

A ingestão diária de magnésio depende da necessidade de cada pessoa. A melhor forma de consumir o mineral é por meio da água, ou de suplementos alimentares. O chocolate e a castanha do Pará são fontes ricas em magnésio. Contudo, seus valores calóricos são muito elevados.

Solos pobres em magnésio produzem alimentos com menor carga do mineral, o que é o caso do Brasil, infelizmente. É por isso que cerca de 90% da população é carente da substância.

Porque os solos do Brasil são pobres em magnésio? A explicação está na raridade de vulcões. O Brasil se encontra no meio da placa tectônica Sul-Americana, em uma região estável. A maior incidência de vulcões ocorre nas regiões geológicas instáveis, ou seja, nas bordas das placas. Além disso, o relevo brasileiro formou-se em períodos geológicos antigos, há milhões de anos.

Sem muitos vulcões, não há em nosso país abundância de derramamento de lavas. As lavas quando expelidas destroem tudo a sua frente. Nem tudo é ruim quando ela escorre sobre o solo. Após o resfriamento desse material, o conteúdo que solidifica sobre a superfície cria uma positiva modificação do solo.

Um novo solo nasce com um potencial de fertilidade muito maior que o anterior. O solo se torna rico em minerais importantes, como o potássio, o magnésio e o ferro. Os alimentos produzidos nestes solos se tornam alimentos fontes destes minerais.

O magnésio se mostra um importante aliado na luta contra a Covid-19. Por temos escassez de solos vulcânicos, temos uma alimentação pobre em magnésio. A falta de vulcões nos tornou a luta contra a Covid-19 mais dura, mesmo assim, ainda podemos apelar para os suplementos.

RG 15 / O Impacto

Um comentário em “Artigo – Como a falta de vulcões tornou nossa luta contra a Covid-19 mais difícil

  • 3 de fevereiro de 2021 em 10:13
    Permalink

    Bem interessante essa matéria. Na falta de magnésio por vias naturais, vamos aos suplementos então.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *