Artigo – O carnaval do Pierrot: o mais triste da nossa história [vídeo]

Por Oswaldo Bezerra

Hoje acordei em uma cidade sem vida. Eram poucas as pessoas andando pelas ruas. Todos os pontos do tradicional carnaval de Fortaleza como Bar da Mocinha, o Mercado dos Pinhões, o aterro de Iracema, a zona boêmia da Varjota estavam todos abandonados.

Dizem que o ano só começa depois do Carnaval. Como alguém poderá começar a sorrir sem o carnaval? Parecia que toda a cidade, no dia que deveria ser o mais alegre e festivo do ano, estava passando por um daqueles transtornos que trazem tristeza e melancolia.

Existe um transtorno que pode muito bem descrever o que passamos hoje. É uma forma de depressão que ocorre sempre na mesma época do ano, geralmente no inverno de países gelados. É conhecido como Transtorno afetivo sazonal (TAS).

O TAS afeta seu humor, sono, apetite e níveis de energia. Prejudica todos os aspectos da sua vida, desde seus relacionamentos e vida social até o trabalho, a escola e seu senso de auto-estima.

A pandemia provocou algo muito parecido a este transtorno em muitos de nós hoje. Estamos em pleno domingo de carnaval, que deveria ser o dia mais feliz do ano. O que vemos por aí são pessoas tensas, tristes, preocupadas. A falta de dinheiro em circulação junto com a impossibilidade de cair no samba são os menores dos problemas.

Nosso grande problema hoje é a preocupação com a saúde de nossos familiares e dos nossos amigos. A vacinação que pode nos livrar de tudo isso parece tão próxima, mas está tão distante ao mesmo tempo. A pandemia se tornou o inverno de nossas vidas.

Este transtorno faz você se sentir uma pessoa completamente diferente de quem você é: sem esperança, triste, tenso ou estressado, sem nenhum interesse pelos amigos ou atividades que você normalmente ama.

O TAS afeta cerca de 1% a 2% da população, particularmente mulheres e jovens, enquanto uma forma mais branda pode afetar até 10 a 20 por cento das pessoas. O transtorno da pandemia está afetando a todos sem distinção.

O TAS é mais comum em pessoas que vivem a pelo menos 30 graus de latitude norte ou sul como: EUA, Egito, China, Austrália, África do Sul e Argentina. A pandemia elevou esta doença até os trópicos. A boa notícia é que o TAS é tratável.

Na Commedia dell’Arte existe a figura do Pierrot, o palhaço triste. Ele vivia um amor platônico por Colombina, não tendo coragem de se declarar, guardava flores e escrevia cartas e não as enviava.

Por isso, este palhaço é representado com lágrimas no rosto, uma flor ou um bilhete nas mãos. A esperança é o que nos dá alegria. A alegria é saber que no ano que vem todo o amor de Colombina será dada a nós, o Pierrot. O verão de nossas vidas voltará e estaremos livres da pandemia.

RG 15 / O Impacto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *