Investimento em infraestrutura de transportes vai gerar mais de 100 mil empregos no Pará

A pandemia do coronavírus agravou ainda mais a crise do desemprego em todo o Brasil, no entanto, a saúde financeira do Governo do Pará permitirá que sejam investidos nos próximos dois anos R$ 2 bilhões em obras de infraestrutura de transportes em todas as regiões de integração do Estado. Essa iniciativa vai gerar no biênio 2021/2022, 35 mil empregos diretos e quase 71 mil empregos indiretos, algo próximo de 115 mil novos postos de trabalhos em frentes de construção e pavimentação de novas rodovias, pontes e aeródromos.

O saldo positivo na oferta de empregos é uma linha em ascensão iniciada, ainda, no biênio 2019 e 2020, quando foram gerados 8.941 empregos diretos e 17.983 empregos indiretos no setor de infraestrutura de transportes. Na prática, isso permitiu que jovens acessassem o primeiro emprego.

Uma orientação do governador Helder Barbalho, por ocasião do lançamento das obras, é de as empresas priorizarem a contratação de mão de obra local, o que assegura oportunidade de renda à comunidade.

Melhorias na logística –  Somando com o valor investido  no biênio 2019/2020, próximo de R$ 1 bilhão, com o valor de R$ 2 bilhões, de 2021/22, chega-se ao maior aporte de recurso no modal rodoviário da história do Estado, o que produz desenvolvimento de logística, maior segurança e agilidade para quem usa as estradas paraenses.

Titular da Secretaria de Estado de Transportes (Setran), Adler Silveira informou que o planejamento estratégico da Setran para os quatro anos de governo prevê a construção e pavimentação de mais de mil quilômetros de rodovias, aumentando em 13% o número de estradas pavimentadas em todo o estado do Pará.

Malha rodoviária  – O Pará tem sob sua jurisdição 130 rodovias PAs e 23 vicinais, o que contabiliza cerca de 7.700 km de extensão, sendo que mais de 52% delas foram encontradas sem pavimentação pela atual gestão.

Em 2020 foram concluídos e pavimentados 58 km de rodovias; em 2019; construídos e pavimentados 76 km de rodovias, o que totaliza 134 km de novas rodovias no Estado do Pará, já entregues à população com sistema de drenagem, sinalização de trânsito, em projetos modernos que eliminam rampas e reduzem as curvas proporcionando maior segurança aos motoristas.

Atualmente a Setran trabalha na construção e pavimentação de 17 grandes rodovias em suas regiões de integração regional, que contabilizam 718 km de extensão de novas rodovias construídas e pavimentadas. As obras acontecem nas rodovias PA-159, PA-140, PA-150, PA-252, PA-254, PA-287, PA-275, PA-407, PA- 483, PA-423, PA-427, PA-437, PA-439, PA-256, PA-370, Perna Leste e Transuruará.

Somando as rodovias entregues e as em execução chega-se a 718 km de novas rodovias. Há a projeção para construção e pavimentação de mais 11 rodovias no Pará:  PA-448, PA-462, PA-430, PA-220, PA-447, PA-124, PA-380, PA-414, PA-322, PA-424 e ainda a Rodovia Liberdade, via alternativa de entrada e saída da cidade de Belém, paralela à BR- 316. A lista inclui ainda a duplicação de 5 km da BR-222, em Marabá, somando 276 km de rodovia.

Pontes – Nos últimos dois anos a Setran garantiu recursos para a construção de 178 novas pontes no Pará. Ao todo 76 pontes são construídas em municípios, por meio de convênios; e outras 102, via execução direta do Governo do Estado.

A malha estadual tem ao todo 773 pontes, destas, 382 eram de madeira. O atual investimento consiste no maior projeto de construção de novas pontes e substituição das de madeira por concreto. Há ainda grandes projetos de integração entre regiões do Estado, que vão mudar a realidade do modal rodoviário no território paraense, tais como a construção da ponte sobre o rio Meruú, no Baixo Tocantins; ponte sobre o rio Alto Acará, entre os municípios de Concórdia do Pará e Acará Alto Capim, na região de Paragominas; e ainda a ponte sobre o rio Fresco, em São Félix do Xingu.

RG 15 / O Impacto com Agência Pará

Um comentário em “Investimento em infraestrutura de transportes vai gerar mais de 100 mil empregos no Pará

  • 21 de fevereiro de 2021 em 18:34
    Permalink

    Toda vez que leio uma notícia desse porte, me pergunto porque essa orientações, soluções de renda não são atuante, tanta gente na miséria e tanto emprego precisando de trabalhador e o governo da solução de benefícios temporários que vicia que não é chegado ao trabalho e espera a vida toda por esses tipos de socorro que beneficia parte dos que vivem na miséria quando existe solução para os problemas financeiros de milhares de pobres coitados.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *