No Pará, quase 2 toneladas de drogas foram retiradas de circulação em menos de dois meses

O trabalho de enfrentamento à criminalidade, que vem sendo realizado nos dois últimos anos pelas forças de segurança do Pará, bateu recorde histórico de drogas apreendidas no Estado. Ao todo, foram, aproximadamente, sete toneladas de entorpecentes, entre cocaína, de maior volume, e maconha, somente entre os meses de janeiro e outubro de 2020. Este ano, em menos de dois meses, quase duas toneladas já foram apreendidas, além da desarticulação de organizações criminosas que atuavam no território paraense e em outros estados.

A última grande apreensão de 2021 ocorreu no último sábado (20), no município de Bujaru, localizada na 3ª Região de Integração de Segurança Pública (Risp), nordeste paraense, quando a Polícia Militar, após receber uma denúncia anônima, encontrou quase uma tonelada de entorpecentes semelhantes a cocaína. Três pessoas que estavam no local indicado, em dois veículos, trocaram tiros com a polícia e depois empreenderam fuga por área de mata. Os carros foram abandonados. Em seguida, a droga foi conduzida pela equipe da Divisão de Repressão ao Crime Organizado (DRCO), vinculada à Polícia Civil, e, após realização dos procedimentos devidos, o material foi periciado pelo Centro de Perícias Científicas Renato Chaves.

A ação foi um desdobramento da operação “Guilhotina”, deflagrada de forma conjunta entre as Polícias Civil do Pará e do Ceará, realizada na última segunda e terça-feira (15 e 16), em Belém e Benevides, cidades da região metropolitana. A operação teve como principal objetivo cumprir mandados de prisão de lideranças de uma facção criminosa que comandava crimes no estado do Ceará e desarticulação da rota do tráfico no Pará. Cinco pessoas foram presas e 600 kg de entorpecentes foram apreendidos. A droga estava armazenada em um quarto e dividida em 19 sacos, entre eles, pedra de oxi e cocaína, avaliados em R$ 9 milhões.

Foto: Divulgação

Por meio do enfrentamento às drogas, diversos delitos também são evitados, como homicídios, latrocínios e roubos, por exemplo, que vêm obtendo uma constante redução em todo o Estado, de acordo com os índices apresentados pela Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Pará (Segup) e confirmados por organismos que monitoram os crimes violentos nacionalmente, a exemplo do Monitor da Violência/G1 e a Folha de São Paulo.

De acordo com dados estatísticos criminais, não há dúvida de que o que movimenta o crime organizado, em sua quase totalidade, é o tráfico de drogas. Em razão disso, o combate rigoroso a essa tipificação criminal, em especial de forma estratégica, com grandes apreensões e não apenas as de varejo, mais conhecidas como “bocas de fumo”, são as que realmente desarticulam as organizações criminosas em sua estrutura e são fundamentais para que seja possível combater à criminalidade e trazer uma forte redução da violência.

“O tráfico de drogas movimenta todos outros tipos de crimes, como latrocínio, roubo e furto, por exemplo, então, em razão disso, a gente pretende continuar com muito afinco realizando grandes apreensões, que certamente foram fatores primordiais para que, em 2020, tivéssemos conseguido ser o Estado que mais reduziu a violência no Brasil. Também em 2020, foi o ano em que tivemos o maior número de apreensões de drogas, com mais de sete toneladas apreendidas e, certamente em 2021, essas grandes apreensões irão ser um facilitador para que a gente possa realmente manter a queda da criminalidade”, explicou o secretário de Segurança Pública e Defesa Social do Pará, Ualame Machado.

Rota do tráfico – Um outro avanço do Estado que já está em construção é a Base Integrada de Antônio Lemos, que reunirá não somente agentes de segurança pública, mas também de fiscalização, que trabalharão unidos em uma localização estratégica que costumar ser rota de drogas de outros estados no Pará, além de produtos contrabandeados. A base ficará na margem direita do rio Tajapuru, no distrito de Antônio Lemos, município de Breves.

De acordo com o titular da pasta de Segurança Pública do Pará, com a estratégia, haverá a potencialização das ações de ostensividade no principal corredor de drogas vindas dos países de fronteira, que são grandes produtores de entorpecentes.

“Nós estamos também, além do uso da tecnologia, com estruturas e equipamentos planejados para inaugurar, ainda este ano, alguns deles, a exemplo das bases integradas flutuantes que irão funcionar no estreito de Breves e a base Candiru, em Óbidos, o principal corredor da droga no nosso Estado, vindas dos países produtores, como Colômbia, Bolívia e Peru. Elas percorrem o Rio Amazonas entrando no Pará, em especial, próximo aos municípios de Juruti e Óbidos. Em razão disso, a nossa fiscalização será muito intensa nesses pontos”, destacou Ualame Machado.

Denúncias – Para colaborar com a segurança pública na elucidação de crimes que já ocorreram ou que podem ser evitados, informações podem ser repassadas por meio dos canais oficiais do Disque Denúncia no whatsapp (91) 98115-9181 ou por meio da ligação convencional 181. O sigilo e o anonimato são garantidos.

RG 15 / O Impacto com Agência Pará

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *