Artigo – Caminhamos para nos tornar uma República de Weimer

Por Oswaldo Bezerra

A República de Weimar é a designação histórica estabelecida na Alemanha após a Primeira Guerra Mundial em 1919. Durou até ao início do regime nazista em 1933. A maior característica desta República foi a super inflação. Em só um ano (1922) a taxa acumulada de inflação superou um bilhão por cento. Em 1923 atingiu a taxa de 29,5 mil por cento ao mês, ou 20,9% ao dia.

Lembre que hoje as autoridades, em todo o planeta, estão imprimindo, emprestando e gastando dinheiro como se não houvesse amanhã, como se não houvesse consequências. É um delírio. Desde o início da pandemia COVID, testemunhamos a maior farra monetária da história mundial.

Claro que isso vai causar enormes problemas. Claro que isso vai causar uma inflação dos infernos. Qualquer pessoa com um pouco de bom senso é capaz de ver isso.

Quando o valor do dinheiro não está vinculado a nada, “mais dinheiro” é sempre uma solução tentadora para quem está no poder. Como a história demonstra esse caminho sempre leva à tragédia.

No nosso caso, serão as pessoas mais pobres do planeta que mais sofrerão. É devido ao Efeito Cantillon, que destrói os mais pobres. De acordo com a Bloomberg, os preços dos alimentos básicos estão aumentando drasticamente em todo o mundo.

Os preços globais dos alimentos estão subindo e o momento não poderia ser pior. Na Indonésia, o tofu está 30% mais caro do que em dezembro. No Brasil, o preço do feijão com arroz aumentou 54% em relação a janeiro passado. Na Rússia, os consumidores estão pagando 61% mais pelo açúcar do que há um ano.

A inflação anual em cereais atingiu 20 por cento, o que representa o maior aumento anual desde meados de 2011, quando a “Primavera Árabe” estava em plena expansão.

Com os preços subindo assim, é apenas uma questão de tempo até que vejamos distúrbios generalizados por alimentos em todo o mundo. Ao explicar por que isso está acontecendo, a Bloomberg acertou parte das respostas.

Os mercados emergentes estão sentindo a dor de um aumento vertiginoso nos custos das matérias-primas, à medida que as commodities, do petróleo ao cobre e grãos, são impulsionadas pelas expectativas de uma recuperação econômica pós-pandemia, bem como por políticas monetárias ultra flexíveis.

Só este ano o Brasil já testemunhou 5 subidas de preços de combustível. Essa é a fantasia completa e absoluta. Desde os dias da República de Weimar, nunca vimos algo assim no mundo industrializado.

À medida que a oferta monetária global continua a se expandir em um ritmo assustador, outros fatores terão um peso muito grande na produção global de alimentos. O chefe do Programa Mundial de Alimentos da ONU declarou publicamente que haverá “fome de proporções de bíblicas” em 2021. Muitas pessoas não levam avisos como esse a sério porque ainda temos bastante comida nas lojas.

E até agora, a inflação de alimentos não foi excessivamente dramática. Contudo, estamos vendo uma inflação louca se manifestar de outras maneiras. Caso você trabalhe com produtos eletrônicos você verá que uma tela de um iphone 5s que custava 40 reais até meados do ano passado, hoje custa 80.

Comportamentos bizarros também são observados. Um videoclipe de 10 segundos acabou de ser vendido por incríveis 6,6 milhões de dólares. Em outubro de 2020, o colecionador de arte de Miami, Pablo Rodriguez-Fraile, gastou quase US$ 67.000 em uma obra de arte de vídeo de 10 segundos que ele poderia ter assistido gratuitamente online. Na semana passada, ele o vendeu por US$ 6,6 milhões.

O vídeo do artista digital Beeple foi autenticado por blockchain, que serve como uma assinatura digital para certificar quem o possui e que se trata da obra original. Onde no céu alguém gastaria mais de 6 milhões de dólares por um videoclipe que pode ser assistido online gratuitamente? Não faz o menor sentido, mas é o que pode acontecer em um ambiente altamente inflacionário.

Todo o dinheiro que nossas autoridades têm criado tem que ir para algum lugar. Acabam indo para onde dá mais lucro. Um dos lugares onde está indo é para as criptomoedas. O preço do Bitcoin era de pouco menos de US$ 30.000 no início do ano, e agora, enquanto escrevo este artigo, ele está beirando os US$ 50.000.

O governo norte-americano abriu uma guerra contra as criptomoedas, pois mostra claramente a inflação do dólar. A qualquer momento, os EUA podem decidir reprimi-los. A procuradora-geral de Nova York, Letitia James, enviou um aviso em tom de ameaça aos investidores e membros da indústria sobre os perigos das criptomoedas.

Ela disse, “Estamos enviando uma mensagem clara para toda a indústria de que você obedecerá às regras, ou nós o encerraremos”.

As condições continuam a se deteriorar, claramente haverá uma grande mudança na demanda. Quando as coisas ficarem realmente ruins, as pessoas não ficarão tão interessadas em colecionáveis ​​e investimentos especulativos.

Em vez disso, haverá uma enorme demanda por alimentos, commodities, terras agrícolas e outros bens essenciais. Todos nós vamos sofrer as consequências. Elas não serão nada divertidas, principalmente para as populações mais pobres.

RG 15 / O Impacto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *