Artigo – O despotismo dos homens infames

Por Oswaldo Bezerra

Em 2015, a Lava Jato comemorou: “Aha uhu, o Fachin é nosso”. Não se enganem o Fachin ainda é lavajatista. Sua manobra foi para salvar trazeiros da Lava Jato, não para fazer justiça com Lula.

A decisão de Fachin reconheceu o que já se sabe desde 2016, mas não repara os danos causados pela Lava Jato. A difamação de anos a fio com espancamentos diários via imprensa foi criminosa e ilegítima.

A decisão de Fachin não foi pela justiça, mas de acobertamento. Quando os advogados de Lula obtiveram as mensagens da operação Spoofing, eles foram liberando mensagens dia após dia.

Com as revelações das mensagens foi ficando claro que havia ali uma farsa jurídica. A coisa ficou tão feia, que organismos internacionais foram ficando a par das mensagens e dos crimes jurídicos. O jornal New York Times classificou a operação Lava Jato como a maior farsa jurídica da história.

A quantidade de crimes que iam sendo descobertos criou dois abismos para Justiça brasileira. Uma era a desmoralização de todos os procuradores e juízes envolvidos na Lava Jato. O outro foi que as mensagens já começavam a respingar em membros do STF. Como, por exemplo o caso da intervenção da então presidente do STF Carmem Lúcia instruindo a manutenção da prisão de Lula.

O Lawfare da Lava Jato, com a continuidade das revelações dos advogados de Lula, iria levar a suspensão de muitos procuradores e juízes. Acima de tudo, Fachin está protegendo Sérgio Moro.

A manobra de Fachin parece que não vai dar certo. Ele anulou todos os processos contra o Lula, anulou todas as decisões processuais, mas não anulou a investigação. Então os processos de Lula precisam ir para Brasília. Fachin deixou explícito que, por conta disso, os habeas corpus ligados a suspeição não teriam mais objeto.

Com isso, não seria mais julgada a suspeição de Moro. Também deveria ser terminado o acesso dos advogados de Lula às mensagens da Operação Spoofing.

As mensagens reveladas mostraram que Moro foi o chefe da Operação. Como Fachin não anulou a investigação ela ainda está valendo. E isso abre a possibilidade para que ocorra a suspeição do “chefe” da Lava Jato.

Foi Moro quem determinou quebra de sigilo, condução coercitiva, busca e apreensão, inclusive do tablet do neto do Lula que nunca foi devolvido pois, ele faleceu. Em mensagens obtidas da Operação Spoofing se descobriu que houve comemoração por membros da Lava Jato pela morte da criança de 7 anos.

Então Lula ainda deve continuar a ter acesso às informações da Vaza Jato. O tsunami de crimes da Lava Jato, descobertos nas mensagens, leva a investigação contra Moro. Este fato tem apoio do líder do Congresso e do próprio STF. As prisões de Moro e Dallagnol são certas. Além deles estão na mira a juíza do “copia e cola” e os desembargadores do TRF4.

Hoje o casal Mujica, lá do Uruguai, mandou uma mensagem para Lula. Foi logo após a decisão de Fachin finalizar a maior farsa jurídica da história. Eles disseram “a luta compensa e continuaremos até o fim de nossas vidas, buscando o caminho para a fraternidade, igualdade e liberdade para todos os nossos vizinhos”. Eles ainda disseram “sua liberdade evidencia uma vitória contra o despotismo dos homens infames”. A vitória de Lula só é comparada a libertação de Mandela.

RG 15 / O Impacto

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *