Fiscalização apreende pescado na APA do Paytuna e Parque Monte Alegre

Em fiscalizações pelo período de defeso, o Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio) e uma rede de instituições parceiras apreenderam oito toneladas de pescado, 150 malhadeiras, duas espingardas com munições diversas e cinco geleiras, de 1º a 13 de março, na APA Paytuna e no Parque Estadual Monte Alegre, APA Paytuna, no Baixo Amazonas.

O Ideflor-bio atua nessas fiscalizações em parceria com a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), Polícia Militar, Comissão de Conservação de Lagos e Rios e Agentes Ambientais Comunitários (AAC), dentro de suas Unidades de Conservação.

Segundo a gerente da APA Paytuna e do Parque Monte Alegre, Patricia Messias, nos primeiros anos da ação de fiscalização, a comunidade não via a fiscalização com bons olhos, pois os geleiros contratam pescadores das próprias comunidades para abastecer as embarcações de pesca. As pessoas viam a pesca predatória como uma oportunidade de atividade financeira para elas. “Mas, permanecemos com as nossas ações ambientais, e fomos surpreendidos durante essa ação com o comportamento da comunidade, começando a enxergar as ações do Ideflor-Bio como algo benéfico, e o pescado na região aumentou”, disse ela.     

“No meu ponto de vista é muito bom para a economia, pois uma  vez que se controla o estoque de oferta de alimentos, se garante a autonomia no médio e longo prazos, e isso é muito bom para sociedade”, disse o economista do município de Monte Alegre, Ricardo Brás.

A presidente do Ideflor-bio, Karla Bengtson, ressaltou que as ações de fiscalização ambiental realizadas na região do Parque Estadual Monte Alegre e da APA Paytuna, apresentam excelentes resultados, já sentidos pelos usuários dos recursos naturais.

“É comum em reuniões com representantes da região receber notícias de que já é possível viver da pesca na região, graças ao trabalho que o Ideflor-Bio executa. Esse retorno é muito gratificante, uma vez que, quanto mais pessoas envolvidas nesse processo de conservação e proteção, mais aliados a gestão ambiental ganha”, destacou Karla Bengtson. 

RG 15 / O Impacto com Agência Pará

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *