Artigo – A nova cara da economia ocidental será de governos pesados, elefantes brancos e mais impostos

Por Oswaldo Bezerra

Qual o motivo do socialismo soviético não ter dado certo, apesar de produzir um bem-estar maior ao povo? Não deu certo porque só daria se todo mundo abraçasse a ideia. Como muitos países continuaram no capitalismo os seus atores, em busca de maior lucro, forçam a abertura de fronteiras econômicas justamente nos países socialistas. É o abuso do poder econômico.

O abuso do poder econômico consiste em dominação de mercados por oligopólios e dominação política. Para ganhar mercado no mundo os EUA, através de capital estatal, forçaram a barra para que suas empresas privadas ganhassem mercado.

Inteligentemente, a China promoveu esta atitude americana de maneira bem mais pujante. A ação chinesa foi além do liberalismo e do capitalismo tradicional. Marcou o nascimento do Capitalismo de Estado. Enquanto os EUA desenvolveram 7 mil empresas estatais para favorecer o crescimento de suas empresas privadas. A China foi bem mais além. O país asiático desenvolveu 150 mil empresas estatais para alavancar suas empresas privadas.

Já observamos mudanças econômicas nos EUA para se adequar. Senadores liberais dos EUA pressionam o presidente Biden por um projeto de lei de infraestrutura e clima de US$ 10 trilhões para a próxima década.

A promessa de campanha inicial de Biden foi de US$ 2 trilhões em quatro anos, um pouco mais de 1% do PIB do país. Para colocar os US$ 10 trilhões, ao longo da próxima década, o gasto superará os US$ 8,5 trilhões de gastos em defesa, que é o maior gasto do país das guerras.

Os grandes planos de Biden irão impulsionar o crescimento? As ambições da equipe econômica de Biden vão além. Menos de um mês após um estímulo de US$ 1,9 trilhão Washington busca um novo papel comercial em questões que vão desde estações de carregamento para veículos elétricos a creches, e mais verba para a educação, renda e empregos de melhor remuneração.

O governo também lançou as bases para regulamentações destinadas a fortalecer os sindicatos e restringiu estímulos para projetos de combustíveis fósseis. Enquanto isso, a dívida federal está atualmente em um nível não visto desde a Segunda Guerra Mundial.

Isso tudo marca uma virada da sua política econômica. Imitando a China, os EUA apostam em um Estado maior para se tornar o principal motor do crescimento. Também é uma tentativa de estabilizar a política econômica.

O setor público é menos eficiente do que o privado então os burocratas se submeterão aos mercados. Os planos do governo se baseiam no pensamento de que o risco de fazer muito pouco supera o risco de fazer muito. O governo deve ser a força poderosa para o bem na vida dos americanos.

Com esta mudança no escopo econômico, mais próximo ao estilo chinês, os EUA pretendem vencer a guerra comercial contra a China. Como consequência, o capitalismo e o liberalismo tradicional como conhecíamos chegou ao fim. O que preocupa é que para manter toda esta estrutura estatal deve ocorrer aumento de impostos.

RG 15 / O Impacto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *