Artigo – Reservas se esgotando e preço do petróleo subindo

Por Oswaldo Bezerra

Desde o início do ano já vimos o preço do petróleo subir 30%. Os preços já estão em patamar pré-crise. A economia mundial está se recuperando, as restrições estão sendo suspensas e a vacinação em massa está avançando, no Brasil vai de forma lenta, mas vai.

É um conjunto de fatores que favorece a elevação dos preços do petróleo. Estes fatores talvez nem sejam o fator primordial que farão os preços crescerem mais ainda.

A indústria do petróleo experimentou várias ondas de declínio em 2020. Houve também uma superprodução e logo em seguida uma redução acentuada na demanda. Foi tanto pela pandemia como os bloqueios econômicos impostos pelos EUA. Em março do ano passado, o preço do petróleo caiu 50%, foi para US$ 30 o barril.
Surpreendentemente, em janeiro de 2021, os preços chegaram a um máximo de oito meses e quase recuperaram os níveis pré-crise. Ainda vivemos os surtos de corona vírus em vários países, mesmo assim as previsões de demanda de petróleo crescem. A OPEP estima que a demanda aumente para 96,5 milhões de barris por dia neste ano.

Houve forte redução de fornecimento global de petróleo bruto. Foi algo em torno de dois milhões de barris por dia após o forte declínio na produção dos EUA e restrições adicionais da Arábia Saudita dentro do acordo OPEP +.

Os EUA pressionaram por paradas de perfuração e produção em todo o mundo para salvar as empresas norte-americanas. Inclusive nós brasileiros passamos a importar óleo diesel dos EUA, por ordem deles. Isso é para poder salvar centenas de milhares de bons empregos dos gringos, mesmo que isso derrube os empregos da indústria de petróleo brasileira. Manda quem pode, obedece quem tem juízo.

O que mais surpreendeu foi o efeito da diminuição da perfuração de poços exploratórios. Sem eles a reserva cai afinal um poço de petróleo produtor não dura para sempre. Além disso, as reservas acumuladas durante a pandemia estarão praticamente esgotadas.

Os países desenvolvidos têm pouco mais de 20% do “superávit pandêmico” em seus depósitos de petróleo. As reservas acumuladas de julho do ano passado, que eram de 249 mil barris em estoque, em fevereiro já restavam apenas 57 mil barris, e a maioria deles pertencentes à China. É o início do superciclo.

O último superciclo atingiu o pico em 2008, impulsionado pelo crescimento econômico da China, maior consumidor mundial de hidrocarbonetos. E o atual se deve à recuperação pós-pandemia, política monetária e fiscal muito branda, dólar inflacionado e fraco, aceleração da inflação e medidas ambientais.

A previsão dos bancos internacionais é de US$ 65 para o Brent no quarto trimestre. No entanto, já está em US$ 67. Portanto, as previsões atuais são otimistas.

O Citigroup estima que as reservas globais de petróleo vão cair 2,2 milhões de barris por dia, à medida que a demanda continua a crescer. Como resultado, o Brent deverá aumentar para US$ 74, quem sabe mais. Prepare o bolso para por gasolina em seu carro, ou óleo diesel no seu caminhão.

RG 15 / O Impacto

Um comentário em “Artigo – Reservas se esgotando e preço do petróleo subindo

  • 2 de maio de 2021 em 22:33
    Permalink

    QUE CARA MENTIROSO ! PETRÓLEO SOBRA NO MUNDO, QUEM CONTROLA A PRODUÇÃO E O PREÇO SÃO OS PRODUTORES DA OPEP, CAPITANEADO PELA ARÁBIA SAUDITA. A VENEZUELA É UM EXEMPLO DE ABUNDÂNCIA DE PETRÓLEO ATUALMENTE COM SUAS RESERVAS SUBUTILIZADAS. O CONSUMO DE ENERGIA SOLAR, CARROS E VIATURAS PESADAS ELÉTRICOS, ETC, JÁ ESTÁ DIMINUINDO A DEMANDA POR PETRÓLEO, ALGO TEMIDO PELOS PRODUTORES. QUANTO AOS USA, JÁ SÃO AUTO SUFICIENTES E INDEPENDENTES DE FONTES EXTERNAS !

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *