Coronel acusada de crimes na Polícia Ambiental de Santarém vai para reserva com salário de R$ 35 mil

Por Diene Moura

Na última segunda-feira (30), o Diário Oficial do Estado publicou a transferência da Coronel da Polícia Militar Andrea Keyla Rocha para a reserva remunerada da PM, que alcança o valor estimado em R$ 35,4 mil. A portaria de concessão de benefício previdenciário foi assinada pelo presidente do  Instituto de Gestão Previdenciário do Estado do Pará (Igeprev), Giussepp Mendes, após tentativas frustradas da militar ocupar outras funções dentro do órgão de segurança pública.

No dia 26 de julho a Justiça acatou  o requerimento do Ministério Público Federal (MPPA)  e proibiu que a Coronel frequentasse o quartel por 120 dias. A decisão partiu após ela ser denunciada com um extenso dossiê apresentado por militares,  a acusando de participação em esquema de vendas de vagas na 1° Companhia Independente de Policiamento Ambiental (1° CIPamb), ameaças de morte, assédio moral, corrupção, falsificação de documentos e tortura, juntamente com o Sargento Gildson dos Santos Soares, que se encontra preso na capital paraense desde a data referida, indiciado também por homicídio qualificado e mais cinco tentativas de homicídio.

No mês seguinte, a coronel investigada por suas condutas foi nomeada novamente a Comandante, dessa vez para chefiar o Policiamento Especializado de Belém (CPE), a Polícia Rodoviária em Belém. O anúncio surpreendeu a todos e causou ainda mais polêmica, gerando críticas severas, tanto que o cargo não chegou a ser ocupado e a nomeação foi revogada. Posteriormente, houve a possibilidade de realocar a condição de adida à Subseção de Controle de Cessão e Agregação de Policiais Militares, ou seja, são trabalhos administrativos que o investigado permanece realizando serviços temporários, mas afastado do serviço militar. Porém, a coronel “recuou” e escolheu ir para a reserva.

Entenda o caso

 A exoneração da coronel do Comando de Policiamento Ambiental (1° Cipamb) ocorreu no dia  11 de agosto, em decorrência de diversos crimes a ela emputada  e ao Sargento Gildson, com o qual mantia uma relação extraconjugal. Juntos organizavam um esquema para decidir quais dos militares a ela subordinados ficavam na corporação ou quem iria ser transferido.  De acordo com relatos colhidos no inquérito, as transferências aconteciam para que vagas na 1° CIpamb fossem vendidas por R$ 10 mil reais, sendo que todas estavam ocupadas.

Dentre as denúncias especificadas no dossiê, havia depoimentos de intimidações com ameaças de morte aos próprios policiais da companhia e seus familiares, caso denunciassem a respeito da prática ilegal. Além de que, a Coronel agia de forma autoritária e utilizava de mais um motivo para transferir os militares: desavenças que poderiam afetar  o Sargento. Um desses casos que foi exposto, ocorreu durante um treinamento em Santarém, a qual um policial foi ridicularizado por Gildson e se direcionou a Coronel para instaurar procedimento relacionado a conduta. No entanto,  a denúncia foi tratada como “fuxico” e o militar foi retirado da companhia dois dias depois.

O processo segue tramitando em segredo de Justiça considerando a periculosidade dos fatos anexados no inquérito, a preservação do interesse público e intimidade dos investigados, a fim de garantir a ordem pública, além de manter as normas e princípios da hierarquia e disciplina militares.

RG 15 / O Impacto

2 comentários em “Coronel acusada de crimes na Polícia Ambiental de Santarém vai para reserva com salário de R$ 35 mil

  • 30 de agosto de 2021 em 13:22
    Permalink

    E o pobre trabalhador honesto, se aposenta com um salário mínimo aos 65 anos. Existe condições de um país desse dar certo?

    Resposta
    • 30 de agosto de 2021 em 16:52
      Permalink

      Com a palavra o excrementissimo senhor presidente da República, que por várias vezes disse em rede nacional que militar era “onesto”.

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *