Supostos integrantes de facção criminosa ameaçam atacar empresários de Santarém

Por Diene Moura

Na manhã da última terça-feira (11/1), dois empresários compareceram à 16° Seccional de Polícia Civil para denunciar inúmeras ameaças de morte. Segundo informações da polícia, mais de 07 empresários de vários segmentos em Santarém, como do ramo hoteleiro, barbeiros, confeitaria e tatuadores, já foram vítimas dos golpistas que ameaçam invadir os respectivos estabelecimentos e executar os proprietários e funcionários, caso não entrem em acordo.

Os criminosos inicialmente entram em contato com as vítimas por mensagens de áudios enviados através do WhatsApp. Em um dos trechos salvos pelo proprietário de um estabelecimento que preferiu não se identificar, os golpistas afirmam serem integrantes da  facção criminosa “Comando Vermelho” e que partiu ordem de execução por conta de uma delação feita pelo empresário, entregando outro faccionado. No entanto, tudo não passa de uma farsa para conseguirem dinheiro.

Em um dos áudios, um dos golpistas se identifica e alega ocupar cargo de chefia na facção. “Quem tá falando aqui é o Fernandinho. Sou o Chefe do Tráfico de Drogas aqui de Santarém. Preciso levar um papo com vocês aí. Pra gente poder esclarecer algumas situações que estão envolvendo teu estabelecimento”, inicia.  Em outro áudio enviado, o criminoso pressiona o empresário para convencê-lo a contar sobre a participação na denúncia mentirosa e o ameaça de morte.

“Eu quero saber qual o motivo tu tem  pra ter denunciado, porque nós não vamos mexer com vocês não, cada um faz o seu, cada um trabalha tranquilo, ao  contrário, nós matamos safado e dá até lucro pra vocês. Agora pra tá pegando telefone e tá denunciando, não pode tá acontecendo não, porque acaba nos prejudicando. Estamos com ordem pra invadir e matar todo mundo que tiver aí dentro, inclusive até trazer os moleques do interior pra fazer o serviço, tão tudo ali só esperando a ordem pra poder invadir, então é melhor tu começar a falar a porra da verdade, pra mim, pra entender essa situação”

A estratégia do golpe chega ao nível de negociação, na qual os criminosos tentam resolver com o repasse de valores que seriam para arcar com as  despesas que financiavam a suposta execução.  Eu to passando  o papo aqui pro patrão que tu tá dizendo que não tem nada a ver, pediu pra resolver essa situação da melhor forma, sem tirar tua vida e mexer contigo. Vou pedir pra apagar tudo do nosso grupo que tá rolando, perguntando como a gente faz para poder mandar esses moleques embora, sem tirar tua vida, tá entendendo. Diga o que você conseguiu pra gente resolver e a forma como tem que resolver, o que tá faltando, o custo do combustível desses moleques que vieram do interior, são 800 reais, 400 reais de cada. Mando esse moleques irem embora e você vai continuar funcionando tranquilo, sem ninguém mexer com ninguém”, ameaça o golpista.

De acordo com o empresário alvo da suposta facção, os funcionários quando foram ameaçados pelos golpistas entraram em pânico, mas ainda assim não caíram na armadilha e buscaram diligências policiais. “Recebemos mensagem de áudio com ameaças que estávamos envolvidos em denúncias de pessoas que tinham sido presas e que nossa empresa seria invadida, e seríamos executados por bandidos. No final pediram dinheiro! Fica esse alerta para a população em geral, aos empresários que está acontecendo isso. Pra ficarmos espertos! Trata-se de um golpe, tem outras pessoas que caíram, provavelmente nossa empresa seria mais uma. Graças a Deus não aconteceu e procuramos a delegacia para registrar boletim”, conta o empresário.

Outra vítima dos golpistas é uma tatuadora, que viveu momentos de desespero após receber ameaças de morte através de mensagens e ligações de vários números de outros estados.  Segundo a tatuadora, os bandidos são convincentes ao expor detalhes do dia-a-dia das vítimas.

“Entrei em pânico, pois falaram que se eu não pagasse 7 mil reais,  eles iriam mandar me matar, falaram  que estavam vigiando minha vida e minha família há semanas. Sabiam tudo de mim, pois sou microempresária e tenho informações do  meu negócio nas redes sociais! Foi horrível, fiquei desesperada, quase não saí de casa pra ir até a delegacia tomar as devidas providências de tanto pânico que eu estava. Tenho provas e tudo das ameaças! Fui até no Ministério Público implorando por proteção! No fim dessa agonia toda, era golpe. Passar por isso não desejo a ninguém, é horrível a sensação de impotência! Sem você saber se é golpe ou não, na hora não pensamos em nada, o medo domina a cabeça! Pra quem tem família como eu é pior!! Tomem cuidado!”, relatou.

A Polícia Civil orienta que todas as vítimas procurem a delegacia mais próxima para registrar boletim de ocorrência e recolha provas. As investigações continuam para identificar e localizar os autores dos golpes.

RG 15 / O Impacto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *