Ministério da Saúde promove mobilização contra a Covid-19 na Região Norte

Para estimular a população a completar o ciclo vacinal contra a Covid-19, o Ministério da Saúde promoveu, no sábado (22), um ato de vacinação e testagem na Região Norte. Com a maior extensão territorial do Brasil, a região foi escolhida por ser populosa, com cerca de 15 milhões de pessoas acima de 12 anos que integram a população-alvo. Dessas, apenas 1,2 milhão tomaram a dose de reforço – fundamental para fortalecer a imunidade dos brasileiros contra a doença – o que representa uma cobertura vacinal de 8%.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, participou da mobilização em Manaus (AM). Durante a manhã, Queiroga visitou um ponto de vacinação instalado no sambódromo da cidade e um centro de testagem montado no Centro de Exposições de Manaus. O local chegou a registrar mais de 10 mil testes de antígeno nos últimos dias.

“A região Norte merece a nossa atenção especial, além de ser uma região maravilhosa, de gente maravilhosa. Mas é uma região de continente e tem muitos desafios. Áreas remotas, cidades onde o acesso não é tão simples, só pode ser só por avião ou por barco, e vocês conhecem essa realidade melhor do que eu”, ressaltou o ministro.

Amapá e Roraima apresentam os índices mais baixos de vacinados com a dose de reforço, com 4% e 5% da população imunizada, respectivamente. Acre, Amazonas e Pará têm 8% dos residentes vacinados com o reforço. A cobertura vacinal é de 11% no Tocantins e de 12% em Rondônia. A recomendação da Pasta é para que aqueles que ainda não imunizaram procurem os postos de vacinação ou retornem para tomar a segunda dose e a dose de reforço, mesmo após o prazo indicado pelos fabricantes. A estimativa para a região é que cerca de 1,8 milhão de moradores estejam aptos a tomar a dose de reforço ainda em janeiro.

Além do Amazonas, a força-tarefa do Ministério da Saúde ocorreu em todos os estados do Norte e contou com o apoio dos gestores locais. Os secretários nacionais e representantes da Pasta estiveram simultaneamente nas outras seis capitais da região: Belém (PA), Boa Vista (RR), Macapá (AP), Palmas (TO), Porto Velho (RO) e Rio Branco (AC).

“É fundamental que haja um trabalho tripartite da União, dos estados e dos municípios da região Norte, onde é uma região onde a capacidade de resposta do sistema de saúde melhorou bastante mas ainda há dificuldades. Temos que ampliar a vacinação, é fundamental a cobertura de, no mínimo, 70% mas podemos chegar a 80%”, finalizou.

Até agora, o Ministério da Saúde já distribuiu mais de 30 milhões de doses destinadas ao Norte. No total, foram 408 milhões de doses para todo o Brasil. A Pasta também monitora e acompanha de perto a situação dos pacientes que precisam de intervenção médico-hospitalar para o tratamento da doença. Atualmente, a taxa de ocupação de leitos de UTI Covid na região varia de 30% a 74%, sendo Amazonas (74%), Tocantins (69%) e Roraima (67%) os estados com os maiores índices.

SUS mais forte  


Além da vacinação, a estratégia de enfrentamento da doença na Região Norte conta com repasse de recursos financeiros, auxílio técnico, envio de medicamentos e demais insumos, que vêm sendo disponibilizados pela Pasta desde o início da pandemia, em 2020. Atualmente, há 1,2 mil leitos de UTI Covid e 316 leitos de suporte ventilatório pulmonar autorizados nos sete estados, ao custo de R$ 690 milhões, e o Sistema Único de Saúde (SUS) está preparado para habilitar mais leitos de acordo com as demandas de cada localidade.

Em todo o Brasil, o Ministério da Saúde autorizou mais de 26 mil leitos de UTI Covid adultos e pediátricos, por R$ 16,2 bilhões. Na Região Norte, mais de 3,2 milhões de medicamentos de intubação orotraqueal (IOT) foram distribuídos para os sete estados. A prevenção e o diagnóstico também foram facilitados com o envio de cerca de 60 milhões testes do tipo PCR e de antígeno, que permite o diagnóstico em até 20 minutos, para todo o país.

RG 15 / O Impacto com informações do Ministério da Saúde

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.