Candidatos denunciam possíveis irregularidades no concurso da SEAP

Por Diene Moura

Na manhã de terça-feira (22/2), candidatos ao concurso para Policial Penal do Pará (n° C-208) procuraram nossa reportagem para denunciar possíveis irregularidades cometidas pela comissão organizadora, Centro de Extensão, Treinamento e Aperfeiçoamento Profissional  LTDA (CETAP). Segundo os denunciantes, que preferiram não se identificar por medo de represálias, diversas ilegalidades vêm ocorrendo desde o dia da aplicação da prova, realizada no dia 14 de novembro de 2021 em vários municípios do Pará.

Alguns dos inscritos afirmam que foram lesados durante a fase objetiva. Conforme a denúncia da candidata identificada pelas iniciais B.M, no dia do certame entregaram a prova juntamente com outro tipo de cartão resposta. Além disso, na divulgação do resultado a comissão organizadora não forneceu o espelho da prova a todos os candidatos, que ficaram impedidos de analisar seus desempenhos e verificar principalmente a nota no concurso.

“Muita gente ficou prejudicada por conta disso. Em Belém teve gente que foi presa por esta fraudando o mesmo, inclusive estar em vários meios de comunicação tal situação. A banca não responde email dos candidatos e tivemos que acionar o Ministério Público Estadual para apresentar tais provas. Porém, até agora nenhuma atitude foi tomada! É inaceitável essas situações estarem acontecendo e ninguém tomar uma atitude”, lamentou a denunciante.

Diante da insatisfação decorrente  do concurso, que oferece 1.646 vagas imediatas e 299 vagas para o cadastro de reserva para o cargo de Policial Penal, organizou-se três comissões: a primeira incluí os classificados que acertaram 50% da prova em Belém, a segunda é do Baixo Amazonas, a qual abrange 17 municípios da região, de acordo com o item 11.1 do edital; e a terceira é composta por pessoas que se intitulam como grupo excedente. No entanto, as comissões legitimas são as dos 50%, que são candidatos que acertaram 25 pontos na prova objetiva, ou seja, metade das questões.

“Sabemos que atualmente o quadro de agentes na SEAP é insuficiente. No presídio de Santarém, por exemplo, tem muito agente temporário (contratado) trabalhando dobrado porque não tem colaborador, e agora com a saída dos temporários  o sistema ficará descoberto! Não adianta colocar 54 mulheres concursadas e 90 homens para dar conta do Centro de Triagem Masculino;  Centro de Triagem Feminino  e o  Centro de Recuperação Agrícola Sílvio Hall de Moura (CRASHM). A SEAP precisa de efetivo, e já que não pode mais existir os temporários na secretaria queremos que o governo aproveite ao máximo todos os aprovados nesse concurso em andamento. Queremos justiça transparência e respeito”, destacou.

Os denunciantes que foram eliminados ainda na 1° fase cobram mais vagas para o cadastro de reserva e  correções de redações da prova discursiva, pois segundo eles muitos classificados obtiveram notas altas com um texto mal elaborado.  Na tarde de sábado (19/2), a comissão de aprovados 50%, que inclui mais de 15 temporários que faziam parte do quadro de funcionários do sistema prisional de Santarém, estiveram reunidos com faixas e cartazes no Parque da Cidade.

“Fizemos um manifesto de apelo ao governador e  aos deputados estaduais, além das lideranças políticas da região para que olhem  para a nossa causa a fim de convocarem eventualmente nós, os aprovados. Nosso objetivo é chamar a atenção de todos para que nossas redações sejam corrigidas e que o cadastro de reserva seja aprovado, pois assim teremos oportunidade de sermos chamados futuramente”, finalizou um dos manifestantes.

Em busca de esclarecimentos sobre as alegações dos denunciantes, entramos em contato com a responsável pela prestação de serviços de planejamento, organização, realização, processamento e resultado final para homologação do certame, Centro de Extensão, Treinamento e Aperfeiçoamento Profissional  LTDA (CETAP), além da Secretaria de Planejamento e  Administração (SEPLAD) e a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (SEAP), no entanto, até o fechamento dessa reportagem não obtivemos retorno.

 Concurso Polícia Penal  (n° C-208)

 O certame para Agente Penitenciário prevê o quantitativo de 1.646 vagas para serem preenchidas de imediato e 299 para cadastro reserva, que deverão ser chamados em seguida. Desse total, 30% das vagas serão reservadas para candidatas do sexo feminino. O concurso que ainda estão em andamento  acontece de  forma descentralizada, em Altamira, Castanhal, Belém, Marabá, Santarém e Itaituba. O cargo destinado a candidatos que possuem nível médio oferece remuneração de RS 2.810,00.

RG 15 / O Impacto

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.