Estônia será incluída na zona do euro neste sábado

A nova moeda de 1 euro, na Estônia. (Foto: Reuters)

A Estônia poderá ser o último país a entrar na zona do euro nos próximos anos, quando tornar-se o 17º membro do bloco monetário neste sábado (1º de janeiro), com a crise de confiança da região adiando o ingresso de estados do Leste Europeu.

O comissário europeu para Assuntos Econômico e Monetários, Olli Rehn, e os primeiros-ministros da Letônia e da Lituânia se reuniram em Tallinn nesta sexta-feira (31) para saudar a entrada da Estônia na zona do euro a partir de meia-noite. O novo membro finaliza o ímpeto de integração com o Ocidente que começou com o colapso da União Soviética, afastando-se da Rússia.

O ingresso da Estônia também traz pela primeira vez ao euro um ex-estado soviético. Os vizinhos bálticos Letônia e Lituânia esperam juntar-se à união monetária em 2014, consolidando a independência conquistada em 1991.

Porém, no restante do antigo bloco comunista, os governos não estão tão confiantes. Polônia, Hungria e outros membros da União Europeia no Leste Europeu e na Europa Central prometeram juntar-se à zona do euro um dia, mas não estão com pressa.

Os países querem verificar como os problemas de dívida de Irlanda, Grécia, Espanha e Portugal são resolvidos, e temem que a perda de flexibilidade nas taxas de câmbio deixe suas economias menos competitivas e capazes de suportar problemas financeiros.

A crise de dívida pôs fim à ideia de que ser um membro da zona do euro garantiria custos de financiamento menores para o Estado.

“Há mais riscos em estar na zona do euro do que em estar de fora”, disse o presidente do banco central polonês, Marek Belka, mais cedo neste mês.

Comentários similares vieram da República Tcheca, onde o primeiro-ministro Petr Necas declarou que adotar o euro não seria vantagem para seu país por um bom tempo.

Líderes da Estônia – que será o 17º e mais pobre membro do bloco monetário após uma recessão brutal em 2009 – rejeitaram as preocupações de que o projeto de junção ao euro pode dar errado.

“Os problemas de dívida da área do euro não são causados pelo euro e pela crise econômica. As sementes dos problemas foram semeadas há décadas”, disse o presidente estoniano Toomas Ilves, em discurso recente.

“Portanto, a resolução dos problemas atuais só faz o euro mais forte e a Estônia tem a oportunidade de ser imediatamente envolvida nesse processo.”

Da Reuters

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *