Brasil supera melhor defesa, vence Equador e só perde vaga olímpica com 'tragédia'

A rodada desta quarta-feira foi ideal para a seleção brasileira. Depois de ver o Uruguai vencer a Argentina, o Brasil não se intimidou contra a melhor defesa do Sul-Americano sub-20, fez a sua parte e também derrotou o Equador por 1 a 0. Com o resultado, a equipe do técnico Ney Franco pode até perder a última partida e, mesmo assim, garantir a segunda vaga para os Jogos Olímpicos de 2012, em Londres, já que a primeira ficou com os uruguaios após 84 anos.

A vitória contra os equatorianos, construída com gol de Casemiro, deixou o Brasil com nove pontos, três à frente da Argentina. Por isso, para ver a vaga olímpica ir embora, os brasileiros precisariam perder para o Uruguai no próximo sábado e a Argentina, além de derrotar a já eliminada Colômbia, precisaria tirar uma grande diferença no saldo gols (6 a 0).

O resultado contra o Equador ainda permite ao Brasil sonhar até com o título do Sul-Americano sub-20, bastando à equipe do técnico Ney Franco conquistar uma vitória simples contra o Uruguai para atingir, também, esse objetivo.

Para construir esse panorama, no entanto, o Brasil teve de superar a forte defesa do Equador, que antes dessa rodada havia sido vazada somente quatro vezes. Os brasileiros, no entanto, precisaram de apenas sete minutos para conseguir essa proeza, depois de Casemiro aparecer livre na área e completar de cabeça uma falta cobrada por Oscar.

Apesar de não contar com Neymar, que cumpriu suspensão e, com isso, assistiu à partida das tribunas do estádio Monumental UNSA, o ataque brasileiro se mostrou criativo, porém com uma má pontaria. Substituto do camisa 7, Diego Maurício desperdiçou duas chances claras e, na terceira, quando conseguiu balançar as redes, o árbitro assinalou corretamente o impedimento.

Do outro lado, a defesa formada pelos reservas Saimon e Romário passou alguns sustos. Em duas oportunidades os atacantes equatorianos conseguiram vencer o goleiro Gabriel, mas os defensores brasileiros salvaram quase em cima da linha.

O ritmo continuou o mesmo na segunda etapa, com o Brasil tomando a iniciativa de atacar e o Equador explorando perigosos contra-ataques. O meia Lucas, que na ausência de Neymar assumiu o posto de “estrela” do time, realizou grandes jogadas individuais, apesar de mostrar egoísmo em alguns lances.

Já a defesa brasileira, por sua vez continuou passando sufoco e, quando um defensor não evitava o gol adversário, Gabriel mostrava estar completamente recuperado das más atuações do início da competição ao salvar o Brasil em pelo menos duas oportunidades.

Tentando evitar os riscos, o técnico Ney Franco deixou apenas Henrique como atacante, colocando Alan Patrick no lugar de Diego Maurício e Rafael Galhardo para fechar mais o lado direito, substituindo Danilo. Mesmo assim, a equipe brasileira continuou passando por maus momentos, drama que durou até o apito final do árbitro.

UOL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *